De “Notas de crítica literária” a “Quatro esperas”: Antonio Candido leitor de narrativas ficcionais

Autores

  • André Barbosa Macedo Universidade Federal do Pará (UFPA)

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2448-1769.mag.2019.173827

Palavras-chave:

Recepção crítica, Teoria literária, Literatura Brasileira, Antonio Candido

Resumo

Contemplando parte de pesquisa mais abrangente sobre a recepção crítica de Graciliano Ramos e Guimarães Rosa desde a crítica de jornal, o objetivo do artigo é abordar questões de método quanto à leitura de prosa de ficção na crítica de Antonio Candido. O corpus é formado por escritos que vão de “Notas de crítica literária” (anos 1940) até “Quatro esperas” (1990). Nesse sentido, identificamos as sete principais referências de Candido para esse tipo de leitura e realizamos considerações sobre sua mentalidade juntiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Barbosa Macedo, Universidade Federal do Pará (UFPA)

André Barbosa Macedo é professor da Universidade Federal do Pará (Letras/Português). Possui graduação em Letras (bacharelado e licenciatura) e em Filosofia (bacharelado e licenciatura), mestrado em Educação (2010) e Doutorado em Letras/Literatura Brasileira pela Universidade de São Paulo (2015). Realizou período sanduíche na Universidade Livre de Berlim (FU-Berlin) para pesquisas no âmbito da Teoria Literária e da Literatura Comparada. Suas linhas de pesquisa são: Literatura Brasileira, Teoria Literária, Literatura Comparada, Ensino-aprendizagem de Literatura e de Português, Literatura do Século XX.

Referências

AZEVEDO, Aluísio. O Cortiço. São Paulo: Klick Editora, 1997.

ARANTES, Paulo. “Providências de um crítico literário na periferia do capitalismo”. In: D’INCAO, M. A.; SCARABÔTOLO, E. F. Dentro do texto, dentro da vida. P. de Caldas; S. Paulo: I. M. Salles, Casa de Cultura de P. de Caldas; Companhia das Letras, 1992a.

ARANTES, Paulo. “Sentimento dos contrários”. In: Sentimento da dialética na experiência intelectual brasileira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992b.

AUERBACH, Eric. Introdução aos estudos literários. São Paulo: Cultrix, 1972.

AUERBACH, Eric. Mimesis. São Paulo: Perspectiva, 2009.

CANDIDO, Antonio. “Vinte anos e...” Folha da Manhã. São Paulo, p. 5, 4 mar. 1943.

CANDIDO, Antonio. “Um crítico”. In: LINS, Alváro. Jornal de Crítica: 5ª série. Rio de Janeiro: José Olympio, 1947.

CANDIDO, Antonio. Formação da literatura brasileira. São Paulo: Martins, 1959.

CANDIDO, Antonio. “O homem dos avessos”. In: Tese e antítese. São Paulo: Companhia. Editora Nacional, 1964.

CANDIDO, Antonio. “Entrevista com Antonio Candido”. Investigações, Recife, v. 7, p. 8-39, set. 1997.

CANDIDO, Antonio. “Duas vezes ‘A passagem do dois ao três’”. In: Textos de intervenção. São Paulo: Duas Cidades, 2002.

CANDIDO, Antonio. “Dialética da malandragem”; “De cortiço a cortiço”. In: O discurso e a cidade. São Paulo, Rio de Janeiro: Duas cidades/Ouro sobre Azul, 2004.

CANDIDO, Antonio. “Realidade e realismo (via Marcel Proust)”. In: Recortes. 3. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2004c.

CANDIDO, Antonio. O estudo analítico do poema. 6. ed. São Paulo: Humanitas, 2006.

CANDIDO, Antonio. Formação da literatura brasileira. São Paulo: Ouro Sobre Azul, 2007.

CANDIDO, Antonio. “Crítica e sociologia”. In: Literatura e sociedade. 10. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2008a.

CANDIDO, Antonio. “Estrutura literária e função histórica”. In: Literatura e sociedade. 10. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2008b.

CANDIDO, Antonio; JACKSON, Luiz Carlos. “Entrevista a Luiz Carlos Jackson”. In: JACKSON, Luiz Carlos. A tradição esquecida. Belo Horizonte: UFMG; São Paulo: Fapesp, 2002.

COUTINHO, Afrânio. “Gênero de ficção”. In: Notas de teoria literária. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1976. p. 30-51.

FORSTER, E. M. Aspectos do romance. Porto Alegre: Globo, 1969.

GINZBURG, Carlo. “Sinais: raízes de um paradigma indiciário”. In: Mitos, emblemas, sinais. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

LEAVIS, F. R. “The great tradition”. In: The great tradition. Londres: Chatto & Windus, 1948. p. 1-27. (Exemplar de Antonio Candido, Biblioteca Florestan Fernandes, FFLCH/USP, São Paulo.)

LUBBOCK, Percy. A técnica da ficção. São Paulo: Cultrix; Edusp, 1976.

LUKÁCS, György. Saggi sul realismo. Turim: Einaudi, 1950.

LUKÁCS, György. Probleme des Realismus. Berlim: Aufbau, 1955. (Exemplar de Antonio Candido, Biblioteca Florestan Fernandes, FFLCH/USP, São Paulo.)

LUKÁCS, György. A teoria do romance. São Paulo: Duas Cidades/Editora 34, 2000.

MENESES, Adélia Bezerra de. “Sob o signo de Hermes”. In: ROSENBAUM, Yudith; PASSOS, Cleusa (orgs). Interpretações: crítica literária e psicanálise. Cotia: Ateliê Editorial, 2014. p. 29-44.

MUIR, Edwin. A estrutura do romance. Porto Alegre: Globo, s.d.

OLIVEIRA, Irenísia Torres de. “Forma imanente e história na crítica literária de Lukács, Candido e Schwarz”. Revista Brasileira de Literatura Comparada, n. 18, 2011.

SCHWARZ, Roberto. “Pressupostos, salvo engano, de ‘Dialética da malandragem’”. In: ARINOS et al. Esboço de figura. São Paulo: Duas Cidades, 1979.

SCHWARZ, Roberto. Um mestre na periferia do capitalismo. São Paulo: Duas Cidades, 1990.

SCHWARZ, Roberto. Adequação nacional e originalidade crítica”. In: Sequências brasileiras. São Paulo: Companhia das Letras, 1999. p. 24-45.

SPITZER, Leo. “Linguística e história literária”. In: Linguística e história literária. Madri: Gredos, 1968. p. 9-53.

WAIZBORT, Leopoldo. “Senso das coalescências e sentimento da realidade”. In:

A passagem do três ao um. São Paulo: Cosac & Naify, 2007. p. 87-264.

WELLEK, René; WARREN, Austin. Teoria da literatura. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

WELLEK, René. “T. S. Eliot”. In: Historia de la crítica moderna. v. 5. Madri: Gredos, 1988. p. 289-354.

Downloads

Publicado

2019-12-27

Como Citar

Macedo, A. B. (2019). De “Notas de crítica literária” a “Quatro esperas”: Antonio Candido leitor de narrativas ficcionais. Magma, 26(15), 93-114. https://doi.org/10.11606/issn.2448-1769.mag.2019.173827

Edição

Seção

Artigos