[1]
W. Vieira, “O diário póstumo de Hervé Guibert como espaço de escritura, de decantação da gramática autobiografemática e ato final de um projeto autoficcional”, manuscritica, nº 42, p. 162-178, dez. 2020.