No tom, como manda o figurino: a estética da chanchada pela música e a moda

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v13i2p203-224

Palavras-chave:

Chanchada, música de cinema, moda

Resumo

Este texto pretende demonstrar como o processo de nomadismo e movência dos textos artísticos pode interferir nas formas de sensibilidade e, consequentemente, nos processos de comunicação estética. Para tanto, tomamos versões paródicas de filmes da década de 1950, com o fim de verificar: 1) como a apropriação paródica estabelece uma semântica particular, considerando o trânsito entre arte e o espetáculo de entretenimento popular; 2) como as novas versões modificam o estatuto da obra e por conseguinte, sua fruição. Para este estudo, tomam-se elementos das linguagens da moda e da música. Concluímos que para além de novas formas de sensibilidade, tais obras constituem memória cultural, no seio da cultura midiática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Heloísa de Araújo Duarte Valente, Universidade Paulista

Professora titular no Programa de Comunicação e Cultura Midiática da Universidade Paulista (UNIP).

Solange Wajman, Universidade Paulista

Professora titular no Programa de Comunicação e Cultura Midiática da Universidade Paulista (UNIP).

Referências

A “força” de um filme (1951, 16 de junho). Cine Repórter, 8. Recuperado de http://memoria.bn.br/pdf/085995/per085995_1951_00804.pdf

Augusto, S. (1989). Este mundo é um pandeiro. São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Bastos, M. R. (2001). Tristezas não pagam dívidas: cinema e política nos anos da Atlântida. São Paulo, SP: Olho d’Água.

Brandão, J. M. (2012). Ópera no Brasil: um panorama histórico. Revista Música Hodie, 12(2), 31-47. Recuperado de https://www.revistas.ufg.br/musica/article/view/22543/13404

Catani, A. M. & Souza, J. I. de M. (1983). A chanchada no cinema brasileiro. São Paulo, SP: Brasiliense.

De todo o mundo. (1950, 3 de janeiro). A Scena Muda, (1), 34.

Demasi, D. (2001). Chanchadas e dramalhões. Rio de Janeiro, RJ: Funarte.

DeMille, C. B. (Produtor & Diretor). (1949). Sansão e Dalila (Filme de longa-metragem). Estados Unidos: Paramount Pictures.

Dias, R. O. (1993). O mundo como chanchada: Cinema e imaginário das classes populares na década de 50. Rio de Janeiro, RJ: Relume Dumará.

Dulci, L. C. (2004). Moda e cinema no Brasil dos anos 50: Eliana e o tipo “mocinha” nas chanchadas cariocas. Belo Horizonte, MG: Editora da UFMG.

Gleba, M. (2008). Dressing the past. Oxford, Inglaterra: Oxbow Books.

Gumbrecht (1998). Corpo e forma: ensaios para uma crítica não-hermenêutica. Rio de Janeiro, RJ: EdUERJ.

Hutcheon, L. (1985). Uma teoria da paródia: ensinamentos das formas de arte do século XX. Rio de Janeiro, RJ: Edições 70.

Llewellyn-Jones, L. (2005). The fashioning of Delilah: costume design, historicism and fantasy in Cecil B. DeMille Samson and Delilah (1949). In L. Cleland, M. Harlow, & L. Llewellyn-Jones (Eds.), The clothed body in ancient word (pp. 14-29). Oxford, Inglaterra: Oxbow Books.

Lyra, B. (2014). Fotogramas do Brasil: as chanchadas. São Paulo, SP: A lápis.

Massaini, O. (Produtor) & Ramos, E. (Diretor). (1954). O barbeiro que se vira (Filme de longa-metragem). Rio de Janeiro, Brasil: Cinedistri Produção e Distribuição Audiovisual Ltda.

Medaglia, J. (1988). Música impopular. São Paulo, SP: Global.

Meddi, J. L. (2008, 24 de junho). Os teatros da São Paulo dos barões do café (Postagem de blog). Recuperado de https://bit.ly/2V11Ku7

Meneguello, C. (1992). Poeira de estrelas: o cinema hollywoodiano na mídia brasileira das décadas de 40 e 50 (Dissertação de mestrado, Universidade Estadual de Campinas). Recuperado de https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/rhs/article/view/93

Müller, A. (2012). Linhas imaginárias: poesia, mídia, cinema. Porto Alegre, RS: Sulina.

Morin, E. (1972). Les stars. Paris, França: Éditions du Seuil.

Morre aos 99 anos o palhaço Arrelia. (2005, 23 de maio). Folha de S.Paulo. Recuperado de https://www1.folha.uol.com.br/folha/ilustrada/ult90u50911.shtml

Newman, E. (1960). História das grandes óperas e seus compositores (vol.6). Porto Alegre, RS: Editora Globo.

Sansão e Dalila: história em quadrinhos (1950, 12 de março). A Scena Muda, (12), 18.

Sansão e Dalila (cont.) (1950, 23 de março). A Scena Muda, (13), 18.

Sansão e Dalila, (cap. 3). (1950, 4 de abril). A Scena Muda, (14), 20.

Sansão e Dalila (cap. 5). (1950, 18 de abril). A Scena Muda, (15), 18.

Sansão e Dalila (cap. 6). (1950, 25 de abril). A Scena Muda, (17), 18.

Sansão e Dalila (cap. 7). (1950, 2 de maio). A Scena Muda, (18), 18.

Sansão e Dalila (final). (1950, 9 de maio). A Scena Muda, (19), 18.

Sevcenko, N. (1999). História da vida privada. São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Tanko, J. B. (Produtor) & Manga, C. (Diretor). (1954). Nem Sansão nem Dalila (Filme de longa-metragem). Rio de Janeiro, Brasil: Atlântida Empresa Cinematográfica do Brasil S.A.

Valente, H. de A. D. & Coli, J. M. (2018). Memória, nomadismo e a construção da personalidade vocal no bolero. In L. O. Montoya Arias, S. S. A. Dias, H. de A. D. Valente, & M. A. Díaz Güemez (Orgs.). México. Corazón musical de Latinoamérica. (pp. 311-340). Mérida, México: ESAY.

Vieira, J. L. (1987). A chanchada e o cinema carioca (1930-1955). In F. Ramos (Org.). História do cinema brasileiro (pp. 129-187), São Paulo, SP: Art Editora.

Zumthor, P. (1997). Introdução à poesia oral. São Paulo, SP: Hucitec/Educ.

Publicado

2019-09-02

Como Citar

Valente, H. de A. D., & Wajman, S. (2019). No tom, como manda o figurino: a estética da chanchada pela música e a moda. MATRIZes, 13(2), 203-224. https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v13i2p203-224

Edição

Seção

Em Pauta/Agenda