Narratividade e autoria na pesquisa em comunicação alternativa no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v12i3p143-163

Palavras-chave:

Imprensa alternativa, Jornalismo alternativo, Comunicação alternativa

Resumo

A trajetória de termos como imprensa alternativa, comunicação alternativa e jornalismo alternativo tem sido objeto de estudos integrantes de uma rede de sentidos formadora de uma narratividade que pode ser retraçada pela análise discursiva. Com base no levantamento de teses e dissertações disponíveis na biblioteca digital do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência Tecnologia, este artigo sintetiza a investigação realizada para compreender como se formam conceitos, sentidos e narrativas na pesquisa acadêmica sobre essa temática. A análise mostra que a Ditadura Civil-Militar (1964-1985) é um marco para o estabelecimento dessa narrativa; porém, a continuidade desse imaginário é pouco explorada depois do período. Emerge então o interesse por uma comunicação alternativa de escopo mais amplo, relacionada à comunicação popular.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando Felício Pachi Filho, Faculdade de Tecnologia Termomecanica. São Bernardo do Campo – SP / Universidade Paulista, Instituto de Ciências Sociais e Comunicação. São Paulo – SP

Professor da Faculdade de Tecnologia Termomecanica e da Universidade Paulista.

João Augusto Moliani, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da Universidade de São Paulo e professor adjunto no Departamento de Linguagem e Comunicação da Universidade Tecnológica Federal do Paraná.

Roseli Figaro, Universidade de São Paulo

Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da Universidade de São Paulo.

Referências

BERCHE, F. C. Definição. In: CHARAUDEAU, P.; MAINGUENEAU, D. Dicionário de análise do discurso. São Paulo: Contexto, 2004. p. 145-146.

BERGER, C. A pesquisa em comunicação popular e alternativa. In: PERUZZO, C. M. K. (Org.). Comunicação e culturas populares. São Paulo: Intercom, 1995.

CASADEI, E. Experiências históricas do jornalismo alternativo. In: OLIVEIRA, D.; MALULY, L. V. B. I Curso de Difusão Cultural em Jornalismo Popular e Alternativo. Alterjor, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 18-20, 7 set. 2012. Disponível em: <https://bit.ly/2DsLTzs>. Acesso em: 20 ago. 2018.

CERTEAU, M. A escrita da história. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1982.

CHARTIER, R. O que é um autor?: revisão de uma genealogia. São Carlos: Edufscar, 2012.

CHINEM, R. Imprensa alternativa. São Paulo: Ática, 1995.

DOWNING, J. Mídia radical: rebeldia nas comunicações e movimentos sociais. 2. ed. São Paulo: Senac, 2002.

FERREIRA, M. N. A imprensa operária no Brasil 1890-1920. São Paulo: Atica, 1988.

FESTA, R. Movimentos sociais, comunicação popular e alternativa. In: FESTA, R.; LINS, C. E. Comunicação popular e alternativa no Brasil. São Paulo: Paulinas, 1986. p. 9-30.

FINATTO, M. J. A definição de termos técnicocientíficos no âmbito dos estudos de terminologia. Revista de Estudos da Linguagem, Belo Horizonte, v. 11, n. 1, p. 197-222, jun. 2003. DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2237-2083.11.1.197-222

FIORUCCI, R. A revista Caros Amigos (1997-2006) e os governos FHC e Lula: nova imprensa alternativa, política e publicidade. 2009. 249 f. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Estadual Paulista, Assis, 2009.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. 12. ed. São Paulo: Loyola, 2005.

FOUCAULT, M. O que é um autor? Lisboa: Vega, 1992.

GIANNOTTI, V; SANTIAGO, C. Comunicação sindical. A arte de falar para milhões. Petrópolis: Vozes, 1997.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002. v. 3.

GRINBERG, M. S. Comunicação alternativa: dimensões, limites, possibilidades. In: ______ (Org.). A comunicação alternativa na América Latina. Petrópolis: Vozes, 1987. p. 18-30.

