Figurações de sobrevivência em Primo Levi. Diálogos com Norbert Elias

Autores

  • Andréa Borges Leão Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, Ceará, Brasil
  • Antônio Cristian Saraiva Paiva Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, Ceará, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2237-1184.v0i32p36-50

Palavras-chave:

Figurações de sobrevivência, Ciência e civilização, Escritas de si

Resumo

Em meio às figurações sociais que moldam a vida dos indivíduos, o escritor italiano Primo Levi, deportado para Auschwitz, em 1944, se perguntou: “É isso é um homem?”. Levi conseguiu sobreviver no trabalho da escrita de testemunho, embora não tenha escapado ao discurso que incorpora o indivíduo na consciência do mal. Ou, às práticas históricas de enunciação que criam a figura do judeu no plano da condenação moral como pessoa que tem um preço, portanto, escravizada. Ou, aos impactos da crença e propaganda nazista no psiquismo humano. Escolheu um outro modo possível de dar fim ao seu trauma. Neste artigo, convidamos o sociólogo alemão Norbert Elias, assim como outros pensadores sociais, para desvelar as figurações de sobrevivência na narrativa de Primo Levi. As categorias analíticas da sociologia eliasiana utilizadas na interpretação de A Tabela Periódica, o entrelaçamento de relações no mapa da existência, oferecem pistas de decifração do que o corpo e o coração de cientista escritor não conseguiram escapar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andréa Borges Leão, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, Ceará, Brasil

Professora do Departamento de Ciências Sociais, do Programa de Pós-graduação em Sociologia da Universidade Federal do Ceará e pesquisadora do CNPq. Escreveu Brasil em imaginação. Livros, impressos e leituras infantis (2012), fruto de sua tese de doutorado na Universidade de São Paulo, e Norbert Elias e a Educação (2007). Publicou capítulos em coletâneas, artigos em periódicos e organizou dossiês temáticos sobre sociologia da literatura, da circulação cultural e da edição literária. Escreveu os capítulos “Elias and Literature”: psychogenesis of Brazil in French books for young people, em Norbert Elias and Empirical Research (2014), e o “O Brasil na edição francesa oitocentista”, em Deslocamentos e Mediações. A circulação transatlântica dos impressos (1789-1914) (2018).

Antônio Cristian Saraiva Paiva, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, Ceará, Brasil

Professor associado do Departamento de Ciências Sociais, do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal do Ceará, bolsista de produtividade do CNPq e coordenador do Núcleo de Pesquisas sobre Sexualidade, Gênero e Subjetividade (NUSS) da UFC. Escreveu os livros Reservados e invisíveis: o ethos íntimo das parcerias homoeróticas (2007) e Sujeito e laço social: a produção de subjetividade em M. Foucault (2000). Organizou a coleção Gapuia: Sociologia em pesquisas & teses (2017) e o livro Estilísticas da sexualidade (2006). Publicou diversos capítulos de coletâneas e artigos em periódicos nos estudos sobre geração, corpo, saúde, sexualidade e escrita de si.

Referências

BUTLER, Judith. Vida precária: os poderes do luto e da violência. Belo Horizonte: Autêntica, 2019.

BUTLER, Judith. Relatar a si mesmo: crítica da violência ética. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

BUTLER, Judith. Qu’est-ce qu’une vie bonne? Paris: Payot, 2014.

CYRULNIK, Boris. Mourir de dire: la honte. Paris: Odile Jacob, 2010.

DAS, Veena. “Fronteiras, violência e o trabalho do tempo”: alguns temas wittgensteinianos. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 14.

DELUERMOZ, Quentin. Norbert Elias (sous la direction de). Paris: Tempus Perrin, 2012.

DELEUZE, Gilles. Foucault. São Paulo: Brasiliense, 1988.

ELIAS, Norbert. A solidão dos moribundos, seguido de Envelhecer e morrer. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

ELIAS, Norbert. “O processo civilizador”. Ed. Formação do Estado e civilização, v. II. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1993.

ELIAS, Norbert. Os alemães. A luta pelo poder e a evolução do habitus nos século XIX e XX. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1997.

ELIAS, Norbert. J’ai suivi mon propre chemin. Un parcours dans le siècle: propos autobiographiques, Respect et critique: discours de réception du prix Adorno. Paris: Les Éditions Sociales, 2016.

ELIAS, Norbert. « Les êtres humains et leurs émotions: essai de sociologie processuelle ». In: Sensibilités. Histoires & Sciences Sociales. Controverses sur l’émotion. Neurosciences et sciences humaines. Paris: Anamosa, 2018.

FOUCAULT, Michel. “A escrita de si”. In: O que é um autor? Lisboa: Vega, 1992.

LEVI, Primo. A Tabela Periódica. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1994.

LEVI, Primo. Se isso é um homem. Córdova: Dom Quixote; Leya, 2013.

MESNARD, Philippe. « Primo Levi, du rapport sur Auschwitz à la littérature ». Dits et inédits, 2004. Disponível em: http://www.revue-texto.net/1996-2007/Inedits/Inedits.html

MESNARD, Philippe. «Primo Levi, un témoin en mouvement». Mougel, Célia e Khouadja, Mona. Mémoires, 2019, n. 3, p. 24-5. Disponível em: https://www.cairn.info/revue-memoires-2019-3-page-24.htm

PLUMMER, Ken. Telling sexual stories: power, change and social worlds. Londres: Routledge, 1995.

POLLAK, Michael. L’expérience concentrationnaire: essai sur le maintien de l’identité sociale. Paris: Métailié, 1990.

ROTH, Philip. “Philip Roth entrevista Primo Levi”. In: A Tabela Periódica. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1994.

ROTMAN, David. « Trajectoire intellectuelle et expérience du camp »: Norbert Elias à l’île de Man. Revue d’histoire moderne & contemporaine, 2005, n. 52, p. 148-68. Disponível em: https://www.cairn.info/revue-d-histoire-moderne-et-contemporaine-2005-2-page-148.htm

Downloads

Publicado

2020-12-28

Como Citar

Leão, A. B., & Paiva, A. C. S. (2020). Figurações de sobrevivência em Primo Levi. Diálogos com Norbert Elias. Literatura E Sociedade, 25(32), 36-50. https://doi.org/10.11606/issn.2237-1184.v0i32p36-50

Edição

Seção

Ensaios