Cerâmica fragmentada — oleiro miserável

  • Fátima Ghazzaoui Universidade de São Paulo (USP)
Palavras-chave: poesia, Carlos Drummond de Andrade, Lição de Coisas, memória

Resumo

Em busca de novos métodos de investigação para sua poética, em Lição de Coisas, Carlos Drummond de Andrade volta sua atenção à figuração dos objetos como matéria de sua poesia. O presente estudo, que parte da análise formal de um dos poemas do livro — Cerâmica —, pretende mostrar que essa figuração se dá em chão histórico, mesmo quando aparentemente a cena descritiva encobre as tensões sociais. Diante de um contexto em que a coisificação do mundo e do homem é regra e em que as coisas assumem uma independência fantasmagórica, a alienação e a reificação do sujeito passam a ser marcas indeléveis de suas vivências. Como consequência, tanto a memória individual quanto a memória coletiva constituem-se de experiências marcadas de negatividade.

Biografia do Autor

Fátima Ghazzaoui, Universidade de São Paulo (USP)

Possui graduação em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1984), graduação em Letras pela Universidade de São Paulo (1997) e mestrado em Letras (Teoria Literária e Literatura Comparada) pela Universidade de São Paulo (2003). Desde 2016, integra o programa de doutorado do Departamento de Teoria Literária da Universidade de São Paulo. Atualmente, é professora da Prefeitura Municipal de São Paulo. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Teoria Literária.

Publicado
2018-12-27
Como Citar
Ghazzaoui, F. (2018). Cerâmica fragmentada — oleiro miserável. Magma, (14), 143-152. https://doi.org/10.11606/issn.2448-1769.mag.2018.154408
Seção
Ensaios de Curso