Gestões sensacionalistas:

as atrações e o audiovisual no YouTube

Palavras-chave: Cinema de atrações, Espetáculo, Youtube, Manifestações políticas

Resumo

Este artigo argumenta por uma aproximação entre a espectatorialidade e estética do audiovisual na web e a experiência do cinema de atrações. A partir da análise de um caso em particular, mas que parece sintomático, pretendemos demonstrar como a retórica encontrada em boa parte dos audiovisuais do YouTube faz uso intenso do endereçamento direto ao espectador, da força performática da imagem e do corpo em movimento para a câmera e da lógica do excesso que marca o sensacionalismo, através de uma espectatorialidade participativa, fragmentária e errante. Essas características revelam permanências do regime de atrações nesses audiovisuais, bem como a força política de uma gestão moral a partir das estratégias sensacionalistas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Baltar, Universidade Federal Fluminense

Professora do Departamento de Cinema e Vídeo da UFF.

Adil Giovanni Lepri, Universidade Federal Fluminense

Bacharel em Cinema e Audiovisual pela UFF, mestre em comunicação e doutorando em Cinema e Audiovisual pela mesma instituição. Professor substituto 20h da UFRJ, no curso de Rádio e TV.

Referências

Auerbach, J. (2007). Body shots: Early cinema’s incarnations. Los Angeles, CA: University of California Press.

Baltar, M. (2012). Tessituras do excesso: Notas iniciais sobre o conceito e suas implicações tomando por base um procedimento operacional padrão. Significação, 39(38), 124-146. doi: 10.11606/issn.2316-7114.sig.2012.71141

Baltar, M. (2014). Real sex, real lives: Excesso, desejo e as promessas do real. E-Compós, 17(3), 1-17. doi: 10.30962/ec.v17i3.1042

Baltar, M. & Sarmet, É. (2016). La fulminante: Deboche, excesso e gênero no pós-pornô da América Latina. ArtCultura, 17(30), 109-124.

Brooks, P. (1995). The melodramatic imagination: Balzac, Henry James, melodrama and the mode of excess. New Haven, CT: Yale University Press.

Burgess, J. (2014). “All your chocolate rain are belong to us?” Viral video, YouTube and the dynamics of participatory culture. In N. Papastergiadis & V. Lynn (Eds.), Art in the global present (pp. 86-96). Sydney, AUS: UTSePress.

Burgess, J. & Green, J. (2009). YouTube e a revolução digital: Como o maior fenômeno da cultura participativa transformou a mídia e a sociedade. São Paulo, SP: Aleph.

Charney, L. & Schwartz, V. R. (Orgs.). (2001). O cinema e a invenção da vida moderna. São Paulo, SP: Cosac & Naify.

Cohen, R. (2002). Performance como linguagem. São Paulo, SP: Perspectiva.

Eisenstein, S. (1983). A montagem de atrações. In I. Xavier (Org.), A experiência do cinema (pp. 187-198). Rio de Janeiro, RJ: Graal.

Elsaesser, T. (2006). Discipline through diegesis: The rube film between “attractions” and “narrative integration”. In W. Strauven (Org.), Cinema of attractions reloaded (pp. 206-223). Amsterdã, NL: Amsterdam University Press.

Enne, A. L. (2007). O sensacionalismo como processo cultural. Revista EcoPós, 10(2), 70-84.

Fabião, E. (2008). Performance e teatro: Poéticas e políticas da cena contemporânea. Sala Preta, 8, 235-246. doi: 10.11606/issn.2238-3867.v8i0p235-246

Fabião, E. (2009, 9 de julho). Definir performance é um falso problema. Entrevista concedida a Fábio Freire. Diário do Nordeste. Recuperado de https://bit.ly/2uCNehz

Felinto, E. (2007). Videotrash: o YouTube e a cultura do “spoof” na internet. Anais

do Encontro Nacional Compós, Curitiba, 16, 1-11.

