Michel Butor, voz(es)

Autores

  • Amayi Luiza Soares Koyano Universidade de São Paulo (USP)

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2448-1769.mag.2019.174044

Palavras-chave:

Michel Butor, Voz, Tradução, Leitura

Resumo

O escritor francês Michel Butor (1926-2016) refletiu sobre a voz e os efeitos da vocalidade e da oralidade na tradução, enquanto criação literária, e na leitura enquanto performance. Para este presente ensaio, proponho um percurso de análise que se inicia com o livro sonoro Pensées à voix haute (BUTOR, 2017) e de sua relação com as teorias sobre a voz (Zumthor, 2018; Dolar, 2014; Cesarino, 2014; Cavarero, 2011; Meschonnic, 2006), passando pela técnica de registro sonoro e de tradução do escritor para a elaboração do poema “Manhattan invention” (BUTOR, 2008 [1962]; 2004), culminando na análise de seu livro para crianças Zoo (BUTOR, 2001) do ponto de vista da formação do leitor na infância e da performance da leitura em voz alta. Butor, analisado segundo os teóricos da voz, imprime na tradução e na leitura o que há de mais contemporâneo dentro dos estudos discursivos: a abertura às múltiplas vozes a partir da unicidade vocálica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amayi Luiza Soares Koyano, Universidade de São Paulo (USP)

Mestranda em Estudos Linguísticos, Literários e Tradutológicos em Francês pela Universidade de São Paulo (USP). Profissional do texto e professora de francês. Membro da diretoria da Associação dos Pesquisadores em Crítica Genética (APCG), gestão 2020-2022. Bacharela em Letras (Francês, Estudos da Tradução) pela Universidade Federal de Minas Gerais (2013), especialista em Revisão de Textos pela PUC Minas (2015) e licenciada em Língua Portuguesa pelo CEFET-MG (2017). Foi pesquisadora de iniciação científica CNPq do Acervo dos Escritores Mineiros (AEM/FALE/UFMG) e também do Laboratório Experimental de Tradução (LETRA/FALE/UFMG). Em 2011, recebeu Prêmio de Relevância Acadêmica na XX Semana de Iniciação Científica CNPq/PRPq-UFMG pela pesquisa sobre estilo em tradução. Em 2018, foi finalista do Prêmio Nascente USP, na categoria Texto (prosa ficcional - conto).

Referências

BUTOR, Michel. Pensées à voix haute. Vincennes: Frémeaux, 2017.

BUTOR, Michel. “Manhattan invention”. In: Anthologie nomade. Paris: Gallimard, 2004.

BUTOR, Michel. Zoo. Voisins-le-Bretonneux: Rue du Monde, 2001.

BUTOR, Michel. “Mobile” [1962]. In: Œuvres Complètes de Michel Butor – Le génie du lieu 1. v. 5. Paris: La Différence, 2008.

CALVINO, Italo. “Um rei à escuta”. In: Sob o sol-jaguar. Trad. de Nilson Moulin. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

CAVARERO, Adriana. Vozes plurais: filosofia da expressão vocal. Trad. de Flavio Terrigno Barbeitas. Belo Horizonte: UFMG, 2011.

CESARINO, Pedro de Niemeyer. “A voz falível: ensaio sobre as formações ameríndias de mundos”. Literatura e Sociedade, São Paulo, v. 19, n. 19, p. 76-99, 2014.

DOLAR, Mladen. “Ética da voz”. Trad. de Fábio Roberto Lucas. Literatura e Sociedade, São Paulo, v. 19, n. 18, p. 151-166, 2014.

MESCHONNIC, Henri. Linguagem, ritmo e vida. Trad. de Cristiano Florentino. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2006.

MORELLO, André-Alain. “Butor, œuvre des frontières et écriture-monde”. In: ARBEX, Márcia; ALLEMAND, Roger-Michel. (Orgs.) Universo Butor. Belo Horizonte: C/ Arte, 2012.

ZUMTHOR, Paul. Performance, recepção, leitura. Tradução de Jerusa Pires Ferreira e Suely Fenerich. São Paulo: Ubu, 2018.

Downloads

Publicado

2019-12-27

Como Citar

Koyano, A. L. S. (2019). Michel Butor, voz(es). Magma, 26(15), 235-256. https://doi.org/10.11606/issn.2448-1769.mag.2019.174044

Edição

Seção

Ensaios de Curso