Para pensar comunicação, cultura e subjetividade:

uma perspectiva de análise

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v14i1p59-78

Palavras-chave:

Comunicação, cultura, subjetividade, epocalismo, tempo

Resumo

O presente texto procura fazer uma síntese da perspectiva que defendemos para a análise das relações entre comunicação, cultura e subjetividade. Trata-se, nos três âmbitos, de evitar o que nomeamos de paradigma epocalista, em favor de abordagens localizadas e atentas às diferenças. Nossa perspectiva envolve, em primeiro lugar, evitar uma visão classificatória das subjetividades. Além disso, evita-se a redução da história das culturas a uma sucessão linear de épocas. Finalmente, evita-se, do mesmo modo, tanto o determinismo tecnológico quanto a ideia de um usuário onipotente, o que implica considerar tanto as agências das tecnologias quanto as ações dos usuários tomados individual ou coletivamente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcio Souza Gonçalves, Universidade Estadual do Rio de Janeiro

Professor do programa de pós-graduação em Comunicação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Bolsista Prociência Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj)/Uerj.

Referências

Badiou, A. (1995). Ética: Um ensaio sobre a consciência do mal. Rio de Janeiro, RJ: Relume-Dumará.

Barbier, F. (2006). L’Europe de Gutenberg: Le livre et l’invention de la modernité occidentale. Paris, França: Belin.

Burke, P. (Org.). (1992). A escrita da história: Novas perspectivas. São Paulo, SP: Editora Unesp.

Campanella, B., & Barros, C. (Eds.). (2016). Etnografia e consumo midiático: Novas tendências e desafios metodológicos. Rio de Janeiro, RJ: E-papers.

Chartier, R. (2002). A história cultural: Entre práticas e representações. Lisboa, Portugal: Difel.

Deleuze, G., & Guattari, F. (1976). O anti-Édipo: Capitalismo e esquizofrenia. Rio de Janeiro, RJ: Imago.

Descola, P. (2006). As lanças do crepúsculo: Relações jivaro na Alta Amazônia. São Paulo, SP: Cosac Naify.

Geertz, C. (1983). Nova luz sobre a antropologia. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar.

Gonçalves, M. S.; Clair, E. T. S. (2014). Meios na história, história nos meios: paradigmas para a reflexão sobre comunicação e cultura. Tríade: Comunicação, Cultura e Mídia, 2(4), 157-172.

Innis, H. A. (2007). Empire and communications. Lanham, MD: Rowman & Littlefield.

Johns, A. (1998). The nature of the book: Print and knowledge in the making. Chicago, IL: The University of Chicago Press.

Le Roy Ladurie, E. (1997). Montaillou, povoado occitânico, 1294-1324. São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Lévi-Strauss, C. (2010). La pensée sauvage. Paris, França: Pocket-Plon.

McLuhan, M. (2005). Os meios de comunicação como extensões do homem. São Paulo, SP: Cultrix.

Mcluhan, M., & Mcluhan, E. (2007). Laws of media: The new science. Toronto, Canadá: University of Toronto Press.

Peirano, M. (1995). A favor da etnografia. Rio de Janeiro, RJ: Relume-Dumará.

Revel, J. (Ed.). (1998). Jogos de escalas: A experiência da microanálise. Rio de Janeiro, RJ: Editora FGV.

Schmandt-Besserat, D. (2006). How writing came about. Austin, TX: University of Texas Press.

Simondon, G. (2007). L’individuation psychique et collective. Paris, França: Aubier.

Zola, E. (1979). Germinal. São Paulo, SP: Abril Cultural.

Publicado

2020-05-07

Como Citar

Gonçalves, M. S. (2020). Para pensar comunicação, cultura e subjetividade:: uma perspectiva de análise. MATRIZes, 14(1), 59-78. https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v14i1p59-78

Edição

Seção

Dossiê