Gaines, J. M. (1999). Political mimesis.In M. Renov, F. Ginscurg, & J. M. Gaines (Eds.), Collecting visible evidence (pp. 84-102). Minneapolis, MN: University of Minnesota Press.

Gaines, J. M. (2002). Everyday strangeness: Robert Ripley’s international oddities as documentary attractions. New Literary History, 33(4), 781-801.

Goffman, E. (1959). The presentation of self in everyday life. Nova York, NY: Doubleday.

Gunning, T. (2006). The cinema of attractions: Early film, its spectator and the avant-garde. In W. Strauven (Org.). Cinema of attractions reloaded (pp. 381-388). Amsterdã, NL: Amsterdam University Press.

Hansen, M. (1997). Early cinema, late cinema: Transformations of the public sphere. In L. Williams (Org.). Viewing positions: Ways of seeing film (pp. 134-152). Nova Jersey, NJ: Rutgers University Press.

Jaques, P.-E. (2006). The associational attractions of the musical. In W. Strauven (Org.), Cinema of attractions reloaded (pp. 281-308). Amsterdã, NL: Amsterdam University Press.

Jenkins, H. (2006). Convergence culture: Where old and new media collide. Nova York, NY: NYU Press.

Lana, L. (2015). “É muito íntimo”: Vlogs femininos, fama e linguagem televisiva no YouTube. Anais do Encontro Nacional Compós, Brasília, 24, 1-19. Lévy, P. (1999). Cibercultura. São Paulo, SP: Editora 34.

Lipovetsky, G. & Serroy, J. (2009). A tela global: Mídias culturais e cinema na era hipermoderna. Porto Alegre, RS: Sulina.

Mamaefalei. (2017). MTST: Acampamento paulista [vídeo]. Recuperado de http://bit.ly/2UsxIyt

Manovich, L. (2002). The language of new media. Cambridge, MA: MIT Press.

Montaño, S. (2016). A construção do usuário na cultura audiovisual do YouTube. Anais do Encontro Nacional Compós, Goiânia, 25, 1-24.

Perez, C. & Trindade, E. (2017). Consumo midiático: Youtubers e suas milhões de visualizações: como explicar? Anais do Encontro Nacional Compós, São Paulo, 26, 1-17. Recuperado de http://bit.ly/2GAsfBU

Presidência da República. (2018). Entenda as novas regras do Minha Casa Minha Vida. Planalto. Recuperado de http://bit.ly/2W1wStV

Schechner, R. (2006). Performance studies: An introduction (2a ed.). Nova York, NY: Routledge.

Schwartz, V. (2001). O espectador cinematográfico antes do aparato do cinema: O gosto do público pela realidade na Paris fim-de-século. In L. Charney & V. R. Schwartz (Orgs.), O cinema e a invenção da vida moderna (pp. 297-319). São Paulo, SP: Cosac Naify.

Singer, B. (2001). Modernidade, hiperestímulo e o início do sensacionalismo popular. In L. Charney & V. R. Schwartz (Orgs.), O cinema e a invenção da vida moderna (pp. 95-123). São Paulo, SP: Cosac Naify.

Strangelove, M. (2010). Watching YouTube: Extraordinary videos by ordinary people. Toronto, ON: University of Toronto Press.

Taylor, D. (2013). O arquivo e o repertório. Performance e memória cultural nas Américas. Belo Horizonte, MG: Editora UFMG.

Vieira Jr., E. (2014). Por uma exploração sensorial e afetiva do real: Esboços sobre a dimensão háptica do cinema contemporâneo. Famecos, 21(3), 1220-1240. doi: 10.15448/1980-3729.2014.3.15919

Williams, L. (1999). Hard core: Power, pleasure and the “frenzy of the visible”. Berkeley, LA: University of California Press.

Publicado
2019-04-30
Como Citar
Baltar, M., & Lepri, A. (2019). Gestões sensacionalistas:. MATRIZes, 13(1), 169-189. https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v13i1p169-189
Seção
Em Pauta/Agenda