Glauber Rocha e Hiroshima mon amour: notas sobre um amor eclipsado

Autores

  • Mateus Araújo Universidade de São Paulo, São Paulo, São Paulo, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2237-1184.v0i31p113-132

Palavras-chave:

Hiroshima mon amour, Glauber Rocha, Alain Resnais, cinema moderno

Resumo

O artigo reexamina a recepção crítica de Hiroshima mon amour por Glauber Rocha, que lhe consagrou dois artigos específicos em 1960-61, e deixou uma série considerável de referências ao filme ou a Resnais em uma trintena de outros textos (sobre outros filmes e cineastas), basicamente na década de 1960, mas também, em número menor, na seguinte. Neste percurso, discute o entusiasmo com o qual Glauber acolhe o filme no calor da hora, mas que parece refluir com o passar dos anos, num eclipse gradual do qual o sintoma mais significativo é a ausência daqueles dois artigos no sumário d’O Século do Cinema, seu livro preparado antes da morte sobre o cinema mundial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mateus Araújo, Universidade de São Paulo, São Paulo, São Paulo, Brasil

Doutor em Filosofia pela Sorbonne e pela Universidade Federal de Minas Gerais. É professor livre-docente de teoria e história do cinema na Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo, ensaísta e tradutor. Na área do cinema, organizou ou coorganizou os livros Glauber Rocha /Nelson Rodrigues (2005), Jean Rouch 2009: retrospectivas e colóquios no Brasil (2010), Straub-Huillet (2012), Charles Chaplin (2012), Jacques Rivette (2013), Godard inteiro ou o mundo em pedaços (2015), O cinema interior de Philippe Garrel (2018), Glauber Rocha: crítica esparsa (2019) e Glauber Rocha: o nascimento dos deuses (2019). Tem artigos publicados em Film Quarterly, Cahiers du Cinéma, Novos Estudos Cebrap, Clássica, Kriterion, Devires, Eco-pós, Cinemais, La Fúria Umana, entre outras. Traduziu Glauber Rocha na França (Le Siècle du Cinéma, 2006) e uma série de autores franceses no Brasil. É editor da revista Devires, da Universidade Federal de Minas Gerais.

Referências

ANÔNIMO. “O Filme novo: HIROSHIMA”. Diário de Notícias. Salvador, 2 e 3 out. 1960, Suplemento Artes e Letras, 3º Caderno, p. 2.

ANÔNIMO. “A obra-prima da Nouvelle Vague”. Diário de Noticias, Salvador, 21 e 22 mai. 1961, Suplemento Artes e Letras, 3º Caderno, p. 8.

ARAÚJO, Mateus. “Sobre a crítica esparsa de Glauber Rocha”. In: ROCHA, Glauber. Crítica esparsa (1957-1965). ARAÚJO, Mateus (org.). Belo Horizonte: Fundação Clóvis Salgado, 2019, p. 10-22.

BRUM, Alessandra. Hiroshima mon amour e a recepção da crítica no Brasil. Campinas: Ed. Unicamp, 2009.

DURAS, Marguerite. Hiroshima mon amour [1960]. In: Duras: Romans, cinéma, théâtre, un parcours 1943-1993. Paris: Quarto Gallimard, 1997, p. 533-643.

LEUTRAT, Jean-Louis. Hiroshima mon amour: étude critique. Col. Synopsis. Paris: Nathan, 1994.

LIANDRAT-GUIGUES, Suzanne & LEUTRAT, Jean-Louis. Alain Resnais: Liaisons secrètes, accords vagabonds. Paris: Cahiers du cinéma, 2006.

ROCHA, Glauber. Conhecimento de S. M. Eisenstein. [1960a]. Diário de Notícias. Salvador, 5 e 6 jun. 1960, 3º Caderno, Suplemento Artes e Letras, p. 3 (republicado em ROCHA, 2019, p. 172-85).

ROCHA, Glauber. “Elevador (ou alcova): Louis Malle”. [1960b]. Diário de Noticias. Salvador, 7 e 8 ago. 1960, 3° Caderno, Suplemento Artes e Letras, p. 3 (republicado em ROCHA, 2019, p. 150-4).

ROCHA, Glauber. “Cegonhas soviéticas ou tirania das belas-artes”. [1960c]. Jornal do Brasil. Rio de Janeiro, 27 set. 1960, Suplemento Dominical, p. 8. (republicado em ROCHA, 2019, p. 186-95).

