Primo e ‘eu’: uma montagem de risco

Autores

  • Maurício Santana Dias Universidade de São Paulo, São Paulo, São Paulo, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2237-1184.v0i32p17-35

Palavras-chave:

Primo Levi (1919-1987), Literatura italiana, Tradução literária

Resumo

Questão central em toda a obra de Primo Levi, o trabalho humano é o que simultaneamente nos constitui como seres sociais e o que, no antropoceno, pode nos destruir ou reinventar. Definindo-se como um escritor que trabalha com “a montagem das palavras assim como o químico trabalha na montagem de moléculas”, é por meio dessa experiência que ele busca tanto lançar luz sobre a “zona cinzenta” do Lager e seus desdobramentos quanto atravessá-los por meio de uma imaginação vertiginosa, que é a contraface do “estudo sereno” com que examinou a experiência pessoal e coletiva de Auschwitz – em suas palavras, um “gigantesco experimento biológico e social”. Emulando o método de Levi e deixando o autor/tradutor falar, este ensaio procede a uma montagem, por analogia e metonímia, de uma variedade de textos seus que tangenciam muitas de suas obsessões, todos eles traduzidos e refletidos por mim nesses últimos vinte anos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maurício Santana Dias, Universidade de São Paulo, São Paulo, São Paulo, Brasil

Professor livre-docente do Departamento de Letras Modernas da Universidade de São Paulo. É autor de A demora: Claudio Magris, Danúbio, Microcosmos (2009) e de vários ensaios sobre poetas e escritores italianos (Giovanni Boccaccio, Luigi Pirandello, Cesare Pavese, Giuseppe Tomasi di Lampedusa, Italo Calvino, P. P. Pasolini, Primo Levi, entre outros). Organizou e traduziu diversos livros, entre os quais Decameron: dez novelas selecionadas (2013), 40 novelas de Luigi Pirandello (Prêmio Paulo Rónai de Tradução – FBN 2008), Trabalhar cansa (Prêmio Jabuti de Tradução – 2010), Poemas: Pier Paolo Pasolini (organizado com Alfonso Berardinelli, 2015) e Mil sóis: poemas selecionados. Em 2019, recebeu o Premio Nazionale per la Traduzione do Ministério da Cultura da Itália (MIBACT), pelo conjunto da obra.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O que resta de Auschwitz. Homo Sacer III. Trad. de Selvino J. Assmann. São Paulo: Boitempo, 2008.

ARENDT, Hannah. A condição humana. Trad. de Roberto Raposo e pref. de Celso Lafer. São Paulo: Forense, 1993.

BARENGHI, Mario. Perché crediamo a Primo Levi? Turim: Einaudi, 2013.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Trad. de Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BELPOLITI, Marco. Primo Levi di fronte e di profilo. Milão: Ugo Guanda Editore, 2015.

BENJAMIN, Walter. Obras Escolhidas II: Rua de mão única. Trad. de Rubens R. Torres Filho e José Carlos M. Barbosa. São Paulo: Brasiliense, 1993.

BROMBERT, Victor. Em louvor de anti-heróis. Trad. de José Laurenio de Melo. Cotia: Ateliê, 2001.

CASES, Cesare. Patrie lettere. Turim: Einaudi, 1987.

COLERIDGE, S.T. A balada do velho marinheiro. Trad. e intr. de Alípio C. de Franca Neto. Cotia: Ateliê, 2005.

DIAS, Maurício S. “Primo Levi e o zoológico humano”. In: 71 contos de Primo Levi. São Paulo: Companhia das letras, 2005.

DIAS, Maurício S. Primo Levi e as chaves da ciência. Revista Diálogos Mediterrânicos, Curitiba, n. 14 (2018).

DIAS, Maurício S. “A poesia de um sobrevivente”. In: Mil sóis: poemas escolhidos. Trad., apres. e org. de Maurício S. Dias. São Paulo: Todavia, 2019.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Cascas. Trad. de André Telles. São Paulo: 34, 2017.

FERRERO, Ernesto. Primo Levi: l’écrivain au microscope. Trad. de Jean-Luc Defromont Paris: Liana Levi, 2009.

FERRERO, Ernesto. Primo Levi: un’antologia della critica. A cura di Ernesto Ferrero. Turim: Einaudi, 1997.

FORTI, Simona. I nuovi demoni. Ripensare oggi male e potere. Milão: Feltrinelli, 2011.

LEVI, Primo. Opere complete. A cura di Marco Belpoliti. Turim: Einaudi, 2017-2018.

LEVI, Primo. A chave estrela. São Paulo: Companhia das letras. Trad. de Maurício S. Dias, 2009.

LEVI, Primo. 71 contos de Primo Levi. São Paulo: Companhia das letras. Trad. e intr. de Maurício S. Dias, 2005.

LEVI, Primo. Mil sóis: poemas escolhidos. Trad., apres. e org. de Maurício S. Dias. São Paulo: Todavia, 2019.

MENGALDO, Pier Vincenzo. Giudizi di valore. Turim: Einaudi, 1999.

RIGONI STERN, Mario. “La Medusa non ci ha impietriti”. La Stampa, Turim, 14 abr. 1987.

TABUCCHI, Antonio. Di tutto resta um poco. A cura di Anna Dolfi. Milão: Feltrinelli, 2013.

TODOROV, Tzvetan. Memoria del male, tentazione del bene. Trad. di Roberto Rossi. Milão: Garzanti, 2004.

Downloads

Publicado

2020-12-28

Como Citar

Dias, M. S. (2020). Primo e ‘eu’: uma montagem de risco. Literatura E Sociedade, 25(32), 17-35. https://doi.org/10.11606/issn.2237-1184.v0i32p17-35

Edição

Seção

Ensaios