Por uma genealogia do ódio online:

contágio, viralização e ressentimento

Resumo

Investiga-se, em perspectiva filosófica, o fenômeno da disseminação de ódio nas redes sociais, com ênfase em seus mecanismos de funcionamento. São convocados os conceitos de contágio e ressentimento na esteira de Gabriel Tarde e Friedrich Nietzsche. Tarde concebe a sugestibilidade de crenças e desejos (imitação) como força motriz de produção do socius. A viralização torna-se vetor de produção de homogeneidades instáveis, sob fundo móvel de diferenças. Nietzsche disseca a lógica de operação do ressentimento, enfatizando a invenção de relações dicotômicas regidas pela negatividade, criando tanto valores morais quanto a polarização nós e outros. Privilegia-se, assim, a análise do plano molecular em uma política dos afetos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Cristina Franco Ferraz, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professora Titular de Teoria da Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro – PPGCOM/ECO. Doutora em Filosofia pela Universidade de Paris 1 – Sorbonne.

Ericson Saint Clair, Universidade Federal Fluminense

Professor Adjunto da Universidade Federal Fluminense, curso Produção Cultural. Doutor em Comunicação e Cultura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Referências

Agamben, G. (2009). Nudità. Roma: Ed. Nottetempo.

Andrade, O. de. (1928). Manifesto Antropófago. Recuperado de https://bit.ly/2Tx1otT

Appadurai, A. (2009). O medo ao pequeno número: ensaio sobre a geografia da raiva. São Paulo: Iluminuras.

Bernardo, A. (2017). O extremista mora no celular ao lado. Revista Galileu. (315), 34. Recuperado de https://glo.bo/2JGKadQ

Cheney-Lippold, J. (2011). A new algorithmic identity – soft biopolitics and the modulation of control. Theory, Culture & Society, 28(6), 164-181. doi: https://doi.org/10.1177/0263276411424420

Deleuze, G. (2007). Nietzsche et la philosophie. Paris: P.U.F, 2007.

Deleuze, G., & Guattari, F. (2004). Micropolítica e segmentaridade. In: Mil Platôs, v. 3: capitalismo e esquizofrenia (pp. 83-115). Rio de Janeiro: Editora 34.

Ferreira, Paula. (2018, 21 janeiro). Tolerância bloqueada: com eleições pela frente, 2018 tem tudo para ser o ano mais bélico nas redes sociais. O Globo, p. 40.

Foucault, M. (2006). História da Sexualidade I – A vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 2006.

Freud, S. (1919). Das Unhemliche. Recuperado de https://bit.ly/2Ub62St

Latour, B. (2002). Gabriel Tarde and the end of social. In J. Patrick (Org.). The social in question. New bearings in history and the social sciences (pp.117-132). Londres: Routledge. Recuperado de https://bit.ly/2JUM9vl

Lazzarato, M. (2006). As revoluções do capitalismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Nietzsche, F. (1986). SämtlicheWerke. KritischeStudienausgabe (15 volumes, Giorgio Colli e Mazzino Montinari (Orgs.). Munique/Berlim/Nova York: DTV/de Gruyter, 1986.

Nietzsche, F. (2001). Genealogia da moral – Uma polêmica (P. C. de Souza, Trad.). São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

Rose, N., & Miller, P. (2008). Governing the present. Cambridge: Polity.

Saint Clair, E. (2012). Gabriel Tarde e a comunicação: por um contágio da diferença. Rio de Janeiro: Multifoco.

Saint Clair, E. (2017). O zumbido das abelhas: contágio social e ética em ‘Odiados na nação’. Artigo apresentado no XXI Encontro da Socine (Sociedade Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual), João Pessoa.

Sampson, T. (2012). Virality: contagion theory in the age of networks. Minneapolis: University of Minnesota Press.

Tarde, G. (1999). La logique sociale. Paris: Institut Synthélabo.

Tarde, G. (2001). Leslois de l’imitation. Paris: Éditions du Seuil.

Tarde, G. (2003). Monadologia e sociologia. Petrópolis: Vozes.

Tarde, G. (2005). A opinião e as massas. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

Publicado
2019-04-30
Como Citar
Ferraz, M. C., & Saint Clair, E. (2019). Por uma genealogia do ódio online:. MATRIZes, 13(1), 133-147. https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v13i1p133-147
Seção
Em Pauta/Agenda