ROCHA, Glauber. “O preço da ideia” [1960d]. Diário de Notícias. Salvador, 9 e 10 out. 1960, 3º Caderno, Suplemento Artes e Letras, p. 6 (republicado em ROCHA, 2006a, p. 129-33).

ROCHA, Glauber. “Primeira visão de Hiroshima” [1960e]. Diário de Notícias, 23 e 24 out. 1960, Suplemento Artes e Letras, 3º Caderno, p. 6 e 2 (republicado em ROCHA, 2019, p. 155-60).

ROCHA, Glauber. “Studs: um filme genial perdido na Bahia (Tupy)” [1961a]. Diário de Notícias. Salvador, 12 e 13 mar. 1961, 2º Caderno, Suplemento Artes e Letras, p. 4 e 6 (republicado sob o título “Um filme genial”, em ROCHA, 2006a, p. 133-7).

ROCHA, Glauber. “O processo cinema” [1961b]. Jornal do Brasil. Rio de Janeiro, 6 mai. 1961, Suplemento Dominical, p. 3 (republicado sob o título “O processo cinema 61”, em ROCHA, 2004, p. 43-50).

ROCHA, Glauber. “Hiroshima poema verbo-visual (polêmica)” [1961c]. Diário de Noticias. Salvador, 21 e 22 mai. 1961, Suplemento Artes e Letras, 3º Caderno, p. 8 (republicado em ROCHA, Glauber, 2019, p. 161-4).

ROCHA, Glauber. “Glauber Rocha /Exclusivo para DN. Comenta a última tragédia de Luchino Visconti: Rocco, Abel e Caim” [1961d]. Diário de Notícias. Salvador, 18 set. 1961, 3º Caderno, Suplemento Artes e Letras, p. 2 e 6. (republicado sob o título “O Barroco Viscontiano” em ROCHA, 2006a, p. 229-36).

ROCHA, Glauber. “Dois festivais e uma experiência brasileira” [entrevista a Diva Múcio Teixeira] [1962a]. Diário de Notícias. Salvador, 29 jul. 1962, 3º Caderno, Suplemento Artes e Letras, p. 4.

ROCHA, Glauber. “O eclipse (o espaço funeral)” [1962b]. Diário de Notícias. Salvador, 2 e 3 set. 1962, 3º Caderno, Suplemento Artes e Letras, p. 3-4 (republicado sob o título “Espaço funeral”, em ROCHA, 2006a, p. 249-53).

ROCHA, Glauber. “[Carta] para Paulo César Saraceni (abril ou maio 1963)” [1963a]. In: ROCHA, 1997, p. 190-4.

ROCHA, Glauber. “Nosso senhor Buñuel” [1963b]. Senhor. Rio de Janeiro, ano 5, n. 52-53, jun-jul. 1963, p. 60-5 (republicado sob o título “Os 10 mandamentos de Luis Buñuel”, em ROCHA, 2006a, p. 170-85).

ROCHA, Glauber. Revisão crítica do cinema brasileiro [1963c]. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 1963, 147 p. (reed. revista e aumentada. São Paulo: Cosac & Naify, 2003).

ROCHA, Glauber. “Vidas Secas 64” [1964a]. In: Revolução do Cinema Novo, 1981 (reed. 2004, p. 59-63).

ROCHA, Glauber. “Oito e Meio” [1964b]. Diário Carioca. Rio de Janeiro, 24 nov. 1964, p. 7 (republicado em ROCHA, Glauber, 2019, p. 143-6).

ROCHA, Glauber. Deus e o diabo na terra do sol. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 1965.

ROCHA, Glauber. “Apresentação: A moral de um novo Cristo” [1966a]. In: KYROU, Ado (org.). Luís Buñuel. Trad. de José Sanz. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 1966, p. 1-8 (republicado sob o título “A moral de um novo Cristo”, em ROCHA, 2006a, p. 185-90).

ROCHA, Glauber. “Glauber e a fala do Cinema Novo” [1966b]. Jornal do Brasil. Rio de Janeiro, 14 abr. 1966, Caderno B, p. 5 (republicado sob o título “O padre e a moça 66”, em ROCHA, 2004, p. 78-83).

ROCHA, Glauber. [Carta] para Jean-Claude Bernardet (12/7/1967) [1967a]. In: ROCHA, 1997, p. 280-2.

ROCHA, Glauber. Tricontinental 67. [1967b]. In: ROCHA, 2004, p. 104-9 (publicação original: “Cela s’appelle aurore”. Cahiers du Cinéma, n. 195, nov. 1967, p. 39-41).

