O Iconoclasmo Bizantino: Modos de Integração e Desintegração no Mediterrâneo

  • Caroline Coelho Fernandes Universidade Federal de Ouro Preto
Palavras-chave: Império Bizantino, Mediterrâneo, Império Romano, Islã, História Global

Resumo

O presente artigo tem como objetivo fazer um estudo que pode se inserir na perspectiva da corrente historiográfica intitulada ‘Global History’, com ênfase na história Mediterrânea e análise do Iconoclasmo Bizantino. Pretendemos, dessa forma, demonstrar suas consequências para o Mediterrâneo no século VIII, especialmente para os romanos e para os árabes, uma vez que, nesse período, Constantinopla era o principal centro econômico, religioso e social do Mediterrâneo, devido à sua posição estratégica situada ao mesmo tempo na Ásia e na Europa. Neste sentido, iremos expor como esse acontecimento atingiu não somente a parte oriental do globo, que, no referido recorte, teve como principal ocorrência a expansão islâmica, como a ocidental, com a antiga capital dos romanos e a ascensão de Carlos Magno, através das noções de integração e desintegração mediterrânica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Caroline Coelho Fernandes, Universidade Federal de Ouro Preto
Doutoranda em História pela UFOP
Publicado
2018-04-17
Como Citar
Fernandes, C. (2018). O Iconoclasmo Bizantino: Modos de Integração e Desintegração no Mediterrâneo. Mare Nostrum, 9(1), 73-94. https://doi.org/10.11606/issn.2177-4218.v9i1p73-94
Seção
Artigos