Entre ruptura e retomada: crítica à memória dominante da bossa nova

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v11i3p221-239

Palavras-chave:

Bossa nova, memória, música popular

Resumo

Neste artigo, propomos problematizar a memória dominante da bossa nova que a identifica como um rompimento com as linguagens do samba-canção, do bolero e do samba – este na forma como era tocado ao violão na época – como uma estética de ruptura que estabeleceu para a música popular brasileira um marco original e moderno. O novo da bossa nova merece ser repensado, pois, ao analisar a gênese do gênero e os aspectos musicais e de linguagem, é possível observar que, em parte, ele apenas reconfigurou ou deu nova plasticidade ao samba e ao samba-canção, permanecendo tributária e ligada dessas linhagens da canção. Os conceitos de memória coletiva, de M. Pollak, e de cultura como memória, de I. Lotman, são a base conceitual da argumentação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Herom Vargas, Universidade Metodista de São Paulo - UMESP

Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Metodista de São Paulo - UMESP

Mozahir Salomão Bruck, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais - PUC-Minas

Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da PUC Minas.

Referências

ANDRADE, M. Aspectos da música brasileira. São Paulo: Martins, 1975.

BOLLOS, L. H. Bossa nova e crítica: polifonia de vozes na imprensa. São Paulo: Annablume; Rio de Janeiro: Funarte, 2010.

BOSSA NOVA. In: NOVO Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. Curitiba: Positivo, 2009.

BRITO, B. R. Bossa nova. In: CAMPOS, A. Balanço da bossa e outras bossas. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 1986. p. 17-40.

CAMPOS, A. de. Balanço da bossa e outras bossas. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 1986.

CASTRO, R. Chega de saudade: a história e as histórias da bossa nova. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

CHEDIAK, A. Songbook Bossa Nova. Vol. 1. Rio de Janeiro: Lumiar, 2009a.

______. Songbook Bossa Nova. Vol. 5. Rio de Janeiro: Lumiar, 2009b.

GARCIA, W. Bim Bom – a contradição sem conflitos de João Gilberto. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

HERSCHMANN, M.; TROTTA, F. Memória e legitimação do Samba & Choro no imaginário nacional. In: RIBEIRO, A. P. G.; FERREIRA, L. M. A. (Org.). Mídia e memória: a produção de sentidos nos meios de comunicação. Rio de Janeiro: Mauad X, 2007. p. 71-92.

JOBIM, T. Texto da contracapa do disco Chega de Saudade, de João Gilberto. 1959. Disponível em: <https://goo.gl/AS3yyv>. Acesso em: 9 jan. 2017.

LENHARO, A. Cantores do rádio: a trajetória de Nora Ney e Jorge Goulart e o meio artístico de seu tempo. Campinas: Editora da Unicamp, 1995.

LOTMAN, I. M. La semiosfera II: semiótica de la cultura, del texto, de la conducta y del espacio. Madrid: Ediciones Cátedra, 1998.

MACHADO, I. Escola de semiótica: a experiência de Tártu-Moscou para o estudo da cultura. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.

MAMMÌ, L. João Gilberto e o projeto utópico da bossa nova. Revista Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, v. 3, n. 34, p. 63-70, nov. 1992.

MEDAGLIA, J. Balanço da bossa nova. In: CAMPOS, A. Balanço da bossa e outras bossas. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 1986. p. 67-123.

NAPOLITANO, M. Seguindo a canção: engajamento político e indústria cultural na MPB (1959-1969). São Paulo: Annablume, 2001.

______. A síncope das ideias: a questão da tradição na música popular brasileira. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2007.

NAVES, S. C. Da bossa nova à tropicália. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001.

PARANHOS, A. Novas bossas e velhos argumentos: tradição e contemporaneidade na MPB. História & Perspectivas, Uberlândia, n. 3, p. 5-111, jul./dez. 1990.

PINTO, T. A. Gente que brilha quando os maestros se encontram: música e músicos da “Era de Ouro” do rádio brasileiro (1945-1957). São Paulo: Alameda, 2014.

POLLAK, M. Memória e identidade social. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 5, n. 10, p. 200-212, 1989. Disponível em: <https://goo.gl/K13CY2>. Acesso em: 10 fev. 2017.

RICOEUR, P. A memória, a história, o esquecimento. Campinas: Editora da Unicamp, 2007.

TINHORÃO, J. R. História social da música popular brasileira. São Paulo: Editora 34, 1998.

VELHO, A. P. M. Semiótica da cultura: apontamentos para uma metodologia de análise da comunicação. Revista de Estudos da Comunicação, Curitiba, v. 10, n. 23, p. 249-257, set./dez. 2009. Disponível em: <https://goo.gl/vBH84v>. Acesso em: 24 out. 2017.

Publicado

2017-12-27

Como Citar

Vargas, H., & Bruck, M. S. (2017). Entre ruptura e retomada: crítica à memória dominante da bossa nova. MATRIZes, 11(3), 221-239. https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v11i3p221-239

Edição

Seção

Em Pauta/Agenda