Literatura e edição à luz da sociologia dos textos, de D. F. McKenzie

Autores

  • Thiago Landi Universidade Federal de Minas Gerais. Programa de Pós Gradução em Estudos Literários

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2596-2477.i43p44-53

Palavras-chave:

Edição, Literatura, Sociologia dos textos, Donald Francis McKenzie, Roberto Bolaño

Resumo

Este artigo busca promover uma articulação entre os campos dos estudos literários e editoriais a partir das contribuições do notável bibliógrafo neozelandês D. F. McKenzie, que ao conceber a noção de sociologia dos textos funda um importante entendimento sobre a influência capital que os aspectos materiais, históricos e sociais do texto têm na sua conformação semântica e na sua transmissão ao longo do tempo e do espaço. A partir daí, busca-se demonstrar a relevância da instância editorial – que é parte dessa cadeia sociológica – para os estudos literários perpassando quatro pontos: primeiramente, apresenta-se o projeto bibliográfico da primeira tradução brasileira de O avarento, de Molière, que é seguido de uma exposição crítica sobre a teoria de McKenzie, de um panorama conceitual sobre a edição e, finalmente, de um estudo de caso sobre as circunstâncias editoriais que envolveram a publicação original do romance 2666 (Barcelona: Anagrama, 2004), do escritor chileno Roberto Bolaño.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Landi, Universidade Federal de Minas Gerais. Programa de Pós Gradução em Estudos Literários

Mestre em Estudos Literários –linha de pesquisa “Edição e recepção de textos literários” –pelo Programa de Pós-graduação em Letras: Estudos Literários da UFMG (Pós-Lit); bacharel em Letras pela Universidade Federal de Minas Geraise pós-graduado em Edição pela UniversidadeAutônoma de Barcelona.

Referências

BOLAÑO, Roberto. 2666. Barcelona: Editorial Anagrama, 2004.

BRAGANÇA, Aníbal. Sobre o editor: notas para sua história. Em Questão, Porto Alegre, v. 11, n. 2, p. 219-237, jul.-dez. 2005. Disponível em: <https://bit.ly/2yPTcAb>. Acesso em: 23 jul. 2018.

CANFORA, Luciano. Il copista come autore. Palermo: Sellerio, 2002.

CAVALLO, Guglielmo; CHARTIER, Roger (Orgs.). História da leitura no mundo ocidental – v. 1 e 2. Tradução de Cláudia Cavalcanti, Fulvia Moretto, Guacira Machado, José Antonio Soares. São Paulo: Ática, 1998. (Múltiplas Escritas).

CHARTIER, Roger. A ordem dos livros: leitores, autores e bibliotecas na Europa entre os séculos XIV e XVIII. Tradução de Mary Del Priore. Brasília: Editora UNB, 1994.

CHARTIER, Roger. Bibliografia e história cultural. In: CHARTIER, Roger. À beira da falésia: a história entre incertezas e inquietude. Tradução de Patrícia Chittoni Ramos. Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS, 2002. p. 243-254.

CHARTIER, Roger. Escutar os mortos com os olhos. In: CHARTIER, Roger. A mão do autor e a mente do editor. Tradução de George Schlesinger. São Paulo: Editora UNESP, 2014. p. 19-51.

CHARTIER, Roger; MARTIN, Henri-Jean (Dir.). Histoire de l’édition française. Le temps des éditeurs. Du romanstime è la Belle Époque. T. III. Paris: Fayard; Cercle de la Libraire, 1990.

FURNO, Martine (Org.). Qui écrit? Figures de l'auteur et des co-élaborateurs du texte: 15e-18e siècle. Lyon: ENS Éditions, 2009.

GENETTE, Gérard. Paratextos Editoriais. Tradução de Álvaro Faleiros. São Paulo: Ateliê Editorial, 2009.

MCKENZIE, Donald Francis. Bibliografia e a sociologia dos textos. Tradução de Fernanda Veríssimo. São Paulo: Edusp, 2018.

MCLUHAN, Marshall. Os meios de comunicação como extensões do homem. São Paulo: Cultrix, 1969.

MOLIÈRE. O avarento. Tradução de Bandeira Duarte. Rio de Janeiro: Livraria Editora Zélio Valverde, 1944.

SCHIFFRIN, André. O negócio dos livros: como as grandes corporações decidem o que você lê. Tradução de Alexandre Martins. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2006.

Downloads

Publicado

2021-07-26

Como Citar

Landi, T. (2021). Literatura e edição à luz da sociologia dos textos, de D. F. McKenzie. Manuscrítica: Revista De Crítica Genética, (43), 44-53. https://doi.org/10.11606/issn.2596-2477.i43p44-53