"Por que de galo, então, chamamos quem se castra [...]?" Interseccionalidade em representações de sacerdotes castrados no Império Romano

Autores

  • Semíramis Corsi Silva Universidade Federal de Santa Maria

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2177-4218.v11i1p287-316

Palavras-chave:

Sacerdotes castrados, Galli, Heliogábalo, Representações, Interseccionalidade

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar representações textuais de sacerdotes considerados praticantes de rituais que envolviam cortes de seus órgãos genitais. Tais intervenções, tratadas aqui como castrações, foram vistas como perda da virilidade e transgenerização para o feminino na literatura greco-romana do período imperial. Sacerdotes castrados podem ser percebidos no mito de Átis (o consorte da deusa frígia Cibele, a Magna Mater), na literatura sobre os sacerdotes dessa deusa (os galli) e nas representações textuais dos sacerdotes da deusa síria Atargátis e do imperador Heliogábalo (218–222). Como não há relatos dessas práticas deixados por seus praticantes, grande parte da documentação que temos sobre os sacerdotes castrados se refere às representações feitas por seus críticos. Diante disso, as fontes utilizadas para o estudo que se apresenta são compostas de textos literários greco-romanos. Neste artigo, tais textos serão analisados à luz de uma perspectiva interseccional, pensando a descrição dos sacerdotes a partir da construção do outro não greco-romano e das normativas de gênero para o uir, o cidadão das camadas abastadas do Império Romano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Semíramis Corsi Silva, Universidade Federal de Santa Maria

Professora do Departamento de História e do Programa de Pós-graduação em História da Universidade Federal de Santa Maria - UFSM. Doutora em História pela Universidade Estadual Paulista, UNESP/Franca. Coordenadora do Grupo de Estudos sobre o Mundo Antigo Mediterrânico da UFSM - GEMAM/UFSM.

Referências

Aelius Lampridius. (1993). Antoninus Elagabalus. In: Scriptores Historiae Augustae. (Vol. II). (Magie, David trad.). Harvard University Press, 104–176 (The Loeb Classical Library).

Apuleio. (2019). O asno de ouro. (Guimarães, Ruth. Trad., prefácio e notas). Editora 34.

Babrio, Fábulas de Babrio (1985). In: Fábulas de Esopo, Vida de Esopo, Fábulas de Babrio. (Gual, Carlos García; introd. geral). La Peña, P. Bádenas; J. López, Facal. Introds., trad., notas). Editorial Gredos, (Biblioteca Clásica Gredos).

Catulo. (1996). O Livro de Catulo. (J. A. Oliva Neto trad., introd., notas). Edusp.

Cassius Dio. (1955). Dio’s Roman History.(Cony, Earnest. Trad.). William Heinemann/Harvard University Press. (The Loeb ClassicalLibrary).

Cicero. (1966). De Haruspicum responso oratio. Tome XIII, 2. (Wuilleumier, Pierre; Tupet, Anne-Marie. Ed. e trad.). Les Belles Lettres.

Dionysius of Halicarnassus. (1937). Roman Antiquities. Vol. I, Books (1–2). Cary, Earnest (trad.). Harvard University Press. (The Loeb Classical Library).

Firmicus Maternus. (1970). The Error of the Pagan Religions. A. Forbes., Clarence (trad.). Newman Press.

Herodian. 1970. History of the Empire from the time of Marcus Aurelius. Vol. II. Books (V–VIII). Whittaker, C. R. (trad.) William Heinemann/Harvard University Press. (The Loeb Classical Library).

Juvenal. Satire VI. (1998). In The Sixteen Satires. (P. Green, trad.). Penguin Classics, 127–175.Juvenal. Sátira VI. In Sátiras.(F. A. M. Bastos, trad.). Ediouro, [s/d], 48–66.Lucian. Lucius or the ass. (2001) In Vol. VIII.(M. D., Macleod, trad.) Harvard University Press, 47–145 (The Loeb Classical Library).

Semíramis Silva. “Por que de galo, então, chamamos quem se castra [...]?”

Lucian. The syrian goddess. (2003). (J. L. Lightfoot, introd., trad., comentários). Oxford University Press.

Luciano. Lucio o El asno. (1988) In Obras II. (J. L. N. González, trad., notas). Editorial Gredos, 320–363 (Biblioteca Clásica Gredos).

Luciano. A deusa síria. (2013). In Luciano [VII]. (C. Magueijo, trad. grego, introd. e notas). Imprensa da Universidade de Coimbra, 177–207.

Lucrécio. (2015). Da natureza das coisas. (L. M. G. Cerqueira. Trad., introdução e notas). Relógio d’Água, Ovídio. Fastos. (2015). (M. M. Gouvêa Júnior, trad.). Autêntica Editora.

Santo Agostinho. (1996). Capítulo XXVI.A torpeza dos mistérios da Grande-Mãe (Livro V). In A cidade de Deus. (Vol. I). (J. D. Pereira, trad., prefácio, nota biográfica, transc.). Edição da Fundação Calouste Gulbenkian, 671–673.