ROCHA, Glauber. “O Novo cinema no mundo. [1968a]”. O Cruzeiro. Ano XL, n. 13, 30 mar. 1968 (republicado em ROCHA, 2006a, p. 343-52).

ROCHA, Glauber. “Cinema no Mundo II. Fritz Lang, o Leão” [1968b]. O Cruzeiro. Rio de Janeiro, ano XL, n. 14, 6 abr. 1968, p. 38-40

(republicado sob o título “Fritz Lang”, em ROCHA, 2006a, p. 44-9).

ROCHA, Glauber. “Glauber: el ‘Transe’ de América Latina” [entrevista a Federico de Cárdenas e René Capriles] [1969a]. Hablemos de Cine. Lima, n. 47, mai-jun. 1969, p. 34-48 (republicado em português e sob o título “O Transe da América Latina 69”, em ROCHA, 2004, p. 170-92).

ROCHA, Glauber. “Tropicalismo, antropologia, mito, ideograma 69” [1969b]. In: Revolução do Cinema Novo, 1981 (reed. 2004, p. 150-4).

ROCHA, Glauber. “América Nuestra 69”. [1969c]. In: Revolução do Cinema Novo, 1981 (reed. 2004, p. 161-9).

ROCHA, Glauber. “Bad Movie ou saudades do Maciel”. O Pasquim. Rio de Janeiro, n. 76, 2 a 8 dez. 1970, p. 20-1 (republicado em ROCHA, 2006a, p. 145-8).

ROCHA, Glauber. “Glauber Fellini – Fellini é mulher, loba, gato da Pérsia (Uma tese de Glauber Rocha)”. Homem Vogue. São Paulo, agosto 1977, p. 54-60

(republicado sob o título “Glauber Fellini”, em ROCHA, 2006a, p. 253-74).

ROCHA, Glauber. “O Cego que via longe 78”. Folha de São Paulo, 16 set. 1978, Ilustrada, p. 28 (republicado em ROCHA, 2004, p. 367-9).

ROCHA, Glauber. “Idade da terra: um aviso aos intelectuais” [1980a]. Folha de São Paulo, 9 nov. 1980, p. 51.

ROCHA, Glauber. “Neves Eulálio David 80” [1980b]. In: Revolução do Cinema Novo, 1981 (reed. 2004, p. 405-8).

ROCHA, Glauber. “Andrade De Pedro Joaquim 80” [1980c]. In: Revolução do Cinema Novo, 1981 (reed. 2004, p. 441-6).

ROCHA, Glauber. Revolução do cinema novo. Rio de Janeiro: Editora Alhambra; Embrafilme, 1981 (reed. revista e aumentada. São Paulo: Cosac & Naify, 2004).

ROCHA, Glauber. O século do cinema [2006a]. Rio de Janeiro: Editora Alhambra; Embrafilme, 1983 (reed. revista e aumentada. São Paulo: Cosac & Naify, 2006).

ROCHA, Glauber. Cartas ao Mundo. BENTES, Ivana (org. e intr..). São Paulo: Companhia das letras, 1997.

ROCHA, Glauber. Le siècle du cinéma [2006b]. Trad. du portugais par Mateus Araújo Silva. Éd. française établie par Cyril Béghin et Mateus Araújo Silva. La Crisnée: Yellow now; Magic cinéma; Cosac & Naify, 2006.

ROCHA, Glauber. Crítica esparsa (1957-1965). SILVA, Mateus Araújo (org.). Belo Horizonte: Fundação Clóvis Salgado, 2019.

SILVA, Mateus Araújo. “Alain Resnais, cardiologista da sociabilidade”. In: BORGES, Cristian; CAMPOS, Gabriela; AISENGART, Ines (orgs.). Alain Resnais: a revolução discreta da memória. São Paulo; Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil, 2008, p. 79-82.

SILVEIRA, Walter. “Um filme de transição”. In: ROCHA, Glauber. Deus e o diabo na terra do sol. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 1965, p. 173-82.

XAVIER, Ismail. “Prefácio”. In: ROCHA, Glauber. O século do cinema (reed.). São Paulo: Cosac & Naify, 2006, p. 9-31.

Downloads

Publicado

2020-11-27

Como Citar

Silva, M. A. (2020). Glauber Rocha e Hiroshima mon amour: notas sobre um amor eclipsado. Literatura E Sociedade, 25(31), 113-132. https://doi.org/10.11606/issn.2237-1184.v0i31p113-132