Desafios e dilemas da institucionalidade cultural no Brasil

Autores

  • Antonio Albino Canelas Rubim UFBA

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v11i2p57-77

Palavras-chave:

Institucionalidade da cultura, políticas culturais, Brasil

Resumo

O texto desenvolve um percurso histórico da institucionalidade cultural no Brasil, apontando seus desafios e dilemas. A institucionalidade comporta múltiplas dimensões, dentre elas, administrativas, gerenciais, financeiras, legislativas, organizacionais e trabalhistas. Como o estudo recorre à bibliografia existente, algumas dimensões foram priorizadas, inclusive devido à fragilidade das informações disponíveis. A proposição do estudo é que o procedimento histórico pode contribuir para elucidar avanços, retrocessos e impasses da institucionalidade da cultura no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antonio Albino Canelas Rubim, UFBA

Pesquisador do CNPq e do Centro de Estudos Multidisciplinares da Cultura (CULT) e professor do Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade (Pós-Cultura) da Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Referências

ABDANUR, E. F. Os “Ilustrados” e a política cultural em São Paulo: o Departamento de Cultura na gestão Mário de Andrade (1935-1938). 1992. 183 f. Dissertação (Mestrado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Unicamp, Campinas, 1993.

BADARÓ, M. Gustavo Capanema: a revolução na cultura. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000.

BARBATO JUNIOR, R. Missionários de uma utopia nacional-popular: os intelectuais e o Departamento de Cultura de São Paulo. São Paulo: Annablume; Fapesp, 2004.

BASTOS, M. R. O espelho da nação: a cultura como objeto de política no governo Fernando Henrique Cardoso. 2004. 324 f. Tese (Doutorado em Sociologia) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

BOTELHO, I. Romance de formação: Funarte e política cultural 1976-1990. Rio de Janeiro: Edições Casa de Rui Barbosa, 2001.

BRASIL. Ministério da Cultura. Cultura é um bom negócio. Brasília, DF, 1995.

______. Presidência da República. Secretaria de Imprensa. Discurso do presidente Luiz Inácio Lula da Silva na cerimônia de lançamento do Programa Mais Cultura. Brasília, DF, 04 out. 2007. Disponível em: <https://goo.gl/huRHZi>. Acesso em: 23 fev. 2010.

BRASIL. Ministério da Cultura e Câmara dos Deputados. Plano Nacional de Cultura. Brasília, DF, 2008.

_______. Nova lei da cultura. Brasília, DF: Ministério da Cultura, 2010a.

______. Lei nº 12.343, de 2 de dezembro de 2010. Institui o Plano Nacional de Cultura – PNC e cria o sistema nacional de informações e indicadores culturais – SNIIC e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Legislativo. Brasília, DF, 3 out. 2010b. Seção 1, p. 1.

______. Estruturação, institucionalização e implementação do sistema nacional de cultura. Brasília, DF: Ministério da Cultura, 2011.

______. Plano setorial para as culturas indígenas. Brasília, DF: Ministério da Cultura, 2012a.

______. Plano setorial para as culturas populares. Brasília, DF: Ministério da Cultura, 2012b.

______. Seminário internacional sistemas de cultura: política e gestão cultural descentralizada e participativa. Brasília, DF: Ministério da Cultura; Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 2016.

CASTELLO, J. Cultura. In: LAMOUNIER, B.; FIGUEIREDO, R. (Orgs.). A era FHC: um balanço. São Paulo: Cultura Editores Associados, p. 627-656, 2002.

COSTA, L. F. Profissionalização da organização da cultura no Brasil: uma análise da formação em produção, gestão e políticas culturais. 2011. 239 f. Tese (Doutorado em Cultura e Sociedade) – Faculdade de Comunicação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2011.

COUTINHO, C. N. Cultura e sociedade no Brasil: ensaios sobre ideias e formas. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.

DAGNINO, E. Políticas culturais, democracia e o projeto neoliberal. Revista Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, n. 15, p. 45-65, jan./abr. 2005.

DÓRIA, C. A. Os federais da cultura. São Paulo: Biruta, 2003.

FERREIRA, J. Ancinav: Omissão ou missão? Teoria e Debate, São Paulo, n. 60, p. 64-67, 2004.

GIL, G. Discursos do Ministro da Cultura Gilberto Gil. Brasília, DF: Ministério da Cultura, 2003.

GOMES, A. C. (Org.). Capanema: o ministro e seu ministério. Rio de Janeiro: FGV, 2000.

GONÇALVES, J. R. S. A retórica da perda: os discursos do patrimônio cultural no Brasil. Rio de Janeiro: UFRJ; Iphan, 1996.

GRAMSCI, A. A formação dos intelectuais. Venda Nova: M. Rodrigues Xavier, 1972.

______. Os intelectuais e a organização da cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978a.

GRAMSCI, A. Literatura e vida nacional. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978b.

LULA PRESIDENTE. Brasil: cultivar a memória, inventar o futuro. Programa Setorial de Cultura. Brasil, 2006.

MAGALHÃES, A. E triunfo? A questão dos bens culturais no Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; Fundação Nacional Pró-Memória, 1985.

MEIRA, M. Sistema nacional de cultura: uma construção permanente. In: BRASIL. Ministério da Cultura. Seminário internacional sistemas de cultura: Política e Gestão Cultural Descentralizada e Participativa. Brasília, DF: Ministério da Cultura; Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 2016. p. 133-143.

