Processos de criação e procedimentos de criação

Autores

  • Mara Lafourcade Rayel Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2596-2477.i43p82-92

Palavras-chave:

Salles, Processos de criação, Artista, Espinosa, Conhecimento

Resumo

Nossa proposta é analisar as obras de Cecilia Salles, Gesto inacabado e Redes da criação, à luz do que Espinosa apresenta na Ética como sendo o segundo e o terceiro gêneros de conhecimento. A intenção é avaliar em que medida as ideias de Salles, sobre processo de criação, e de Espinosa podem ser complementares. Nosso problema se constitui em avaliar os processos de criação descritos por Salles e colocá-los lado a lado com os gêneros de conhecimento de Espinosa por ambos abarcarem aspectos relacionados a uma teoria do conhecimento. Nossa hipótese é de que esse movimento é possível pelas características intrínsecas às descrições desenvolvidas pelos autores. Nosso método é de apropriação livre dos conceitos de Salles, como demonstração de procedimentos criativos, e posterior análise das obras em tela para concluir por suas ideias comuns em alguns pontos e por sua complementaridade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mara Lafourcade Rayel, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Doutora em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP).

Referências

COLAPIETRO, V. Os locais da criatividade: sujeitos fissurados, práticas entrelaçadas. Tradução: Cecília Salles. In: PINHEIRO, A.; SALLES, C. A. (Org.). Jornalismo expandido: práticas, sujeitos e relatos entrelaçados. São Paulo: Intermeios/PUC-SP, 2016.

DELEUZE, G. En medio de Spinoza. Tradução: Equipo Editorial Cactus. 2. ed. Buenos Aires: Cactus, 2013.

DELEUZE, G. Espinosa: filosofia prática. Tradução: Daniel Lins e Fabien Pascal Lins. São Paulo: Escuta, 2002.

DELEUZE, G. Espinoza e os signos. Tradução: Abílio Ferreira. Porto: Rés-Editora, s/d.

DELEUZE, G. Espinosa e o problema da expressão. Tradução: GT Deleuze. Coordenação: Luiz B. L. Orlandi. São Paulo: Editora 34, 2017.

DELEUZE, G. Ideia e afeto em Spinoza. Aula de 24 jan. 1978. Disponível em: <http://www.webdeleuze.com/php/texte.php?cle=194&groupe=Spinoza&langue=5>. Acesso em: 15 nov. 2020.

DELEUZE, G. Lógica do sentido. Tradução: Luiz R. Salinas Fortes. São Paulo: Perspectiva, 2007.

DELEUZE, G. Spinoza et le problème de l'expression. Paris: Les Éditions de Minuit, 1968, 2010.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs – capitalismo e esquizofrenia. Tradução: Ana Lúcia de Oliveira (coord.). São Paulo: Editora 34, 1995 [v. 1 e 2], 1996 [v. 3], 1997 [v. 4 e 5].

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. O anti-Édipo: capitalismo e esquizofrenia. Tradução: Luiz B. L. Orlandi. São Paulo: Editora 34, 2010.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. O que é a Filosofia? Tradução: Bento Prado Jr.; Alberto Alonso Muñoz. São Paulo: Editora 34, 2000.

KLEE, P. Confissão criadora. In: KLEE, P. Sobre a Arte Moderna e Outros Ensaios. Tradução: Pedro Süssekind. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001.

LISPECTOR, C. Água viva. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

PINHEIRO, A. América Latina: Barroco, cidade, jornal. São Paulo: Intermeios, 2013.

PINHEIRO, A.; SALLES, C. A. (Org.). Jornalismo expandido: práticas, sujeitos e relatos entrelaçados. São Paulo: Intermeios/PUC-SP, 2016.

SALLES, C. Gesto inacabado. 5. ed. revista e ampliada. São Paulo: Intermeios, 2011.

SALLES, C. Redes da criação: construção da obra de arte. 2. ed. São Paulo: Horizonte, 2014.

SPINOZA, B. de. Ética. Tradução: Tomaz Tadeu. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

Downloads

Publicado

2021-07-26

Como Citar

Rayel, M. L. (2021). Processos de criação e procedimentos de criação. Manuscrítica: Revista De Crítica Genética, (43), 82-92. https://doi.org/10.11606/issn.2596-2477.i43p82-92