Arte e governo da vida:

capital humano e invenção de si nos circuitos artísticos e culturais

Palavras-chave: Arte, Cultura, Invenção de si, Biopolítica

Resumo

O artigo discorre sobre o trabalho artístico a partir dos conceitos de invenção de si e governamentalidade, analisados por Foucault, Veyne e Bennett. Nas racionalidades liberais, a vida é tomada como campo de governo e como capital. O artista investe sua vida, suas percepções e afetos na criação das obras. Mas esse interesse também pode conduzir a políticas identitárias. Para evitar que o campo se fragmente, as artes devem ser compreendidas, em suas relações de força e contingências históricas, como bens públicos e comuns, que manifestam, mais do que um capital, a potência humana de invenção. Contudo, transformar hábitos culturais é tarefa de longo prazo, que envolve o Estado, a iniciativa privada e a sociedade civil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sharine Machado Cabral Melo, Fundação Nacional de Artes - São Paulo

Doutora em Comunicação e Semiótica (PUC-SP), Administradora Cultural na Funarte São Paulo.

Referências

Alpers, S. (2010). O projeto de Rembrandt: O ateliê e o mercado (V. Pereira, Trad.). São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Benjamin, W. (2008). A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. In Obras escolhidas: Magia e técnica, arte e política (S. P. Rouanet, Trad.). São Paulo, SP: Brasiliense.

Bennett, T. (1998). Culture: A reformer’s science. Londres, Inglaterra: Sage.

Bennett, T. (2018). Museums, power, knowledge: Selected essays. Londres, Inglaterra; Nova York, NY: Routledge.

Burchell, G., Gordon, C., & Miller, P. (Orgs.). (1991). The Foucault effect: Studies in governmentality. Chicago, IL: University of Chicago Press.

Canclini, N. G. (2012). A sociedade sem relato: Antropologia e estética da iminência (M. G. Ribeiro, Trad.). São Paulo, SP: Edusp.

Costa, R. (2008). Inteligência coletiva: Comunicação, capitalismo cognitivo e micropolítica. Revista Famecos, 15(37), 61-68. doi: 10.15448/1980-3729.2008.37.4801

Costa, R. (2014). A biopolítica nos estudos sobre pessoas com deficiência. In Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas (BR). Diálogo (bio)político: Sobre alguns desafios da construção da Rede de Cuidados à Saúde da Pessoa com Deficiência do SUS (pp. 87-130). Brasília, DF: Ministério da Saúde. Recuperado de https://bit.ly/2p1Rc2J

Deleuze, G. (2005). Foucault (C. S. Martins, Trad.). São Paulo, SP: Brasiliense.

Evelyn, J. (2015). The diary of John Evelyn (Vol. 1). Ashland, TN: Library of Alexandria.

Firjan (2016). Mapeamento da indústria criativa no Brasil. Rio de Janeiro, RJ: Sistema Firjan.

Foucault, M. (2008). Nascimento da biopolítica: Curso dado no Collège de France (1978-1979) (E. Brandão, Trad.). São Paulo, SP: Martins Fontes.

Gramsci, A. (1982). Os intelectuais e a organização da cultura (C. N. Coutinho, Trad.). Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira.

Hall, S. (1980). Cultural studies: Two paradigms. Media, Culture and Society, 2(1), 57-72. doi: 10.1177/016344378000200106

Instituto Moreira Salles. (2018). MIC BR: Mercado das Indústrias Criativas do Brasil. Recuperado de http://bit.ly/2peplgu

Lazzarato, M. (2006). As revoluções do capitalismo (L. Corsini, Trad.). Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira.

Lei nº 3.857, de 22 de dezembro de 1960 (1960). Cria a Ordem dos Músicos do Brasil e dispõe sobre a regulamentação do exercício da profissão de músico e dá outras providências. Brasília, DF: Ministério da Fazenda/Ministério da Educação e Cultura/Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio. Recuperado de https://bit.ly/2p85xLn

Lei nº 6.533, de 24 de maio de 1978 (1978). Dispõe sobre a regulamentação das profissões de artistas e de técnico em espetáculos de diversões, e dá outras providências. Brasília, DF: Ministério do Trabalho. Recuperado de https://bit.ly/2kXATAC

Lei nº 8.313, de 23 de dezembro de 1991 (1991). Restabelece princípios da Lei nº 7.505, de 2 de julho de 1986, institui o Programa Nacional de Apoio à Cultura (Pronac) e dá outras providências. Brasília, DF: Ministério da Justiça. Recuperado de https://bit.ly/2zPqAUs

Lei nº 13.018, de 22 de julho de 2014 (2014). Institui a Política Nacional de Cultura Viva e dá outras providências. Brasília, DF: Controladoria-Geral da União/Ministério da Cultura Recuperado de https://bit.ly/2ofjerm

