[1]
F. Santos, “Distanciamento e grotesco em O rei da vela, de Oswald de Andrad”e, Magma (São Paulo), nº 14, p. 153-164, dez. 2018.