Tito Lívio. (1993). Historia de Roma desde su fundación. (Libros XXVI–XXX). (J. A. V. Vidal, traduc. e notas). Editorial Gredos, (Biblioteca Clásica Gredos).

Alvar, J. (2008). Romanising oriental Gods: myth, salvation, and ethics in the cults of Cybele, Isis, and Mithras. Brill.

Arrizabalaga y Prado, L. (2014). The Emperor Elagabalus. Fact or Fiction?Cambridge University Press.

Beltrão, C. (2012). Magna Mater, Claudia Quinta, Claudia Metelli (Clodia): A construção de um mito no principado augustano In Cândido, M. R. (Org.). História das Mulheres na Antiguidade. NEA/UERJ, 63–93.Brah, A. (2006). Diferença, diversidade, diferenciação. Cadernos Pagu, 26, 329–376.

Brandão, J. S. (2014). Reia. In Dicionário mítico–etimológico. Vozes,

Butler, J. (2010). Problemas de gênero. Feminismo e subversão de identidade. Civilização Brasileira.

Mare Nostrum, ano 2020, v. 11, n. 1.

Cairolli, F. P. (2014). Marcial brasileiro. [Tese de doutorado, USP]

Chartier, R. (1988). A História Cultural. Entre práticas e representações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil,

Chartier, R. (1991). O mundo como representação, Estudos Avançados, 11 (5), 173–191.

Foucault, M. (2009). O cuidado de si. História da sexualidade. (Vol 3). Graal.

Foucault, M. (2010). O uso dos prazeres. História da sexualidade. (Vol. 2). Graal

Gonçalves, R. T., Gontijo Flores, G., Stocco, A. L., Cozer, A., Grochocki, M. & Lautenschlager, R. (2015). Galiambos brasileiros: tradução e performance de Catulo 63. Translatio, 10, 70–78.

Halperin, David. (2002). How to do the History of Male Homosexuality. In How to do the History of Homosexuality. The University of Chicago Press, 104–137.

Krengel, E. (1997) Das sogenannte, Horn” des Elagabal –Die Spitze eines Stierpenis. Eine Umdeutung als Ergebnis fachübergreifender Forschung, Jahrbuch für Numismatik und Geldgeschichte, 47, S., 53–72.

Manders, E. (2006). Religion and Coinage. Heliogabalus and Alexander Severus: two extremes? In Stronk, J. P. & Weerd, M. D. (Edits.).Talanta. Proceeding of the Dutch Archaeological and Historical Society,(vol. XXXVI–XXXVIII), 123–138.

Pinto, R. (2011). Duas rainhas, um Príncipe e um Eunuco: masculino e feminino nos estudos sobre a Bretanha Romana. [Tese de Doutorado, UNICAMP]

Ribeiro Junior, B. I. (2016). Para além da heteronormatividade: uma análise dos eunucos representados por Estácio, Marcial e Suetônio (Roma, 80–121 d.C.).[Dissertação de Mestrado, UNESP/Assis]

Roscoe, W. (1996). Priests of the Goddess: Gender Transgression in Ancient Religion. History of Religions, (vol. 35), n. 3, 195–230.Scholz, P. O. (2001). Eunuchs and Castrati. A Cultural History. Markus Wierner Publishers,

Semíramis Silva. “Por que de galo, então, chamamos quem se castra [...]?

shohat, E. (2004). Des-orientar Cleópatra: um tropo moderno da identidade. Cadernos Pagu, 23, 11–54.

Silva, S. C. (2017). Barbaridade versusHumanitasno Principado Romano: a política e a construção da imagem do imperador Heliogábalo (século III EC). Alétheia –Estudos sobre Antiguidade e Medievo, (v. 2), 114–136.

Silva, S. C. (2018). Identidade cultural e gênero no Principado Romano: uma proposta de análise interseccional das representações do imperador Heliogábalo (século III E.C.). Phoînix, 24, 142–166.

Silva, S. C. (2019). Heliogábalo vestido divinamente: a indumentária religiosa do imperador sacerdote de Elagabal. Arys. Antigüedad: Religiones y Sociedades, vol. 1, 251–276.

Thuillier, J-P. (2013). Virilidades romanas: vir, virilitas, virtus. In Corbin, A. (et al.). História da virilidade. (Volume I). Vozes, 71–124.

Williams, C. (2010). Roman Homosexuality. Ideologies of Masculinity in Classical Antiquity. Oxford University Press.

Downloads

Publicado

2020-09-28

Como Citar

Silva, S. C. (2020). "Por que de galo, então, chamamos quem se castra [.]?" Interseccionalidade em representações de sacerdotes castrados no Império Romano. Mare Nostrum, 11(1), 287-316. https://doi.org/10.11606/issn.2177-4218.v11i1p287-316

Edição

Seção

Dossiê