Atuação de mulheres assírias nas redes de comércio inter-regional do II milênio AEC: possibilidades de abordagens de gênero nos estudos da Antiga Mesopotâmia

Autores

  • Anita Fattori Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2177-4218.v11i1p105-130

Palavras-chave:

Mesopotâmia, Período Paleoassírio, Regimes de gênero

Resumo

A perspectiva teórica de gênero foi incorporada aos estudos assiriológicos recentemente e os resultados de seu emprego têm mostrado novas possibilidades de abordagem para compreender as sociedades do Antigo Oriente Próximo. No início do segundo milênio AEC, a cidade de Aššur destaca-se nesse cenário pela sua participação central numa importante rede comercial de longa distância. Os assírios, organizados em empreendimentos familiares, realizavam o comércio de tecido e estanho em troca de ouro e prata. Por meio das cartas intercambiadas entre os mercadores, que tinham como destino principal a Anatólia, e suas famílias que permaneciam em Aššur, podemos constatar a participação ativa das mulheres no empreendimento familiar. Grande parte dessas cartas possui a particularidade de ser enviada ou recebida por mulheres dessas famílias. Assim, essa correspondência constitui uma importante fonte documental para o estudo das mulheres no contexto mesopotâmico. A partir da perspectiva de regimes de gênero, pretendemos apresentar alguns aspectos da atuação das mulheres assírias no contexto do comércio inter-regional do início do segundo milênio AEC para compreender algumas das dimensões de seus papéis sociais.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Anita Fattori, Universidade de São Paulo

Doutoranda do programa de História Social da Universidade de São Paulo (USP) sob orientação do Prof. Dr. Marcelo Rede. Bolsista FAPESP processo número 2019/12945-6.

Referências

Heródoto. (1988). Histórias. (M.G.Kury, trad., introd. e notas) (2ªed). Editora Universidade de Brasília.

Heródoto. (2015). Histórias. (M.A.O.Silva, trad., introd. e notas). EDIPRO.

Heródoto.(1920). In Godley,A.D. (trad.) Herodotus: The Histories. Harvard University Press

Amaral, A.L. (1994). Duas Rainhas em Heródoto: Tómiris e Artemísia. Humanitas, v.46.

Andrade, M.M. (2001).“A cidade das mulheres”: cidadania e alteridade feminina na Atenas Clássica.LHIA.

Andrade, M.M. (2003). Atenas uma cidade para as mulheres. LHIA.

Aniceto, B. A. (2017). As relações de gênero em Aristófanes: um estudo das esposas legítimas na sociedade ateniense (Sécs. V-IV aC). [Dissertação de Mestrado, UNESP].

Block, J. (2002). Women in Herodotus Histories. In Egbert, J.,Bakker, I.J. F. J.,&Hans van Wees B,l (eds). Companion to Herodotus(225–242).Brill.

Carrilho, S. M. M. (2013). Representações do Feminino nas histórias de Heródoto. [Dissertação de Mestrado,Universidade de Coimbra].

Dewald, C. (1981). Women and culture in Herodotus' Histories.Women's Studies: An Interdisciplinary Journal8(1–2),93–127.

Dominick, Y. H. (Dec., 2007). Atossaand Instability in Herodotus. The Classical Quarterly, New Series, 57(2), 432–444.

Goodwater, L. (1975). Women in antiquity: an annotated bibliography. Scarecrow Press.

Isabela Torres. Representação e poder.

Flower, M.(2008). The seer in ancient Greece. University of California Press.

Hartog, F. (2014). O espelho de Heródoto: ensaio sobre a representação do outro. Editora UFMG.

Junqueira, N. J. (2011). Imagens da Mulher Grega: Heródoto e as pinturas em contrate. [Tese de doutorado, Universidade Estadual Paulista].

Kuhrt, A. (2001). Women and War. Journal of Gender Studies in Antiquity, 2, 1–27.

Loraux, N. (1997). The experiences of Tiresias –The feminine and the greek man. Princeton University Press.

Downloads

Publicado

2020-09-28

Como Citar

Fattori, A. (2020). Atuação de mulheres assírias nas redes de comércio inter-regional do II milênio AEC: possibilidades de abordagens de gênero nos estudos da Antiga Mesopotâmia. Mare Nostrum, 11(1), 105-130. https://doi.org/10.11606/issn.2177-4218.v11i1p105-130

Edição

Seção

Dossiê

Dados de financiamento