Portal da USP Portal da USP Portal da USP

A HORA E A VEZ DE AUGUSTO MATRAGA OU “DE COMO ALGUÉM SE TORNA O QUE É”

Adélia Bezerra de Meneses

Resumo


Dentro do recorte “literatura e inconsciente”, a proposta é um estudo de A hora e vez de Augusto Matraga, de Guimarães Rosa, sob a luz dos versos de Píndaro: “torna-te aquilo que és”. Com efeito, nesse conto vemos a passagem de Nhô Augusto a Matraga: um percurso de singularidade – ou um processo de individuação – em que a original violência desabrida da personagem é vetorializada e adquire um rumo ético. Mas, como diz o narrador, ele é Matraga, “o homem”: “A civilização está sendo constantemente criada de novo, de vez que cada pessoa, assim que ingressa na sociedade humana, repete esse sacrifício da satisfação instintual em benefício de toda a comunidade” (Freud, Conferências introdutórias à psicanálise I, 1915). E nos baseando num dos possíveis significados do nome do protagonista (Matraz = vaso alquímico), na marca com que é ferrado (o triângulo dentro de um círculo) e na importância da sua “hora” (seu kairós) – elementos que não são aleatórios, mas participam do mesmo sistema de pensamento, aposta-se na possibilidade de uma interpretação da transformação sofrida pela personagem na linha de um opus alquímico: da grande depressão em que foi lançado a sua “hora e vez”, sua áurea hora (Aurora) na luta de morte com Seu Joãozinho Bem-Bem.

Palavras-chave


Guimarães Rosa; A hora e a vez de Augusto Matraga; inconsciente; individuação; kairós; alquimia.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2237-1184.v0i10p64-80

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.