O capital financeiro vai ao paraíso: Bitcoin, fintech 3.0 e a massificação do homem endividado

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v15i2p205-227

Palavras-chave:

Bitcoin, Fintech 3.0, Moeda como mídia, Financeirização da vida cotidiana, Homem endividado

Resumo

O artigo analisa a criptomoeda Bitcoin como parte de um novo setor do mercado financeiro, a fintech 3.0. Subscrevendo a tese de Maurizio Lazzarato de que a categoria do homem endividado seria a forma de governamentalidade do capitalismo contemporâneo, discute-se de que modo a Bitcoin funciona como um vetor de expansão a uma parcela da população da lógica social do endividamento. A princípio, proponho pensar a criptomoeda como mídia. A seguir, apresento uma genealogia das ideologias que animaram a criação do Bitcoin, a fim de demonstrar os valores libertários que nortearam o desenho dessa nova tecnologia. Por fim, discuto como a fintech 3.0 difunde a lógica social do homem endividado por meio de dispositivos digitais pessoais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leonardo De Marchi, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professor adjunto da Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Membro permanente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).

Referências

Arner, D. W., Barberis, J. N., & Buckley, R. P. (2015). The evolution of fintech: A new post-crisis paradigm? UNSW Law Research Paper, 216(62), 1-15. https://dx.doi.org/10.2139/ssrn.2676553

Arnoldi, J. (2004). Derivatives: Virtual values and real risks. Theory, Culture & Society, 21(6), 23-42. https://doi.org/10.1177%2F0263276404047414

Assange, J., Appelbaum, J., Müller-Maghun, A., & Zimmermann, J. (2013). Cypherpunks: Liberdade e o futuro da internet. Boitempo.

Berardi, F. (2019). Depois do futuro. Ubu.

Blyth, M. (2017). Austeridade: A história de uma ideia perigosa. Autonomia Literária.

Boltanski, L., & Chiapello, È. (2009). O novo espírito do capitalismo. Martins Fontes.

Bryan, D., & Rafferty, M. (2014). Financial derivatives as social policy beyond crisis. Sociology, 48(5), 887-903. https://doi.org/10.1177%2F0038038514539061

Cannucciari, C. (Diretor). (2016). Banking on Bitcoin [Filme]. Gravitas Venture.

Dardot, P., & Laval, C. (2016). A nova razão do mundo: Ensaio sobre a sociedade neoliberal. Boitempo.

Deleuze, G., & Guattari, F. (1976). O Anti-Édipo: Capitalismo e esquizofrenia. Imago. (Trabalho original publicado em 1972)

Dodd, N. (1997). A sociologia do dinheiro. Editora FGV.

Foucault, M. (2008). Nascimento da biopolítica. Martins Fontes.

Friedman, M. (1984). Capitalismo e liberdade. Abril Cultural.

Gala, P. (2018, 1 de abril). Bitcoin não é moeda de verdade, cuidado! Money Times. https://bit.ly/3uvX2W7

Graeber, D. (2011). Debt: The first 5.000 years. Melville House.

Guéron, R. (2017). A axiomática capitalista segundo Deleuze e Guattari: De Marx a Nietzsche, de Nietzsche a Marx. Aurora, 29(46), 257-282. http://dx.doi.org/10.7213/1980-5934.29.046.DS14

Harvey, D., Teles, E., Sader, E., Alves, G., Carneiro, H. S., Wallerstein, I., Peschanski, J. A., Davis, M., Žižek, S., Ali, T., & Safatle, V. (2012). Occupy: Movimentos de protesto que tomaram a rua. Boitempo; Carta Maior.

Hayek, F. (2011). Desestatização do dinheiro: Uma análise da teoria e prática das moedas simultâneas (2a ed.). Instituto Von Mises Brasil.

Kaufmann, J.-C. (2013). A entrevista compreensiva: Um guia para pesquisa de campo. Vozes; Edufal.

Kittler, F. (2017). A verdade do mundo técnico: Ensaios sobre a genealogia da atualidade. Contraponto.

