Perversão clean na cultura do consumo

Palavras-chave: Psicanálise, perversão, capitalismo comunicacional, cultura do consumo, pulsões

Resumo

A cultura contemporânea é montagem perversa, na medida em que busca liberar o sujeito egoísta para o mundo do sensível e da pulsão. Durante o século XX, houve crescente liberação das pulsões, estabelecendo-se uma ligação entre o neurótico consumidor e o perverso puritano. Busca-se a perversão, mas permanecendo-se clean, exigindo, para tal, batidas musicais pulsionais e substâncias variadas com graus entre o neurótico consumidor pós-moderno e o perverso puritano. O resultado é a interiorização da lei de mercado a fim de buscar a satisfação das pulsões, desligando quando possível a função sujeito. Para entender as transformações da cultura comunicacional da cidade perversa, é preciso uma teoria psicanalítica das pulsões e das paixões.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Luiz Aidar Prado, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Professor doutor do Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica da PUC-SP; editor da revista Galáxia; autor dos livros Habermas com Lacan (EDUC, 2014) e Convocações biopolíticas dos dispositivos midiáticos (EDUC, 2013).

Referências

Chemama, R. (1995). Dicionário de Psicanálise. Porto Alegre: Larousse/Artes Médicas.

Dardot, P. & Laval, C. (2016). A nova razão do mundo. Ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo.

Dufour, D. R. (2013). A cidade perversa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Dunker, C. I. L. (2017). Reinvenção da intimidade. Políticas do sofrimento cotidiano. São Paulo: Ubu.

Fontenelle, I. (2004). Mídia, acesso e mercado da experiência. Contracampo, 10/11, 185-200. doi: http://periodicos.uff.br/contracampo/article/view/17379

Fontenelle, I. (2017). Cultura do consumo. Fundamentos e formas contemporâneas. São Paulo: FGV editora.

Freire Filho, J. (Org.). (2010). Ser feliz hoje. Reflexões sobre o imperativo da felicidade. Rio de Janeiro: FGV.

Freire Filho, J. & Pinto Coelho, M. G. (Orgs.). (2011). A promoção do capital humano. Porto Alegre: Sulina.

Julien, P. (2003). Psicose, perversão, neurose: a leitura de Jacques Lacan. Rio de Janeiro: Cia de Freud.

Lacan, J. (1985). O Seminário, 20. Mais, ainda. Rio de Janeiro: Zahar.

Laplanche, J. & Pontalis, J. B. (1992). Vocabulário de psicanálise. São Paulo: Martins Fontes.

Lebrun, J. P. (2008). A perversão comum. Viver juntos sem Outro. Rio de Janeiro: Cia de Freud.

McGowan, T. (2016). Capitalism and desire. The psychic cost of free markets. Nova Iorque: Columbia University Press.

Melman, C. (2003). O homem sem gravidade. Gozar a qualquer preço. Rio de Janeiro: Cia de Freud.

Moreira, J. O. & Rosário, A. B. (2012). Culpa e narcisismo na tragédia moderna. Analytica, 1(1), 73-89.

Pezzotti, R. (2018). Convocações midiáticas para uma biossociabilidade do consumo: sentidos atribuídos ao corpo na corrida de obstáculos Bravus Race (Dissertação de mestrado inédita). ESPM, São Paulo.

Safatle, V. (2015). O circuito dos afetos. São Paulo: Cosac Naify.

Viana, S. (2012). Rituais de sofrimento. São Paulo: Boitempo.

Zilberberg, C. (2011). Elementos de semiótica tensiva. São Paulo: Ateliê Editorial.

Publicado
2019-04-30
Como Citar
Prado, J. L. (2019). Perversão clean na cultura do consumo. MATRIZes, 13(1), 49-70. https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v13i1p49-70
Seção
Dossiê