HAUBRICH, A. Mídias alternativas em Porto Alegre: processos comunicativos, midiatização digital e cidadania na perspectiva de seus comunicadores. 2016. 209 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Unisinos, São Leopoldo, 2016. Disponível em: <https://bit.ly/2JHt6R6>. Acesso em 16 ago. 2018.

HENRY, P. A história não existe? In: ORLANDI, E. P. (Org.). Gestos de leitura. Campinas: Pontes; Unicamp, 1994. p. 29-53.

INTERVOZES. Vozes da democracia: história da comunicação na redemocra¬tização do Brasil. São Paulo: Intervozes; Imprensa Oficial, 2006.

KUCINSKI, B. Jornalistas e revolucionários: nos tempos da imprensa alternativa. São Paulo: Página Aberta, 1991.

LE GOFF, J. História e memória. 2. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 1992.

MAINGUENEAU, D. Discurso literário. São Paulo: Contexto, 2006.

MAINGUENEAU, D. Novas tendências em análise do discurso. Campinas: Pontes; Editora da Unicamp, 1997.

MARIANI, B. O PCB e a imprensa: os comunistas no imaginário dos jornais (1922-1989). Rio de Janeiro: Revan; Campinas: Unicamp, 1998.

OLIVEIRA, D. O jornalismo alternativo na contemporaneidade. In: OLIVEIRA, D.; MALULY, L. V. B. I Curso de Difusão Cultural em Jornalismo Popular e Alternativo. Alterjor, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 5-9, 7 set. 2012. Disponível em: <https://bit.ly/2DsLTzs>. Acesso em: 20 ago. 2018.

OLIVEIRA, D. Jornalismo alternativo: um potencial para a radicalização da democracia. Signo y Pensamiento, Bogotá, v. 30, n. 58, p. 52-63, jan./jun. 2011. Disponível em: <https://bit.ly/2D6BkAY>. Acesso em: 20 ago. 2017.

ORLANDI, E. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 4. ed. Campinas: Pontes, 2002.

ORLANDI, E. A interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1998.

OTRE, M. A. C. A pesquisa acadêmica sobre comunicação popular, alternativa, comunitária: análise de dissertações e teses produzidas em programas de pós¬-graduação em comunicação entre 1972-2012. 2015. 263 f. Tese (Doutorado em Comunicação Social) – Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo, 2015. Disponível em: <https://bit.ly/2REpWjY>. Acesso em: 15 dez. 2016.

PÊCHEUX, M. O discurso: estrutura ou acontecimento. 3. ed. Campinas: Pontes, 2002.

PÊCHEUX, M. Papel da memória. In: ACHARD, P. et al. Papel da memória. Campinas: Pontes, 1999. p. 49-57.

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: Editora da Unicamp, 1997.

PERUZZO, C. K. Aproximações entre a comunicação popular e comunitária e a imprensa alternativa no Brasil na era do ciberespaço. Galáxia, São Paulo, n. 17, p. 131-146, set. 2009. Disponível em: < https://bit.ly/2F7ckw7>. Acesso em: 15 fev. 2017.

PERUZZO, C. K. Movimentos sociais, redes virtuais e mídia alternativa no junho em que “o gigante acordou” (?). Matrizes, São Paulo, v. 7, n. 2, p. 73-93, 2013. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v7i2p73-93

SANTOS, P. L. O. Imprensa alternativa: discutindo o conceito. Alterjor, São Paulo, v. 2, n. 8, p. 81-100, 2013. Disponível em: <https://bit.ly/2DpbPMl>. Acesso em: 27 ago. 2018.

Publicado

2018-12-26

Como Citar

Pachi Filho, F. F., Moliani, J. A., & Figaro, R. (2018). Narratividade e autoria na pesquisa em comunicação alternativa no Brasil. MATRIZes, 12(3), 143-163. https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v12i3p143-163

Edição

Seção

Em Pauta/Agenda