Knorr-Cetina, K., & Bruegger, U. (2000). The markets as an object of attachment: Exploring postsocial relations in financial markets. Canadian Journal of Sociology, 25(2), 141-168. https://doi.org/10.2307/3341821

Lazzarato, M. (2017). O governo do homem endividado. N-1 Edições.

Lépinay, V. A. (2011). Codes of finance: Engineering derivatives in a global bank. Princeton University Press.

Martin, R. (2002). Financialization of the daily life. Temple University Press.

Martin, R. (2013). After economy? Social logics of derivative. Social Text, 31(1), 83-106. https://doi.org/10.1215/01642472-1958908

Marx, K. (1983). O capital: Crítica da economia política. Abril Cultural. (Trabalho original publicado em 1867)

Maurer, B., Nelms, T. C., & Swartz, L. (2013). When perhaps the real problem is money itself! The practical materiality of Bitcoin. Social Semiotics, 23(2), 261-277. https://doi.org/10.1080/10350330.2013.777594

Mauss, M. (2003). Sociologia e antropologia. Cosac & Naify. (Trabalho original publicado em 1950)

Metri, M. (2014). Poder, riqueza e moeda na Europa medieval: A preeminência naval, mercantil e monetária da sereníssima República de Veneza nos séculos XIII e XV. Editora FGV.

Morriss, A. (2008). Anarcho-Capitalism. In R. Hamowy (Ed.), The Encyclopedia of Libertarianism (pp. 13-14). Sage.

Nakamoto, S. (2008). Bitcoin: A peer-to-peer electronic cash system. https://bitcoin.org/bitcoin.pdf

Nicoletti, B. (2017). The future of fintech: Integrating finance and technology in financial services. Palgrave MacMillan.

Nietzsche, F. (1998). Genealogia da moral: Uma polêmica. Companhia das Letras. (Trabalho original publicado em 1887)

Paraná, E. (2020). Bitcoin: A utopia tecnocrática do dinheiro apolítico. Autonomia Literária.

Rothbard, M. N. (2013). Por uma nova liberdade: O manifesto libertário. Instituto von Mises Brasil.

Schumpeter, J. A. (2010). Capitalism, socialism and democracy. Routledge.

Simiand, F. (2018). A moeda, realidade social. Edusp.

Simmel, G. (2004). The philosophy of money (3a ed.). Routledge.

Srnicek, N. (2018). Platform capitalism. Polity.

Steiner, P. (2018). Simiand e a sociologia econômica da moeda. In F. Simiand, A moeda, realidade social (pp. 125-136). Edusp.

Streeck, W. (2018). Tempo comprado: A crise adiada do capitalismo democrático. Boitempo.

Théret, B. (2008). Os três estados da moeda: Abordagem interdisciplinar do fato monetário. Economia e Sociedade, 17(32), 1-28.

Ulrich, F. (2014). Bitcoin: A moeda na era digital. Instituto von Mises Brasil.

Varoufakis, Y. (2016). O minotauro global: A verdadeira origem da crise financeira e o futuro da economia global. Autonomia Literária.

Waizbort, L. (2013). As aventuras de Georg Simmel (3a ed.). Editora 34; Programa de Pós-Graduação em Sociologia/Universidade de São Paulo.

Weber, M. (1999). Economia e sociedade: Fundamentos da sociologia compreensiva. Editora UnB; Imprensa Oficial do Estado de São Paulo. (Trabalho original publicado em 1921)

Weber, M. (2004). A ética protestante e o espírito do capitalismo. Companhia das Letras. (Trabalho original publicado em 1920)

Zelizer, V. A. (1994). The social meaning of money: Pin money, paychecks and other currencies. Basic Books.

Publicado

2021-08-31

Como Citar

Marchi, L. G. D. (2021). O capital financeiro vai ao paraíso: Bitcoin, fintech 3.0 e a massificação do homem endividado. MATRIZes, 15(2), 205-227. https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v15i2p205-227

Edição

Seção

Em Pauta/Agenda