Dejanira e a morte no leito: considerações sobre gênero e matrimônio na tragédia As Traquínias de Sófocles

Autores

  • Mateus Dagios Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2177-4218.v11i1p205-233

Palavras-chave:

Traquínias, Dejanira, casamento, leito, timé

Resumo

O objetivo do artigo é analisar o discurso de Dejanira na tragédia As Traquínias de Sófocles. Configuram-se no discurso da personagem trágica questões referentes ao casamento e ao simbolismo do leito para ressaltar uma timḗ (honra) defendida pela personagem. A análise é feita em uma configuração de gênero no texto trágico que procura localizar uma rede de significados sobre o status da mulher e sua função social para rastrear a tragicidade da personagem, que oscila entre os poderes de Eros e de Afrodite. O artigo atenta para a estrutura da tragédia de Sófocles e para o uso de vocabulário específico que almeja delinear uma Dejanira relacionada ao oîkos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mateus Dagios, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Doutor em História – Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Referências

Adkins, L., & Adkins, R. (2005). HandbooktoLifeinAncient Greece.Facts On File.

Biggs, P. (Oct. de 1966). The Disease Theme in Sophocles' Ajax, Philoctetes and Trachiniae. Classical Philology, 61(4), 223–235.

Blundell, S. (1995). Women in Ancient Greece.Harvard University Press.

Boehringer, S. (2016). A sexualidade tem um passado? Doérôs grego à sexualidade contemporânea: questionamentos modernos ao mundo antigo. Bagoas (15), 14–32.

Boehringer, S., & Cuchet, V. S. (2011). Hommes et femmes dans l’Antiquité grecque et romaine.Colin.

Calame, C. (1992). The Poetics of Eros in Ancient Greece.Princeton University Press.

Carawan, E. (2000). Deianira's Guilt. Transactions of the American Philological Association, 189–237.

Detienne, M. (1988). Os Mestres da Verdade na Grécia Arcaica. JorgeZahar.

Easterling, P. E. (1968). Sophocles, Trachiniae. Bulletin of the Institute of Classical Studies(15), 58–69.

Fantham, E., Foley, Helene, P., Kampen, N. B., Pomeroy, S. B., & Shapiro, H. A. (1994). Women in the Classical World: Image and Text.Oxford University Press.

Farone, C. A. (2001). Ancient Greek Love Magic.Harvard University Press.

Hoey, T. F. (Autumn de 1979). The Date of the "Trachiniae". Phoenix, 33(3), 210–232.

Jebb, R. (2010). Introduction. In Sophocles, Sophocles, Vol. 5: The Plays and Fragments, With Critical Notes, Commentary, and Translation in English Prose; The Trachiniae(pp. IX–L). Cambridge University Press.

Loraux, N. (1981). Le Lit, la guerre. L'Homme, 21(1), 37–67.

Loraux, N. (1988). Maneiras Trágicasde Mataruma Mulher: Imaginárioda Grécia Antiga.Jorge Zahar.

Meier, C. (2004). De la tragédie grecque comme art politique.Les Belles Lettres.

Mateus Dagios. Dejanira e a morte no leito.

Mills, S. (2017). The Women of Trachis. Em R. Lauriola, & K. N. Demetriou, Brill’s Companion to the Reception of Sophocles(512–557). Brill.

Musurillo, H. (1961). Fortune's Wheel: The Symbolism of Sophocles' Women of Trachis. Transactions and Proceedings of the American Philological Association, 92, 372–383.

Oliveira, F. R. (2009). Apresentação, introdução e comentário filológico. Em Sófocles, As Traquínias.(Ed. bilíngue). Editora da Unicamp.

Pozzi, D. C. (Nov. de 1994). Deianeira's Robe: Diction in Sophocles' "Trachiniae". Mnemosyne, 47 (5), 577–585.

Romilly, J. d. (1970). La Tragédie Grecque.PUF.

Scott, J. (jul./dez de 1995). Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, 20 (2), 71–99.

Segal, C. (1975). The Hydra Nursling: Image and Action in Trachiniae. L'antiquité classique, 44 (2), 612–617.

Segal, C. (1995). Sophocles' Tragic World: Divinity, Nature, Society.Harvard University Press.

Sófocles. (1996). As traquínias.(Zambujo Fialho, Maria do Céu, trad). UnB.

Sófocles. (2009). As Traquínias.(Apresentação, introdução e comentário filológico de Flávio Ribeiro de Oliveira). (Ed. bilíngue). Editora da Unicamp.

Sófocles. (2014). Sófocles / As Traquínias.(T. Vieira, trad.). Ed. 34.

Thévenet, L. (2009). Le personnage : du mythe au théâtre. La question de l’identité dans la tragédie grecque.Les Belles Lettres.

Várzeas, M. (2009). Amor e amizade em Sófocles. Em B. Pereira, & J. Deserto, Symbolon I: Amor e Amizade(19–29). FLUP.

Vernant, J.-P. (1999). Tensões e ambiguidades na Tragedia Grega. In Vernant, J. P. & Vidal-Naquet P., Mito e tragédia na Grécia Antiga(7–24). Perspectiva.

Vernant, J.-P. (2006). Mito e sociedade na Grécia antiga.José Olympio.

Vernant, J.-P., & Vidal-Naquet, P. (1999). Mito e tragédia na Grécia Antiga.Perspectiva.

Mare Nostrum, ano 2020, v. 11, n. 1.232Vidal-Naquet, P. (2002). Le Miroir brisé. Tragédie athénienne et politique.Les Belles Lettres.

Wender, D. (1974). The will of the beast: sexual imagery in the Trachiniae. Ramus,3 (1), 1–17.Wilkins, J. (2000). The Boastful Chef: The Discourse of Food in Ancient Greek Comedy.Oxford University Press.

Zeitlin, F. (Summer de 1985). Playing the Other: Theater, Theatricality, and the Feminine in Greek Drama. Representations (11), 63–94

Downloads

Publicado

2020-09-28

Como Citar

Dagios, M. (2020). Dejanira e a morte no leito: considerações sobre gênero e matrimônio na tragédia As Traquínias de Sófocles. Mare Nostrum, 11(1), 205-233. https://doi.org/10.11606/issn.2177-4218.v11i1p205-233

Edição

Seção

Dossiê