MICELI, S. (Org.). Estado e cultura no Brasil. São Paulo: Difel, 1984.

______. Intelectuais à brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

MOISÉS, J. Á. Estrutura institucional do setor cultural no Brasil. In: MOISÉS, J. Á. et al. Cultura e democracia. Rio de Janeiro: Edições Fundão Nacional de Cultura, 2001. v. 1, p. 13-55. (Cadernos do nosso tempo).

OLIVIERI, C. G. Cultura neoliberal: leis de incentivo como política pública de cultura. São Paulo: Escrituras; Instituto Pensarte, 2004.

ORTIZ, R. Cultura brasileira e identidade nacional. São Paulo: Brasiliense, 1986.

PARTIDO DOS TRABALHADORES. A imaginação a serviço do Brasil. São Paulo: Comitê Lula Presidente, 2002. Disponível em: <https://goo.gl/yD-mrZU>. Acesso em: 29 maio 2017.

PONTES, I. Cultura e modernidade. Brasília, DF: Secretaria da Cultura, 1991.

RAFFAINI, P. T. Esculpindo a cultura na forma Brasil: o Departamento de Cultura de São Paulo (1935-1938). 1999. 113 f. Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 1999.

RUBIM, A. A. C. Políticas culturais no Brasil: tristes tradições, enormes desafios. In: RUBIM, A. A. C.; BARBALHO, A. Políticas culturais no Brasil. Salvador: UFBA, 2007. p. 11-36.

______. Discussão sobre o Plano Nacional de Cultura. Teoria & Debate. São Paulo, n. 81, p. 48-51, 2009.

______.(Org.). Políticas culturais no governo Lula. Salvador: UFBA, 2010a.

______. Políticas culturais no Brasil: itinerários e atualidade. In: BOLAÑO, C.; GOLIN, C.; BRITTOS, V. (Orgs.). Economia da arte e da cultura. São Paulo: Observatório Itaú Cultural, 2010b. p. 51-71.

______. As políticas culturais e o governo Lula. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2011.

______. Uma agenda para a estruturação do SNC: acúmulo, desafios e perspectivas. In: BRASIL. Ministério da Cultura; Fundação Casa de Rui Barbosa Seminário Internacional Sistemas de Cultura: Política e Gestão Cultural Descentralizada e Participativa. Brasília, DF: Ministério da Cultura; Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 2016. p. 17-24.

RUBIM, A. A. C.; BARBALHO, A. Políticas culturais no Brasil. Salvador: Edufba, 2007.

RUBIM, A. A. C.; BARBALHO, A.; COSTA, L. Formação em organização da cultura: a situação latino-americana. PragMatizes, Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, p. 125-149, mar. 2012.

RUBIM, A. A. C.; BARBALHO, A.; CALABRE, L. (Orgs.). Políticas culturais no governo Dilma. Salvador: UFBA, 2015.

RUBIM, A. A. C.; RUBIM, L. S. O. Televisão e políticas culturais no Brasil. Revista USP, São Paulo, n. 61, p. 16-28, 2004.

______. Organizadores da cultura: delimitação e formação. In: OROZCO, J. L. M. (Coord.). Profesionalización de gestores culturales en Latinoamérica. Guadalajara: Universidad de Guadalajara, 2012. p. 33-42.

______. Dilemas da organização da cultura no Brasil. In: CANAL, C. Y. (Org.). Emergencias de la gestión cultural en América Latina. Manizeles: Universidad Nacional da Colombia, 2014. p. 145-156.RUBIM, L. Produção cultural. In: RUBIM, L. (Org.). Organização e produção da cultura. Salvador: UFBA, 2005. p. 13-31.

SARKOVAS, Y. O incentivo fiscal no Brasil. Teoria & Debate. São Paulo, n. 62, p. 58-62, 2005.

SARNEY, J. Incentivo à cultura e sociedade industrial. In: JELÍN, E. et al. Cultura e desenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundo Nacional de Cultura, 2000. p. 27-44.

SCHELLING, V. A presença do povo na cultura brasileira. Ensaio sobre o pensamento de Mário de Andrade e Paulo Freire. Campinas: Unicamp, 1991.

SCHWARZ, R. Cultura e política: 1964-1969. In: ______. O pai de família e outros estudos. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978. p. 61-92.

______. As ideias fora do lugar. In: ______. Ao vencedor as batatas. São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1977. p. 13-28.

SOUZA, M. Fascínio e repulsa. Estado, cultura e sociedade no Brasil. Rio de Janeiro: Edições do Fundo Nacional de Cultura, 2000. (Cadernos de Nosso Tempo n. 2).

VELLOSO, M. P. Os intelectuais e a política cultural do Estado Novo. Rio de Janeiro: Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil – FGV, 1987.

WILLIAMS, D. Gustavo Capanema. Ministro da Cultura. In: GOMES, Â. C. (Org.) Capanema: o ministro e seu ministério. Rio de Janeiro: FGV, 2000. p. 251-269.

Publicado

2017-08-31

Como Citar

Rubim, A. A. C. (2017). Desafios e dilemas da institucionalidade cultural no Brasil. MATRIZes, 11(2), 57-77. https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v11i2p57-77

Edição

Seção

Dossiê