Lei nº 13.278, de 8 de janeiro de 2002 (2002). Institui o “Programa Municipal de Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo” e dá outras providências. São Paulo, SP: Secretaria Municipal de Cultura. Recuperado de https://bit.ly/2nCWPnR

Lei nº 13.540, de 24 de março de 2003 (2003). Institui o Programa para a Valorização de Iniciativas Culturais – VAI – no âmbito da Secretaria Municipal de Cultura e dá outras providências. São Paulo, SP: Prefeitura do Município de São Paulo. Recuperado de http://bit.ly/2oeZxzQ

Lei nº 14.071, de 18 de outubro de 2005 (2005). Institui o Programa Municipal de Fomento à Dança para a Cidade de São Paulo e dá outras providências. São Paulo, SP: Prefeitura do Município de São Paulo. Recuperado de http://bit.ly/2nCtv0y

Leiva, J., & Meireles, R. (Orgs.). (2018). Cultura nas capitais: Como 33 milhões de brasileiros consomem diversão e arte. Rio de Janeiro, RJ: 17Street.

Lemke, T. (2011). Biopolitics: An advanced introduction. Nova York, NY: NYU Press.

Lima, E. (Diretor). (2016). Em legítima defesa (Performance). São Paulo, SP: Centro Cultural São Paulo.

Manifesto Arte contra a Barbárie (Primeiro Manifesto). (1999, 7 de maio). Briga Lei do Teatro. Recuperado de http://bit.ly/2odY3pE

Matos, T. (2019, 12 de agosto). Museus em alta: 1º semestre de 2019 tem recordes de público pelo Brasil. G1. Recuperado de https://glo.bo/2npROPx

Medida Provisória nº 870, de 1º de janeiro de 2019 (2019). Estabelece a organização básica dos órgãos da Presidência da República e dos Ministérios. Brasília, DF: Casa Civil. Recuperado de http://bit.ly/2ohegu2

Menger, P.-M. (2002). Portrait de l’artiste en travailleur: Métamorphoses du capitalisme. Paris, França: Seuil et la Republique des Idees.

Mercadante, R. (Diretor). (2018). Manifesto inapropriado (Espetáculo teatral). São Paulo, SP: Complexo Cultural Funarte SP.

Miller, P., & Rose, N. (2012). Governando o presente (P. Valério, Trad.). São Paulo, SP: Paulus.

Oakley, K. (2009). ‘Art works’ – Cultural labor markets: A literature review. Londres, Inglaterra: Creativity, Culture and Education. Recuperado de http://bit.ly/2nqi8sO

Parival, J. N. (1662). Les délices de la Hollande. Leiden, Holanda: Pierre Didier. Recuperado de http://bit.ly/2nno0mB

Pelbart, P. P. (2013). Foucault versus Agamben? Ecopolítica, (5), 50-64. Recuperado de http://bit.ly/2mMmV7w

Recaldes, L. (2018, 5 de abril). Mobilização de artistas e técnicos contra ADPF 293 agita o país. Cultura e Mercado. Recuperado de http://bit.ly/2mMw5kq

Ruskin, J. (2004). A economia política da arte (R. Cardoso, Trad.). Rio de Janeiro, RJ: Record.

Salomão, S. (2016-2017). Que cidade te habita? Sampa negra: Periferia, contracultura e antirracismo. Observatório Itaú Cultural, (21), 130-166. Recuperado de http://bit.ly/2p5tgvr

Schiller, F. (2011). A educação estética do homem (R. Schwarz, & M. Suzuki, Trad.). São Paulo, SP: Iluminuras.

Schwartz, W. (2017). (Performer). La Bête. São Paulo, SP: Museu de Arte Moderna.

Torres, D. (2018, 15 de março). Sobre o evento de lançamento do programa ‘Cultura gera Futuro’. Cultura e mercado. Recuperado de http://bit.ly/2p97ffv

Veyne, P. (2011). Foucault: Seu pensamento, sua pessoa (M. J. Morais, Trad.). Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira.

Veyne, P. (2014). Foucault revoluciona a história. In Como se escreve a história (A. Baltazar, & M. A. Kneipp, Trad., pp. 150-181). Brasília, DF: Editora UnB.

Williams, R. (1967) Culture and society. Londres, Inglaterra: Chatto & Windus.

Williams, R. (1973). Base and superestructure in Marxist cultural theory. New left review. 1(82), 3-16. Recuperado de http://bit.ly/2mIEJ3n

Zumthor, P. (1989). A Holanda no tempo de Rembrandt (M. L. Machado, Trad.). São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Publicado
2019-12-26
Como Citar
Melo, S. (2019). Arte e governo da vida:. MATRIZes, 13(3), 205-228. https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v13i3p205-228
Seção
Em Pauta/Agenda