Editorial

  • Uiran Gebara da Silva Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Editorial

Resumo

Este é o segundo número da Revista Mare Nostrum - Estudos sobre o Mediterrâneo Antigo. Esta edição apresenta alguns estudos diferentes entre si, tanto pela temática, quanto pelas abordagens. Mas ainda assim, os textos aqui apresentados tocam a problemática propostas pela revista. Uns mais explicitamente, outros menos. Assim no artigo Plínio, o Antigo, e a Descrição de Roma como capital do Mundo (Mediterrâneo?) de Ivana Lopes Teixeira, a discussão sobre os significados do Mediterrâneo para o projeto de poder imperial romano está presente na discussão sobre a visão de Plinio o velho da Itália com centro espacial e ideológico do Mundo dominado pelos romanos. Já no artigo O Estrangeiro e o Autótone -Dionísio no Mediterrâneo, de Leandro Mendonça Barbosa, é a discussão sobre integração das cidades antigas que se faz presente, como pano de fundo de um estudo sobre as narrativas do nascimento e viagens do Deus Dionísio, possível representante da interação e simbiose entre as póleis helênicas e os estrangeiros. Já no texto de Jorwan Gama da Costa Junior, O Posicionamento Farisaico e Essênio frente ao Domínio Romano, discute-se as razões da resistência à integração quando o autor analisa os fundamentos culturais e políticos dos dois mais fortes grupos político-religiosos da elite judaica na Palestina, de forma a explicar as dificuldades da política imperial romana, recusada por motivos diferentes pelos dois grupos. O Quarto artigo, Romanização e os séculos XX e XXI de Bruno dos Santos Silva, de natureza historiográfica faz uma revisão da historiografia sobre Romanização e mostra as mudanças de modelos e paradigmas pelas quais passaram os estudos e explicações sobre o domínio político e cultural dos romanos sobre os outros povos do Mediterrâneo e da Europa antiga. E finalmente, nesta edição, temos na seção laboratório a tradução de um texto de W. V. Harris, O Mediterrâneo e a História Antiga. Este texto era originalmente o capítulo inicial do livro Rethinking the Mediterranean, uma publicação dos trabalhos apresentados na conferência de mesmo nome na Universidade de Columbia, em 2001. W. V. Harris é Shepherd Professor of History e é diretor do Center for Ancient Mediterranean na Universidade de Columbia. O presente texto de W.V.Harris realiza uma avaliação crítica dos usos recentes da ideia de Mediterrâneo pela historiografia da Antiguidade, centrando suas atenções no impacto que o livro Corrupting Sea de Nicholas Purcell e Peregrin Horden teve sobre no começo do século XXI. Acreditamos ser um bom ponto de partida para o debate sobre o papel da ideia de Mediterrâneo nos processos de integração e criação de fronteiras que estão por trás das formas de história com as quais a academia no Brasil está mais acostumada, como História Antiga, Antiguidade, ou Mundo Greco-Romano. E por fim há quatro resenhas: A History of the Archaic Greek World de John M Hall por Juliana Caldeira Monzani, The Fall of Rome and the End of Civilization de Bryan Ward-Perkins por Gustavo H. S. S. Sartin, Framing the Early Middle Ages de Chris Wickham por Uiran Gebara da Silva e Rome’s Cultural Revolution de Andrew Wallace-Hadrill por Fábio Augusto Morales. Todas as obras resenhadas se conctituem em estudos recentes e de grande fôlego ou perspicácia que tentam lidar com processos de integração e crise nas sociedades do Mediterrâneo Antigo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Uiran Gebara da Silva, Universidade de São Paulo
Doutorando em História Social pela Universidade de São Paulo
Publicado
2011-12-28
Como Citar
da Silva, U. (2011). Editorial. Mare Nostrum (São Paulo), 2(2), i-i. https://doi.org/10.11606/issn.2177-4218.v2i2pi-i
Seção
Editorial