Arquétipo e catarse nas narrativas audiovisuais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v15i2p73-93

Palavras-chave:

Catarse, Arquétipo, Narrativa audiovisual, Filme, Série de TV

Resumo

O clímax em filmes e séries televisivas é construído pela combinação de imagens e sons que impactam emocionalmente a audiência, gerando a catarse. O efeito catártico é peça-chave em gêneros como aventura, western e horror. Este artigo analisa o papel que o arquétipo tem na catarse em narrativas audiovisuais ao operar como acionador de emoções. Articulam-se as teorias sobre catarse (Aristóteles, Jauss) e arquétipos (Jung, Durand) para estabelecer as relações entre esses elementos e entender como operam a partir de exemplos de filmes e séries. Resultados mostram a oposição arquetípica herói-monstro como gatilho emocional nas catarses e a relação entre imagens arquetípicas e contexto sócio-histórico em cenas catárticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sílvio Antonio Luiz Anaz, Universidade de São Paulo

Pós-doutorando em Meios e Processos Audiovisuais na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. Pesquisador visitante na School of the Arts, Media, Performance & Design da York University.

Referências

Antunes, F. S., Jr. (2016). A retórica midiática como gatilho de emoções arquetípicas. Mídia e Cotidiano, 10(10), 210-225. https://doi.org/10.22409/ppgmc.v10i10.9803

Aristóteles (2018). Poética. Fundação Calouste Gulbenkian. (Trabalho original publicado em 350 a.C.)

Benioff, D., Weiss, D. B., Strauss, S., Doelger, F., Caulfield, B., Cogman, B., Sapochnik, M., & Nutter, D. (Produtores Executivos). (2011-2019). Game of thrones [Série de televisão]. Television 360; Grok! Television; Generator Entertainment; Startling Television; Bighead Littlehead.

Benioff, D. (Roteirista), Weiss, D. B. (Roteirista), & Shakman, M. (Diretor). (2017, 30 de julho). Os espólios da guerra [The spoils of war] (Temporada 7, Episódio 4) [Episódio de série de televisão]. In D. Benioff, D. B. Weiss,

S. Strauss, F. Doelger, B. Caulfield, B. Cogman, M. Sapochnik, & D. Nutter (Produtores Executivos), Game of thrones. Television 360; Grok! Television; Generator Entertainment; Startling Television; Bighead Littlehead.

Campbell, J. (1997). O herói de mil faces. Cultrix; Pensamento.

Coogan, P. (2009). The definition of the superhero. In J. Heer & K. Worceste (Eds.), A comics studies reader (pp. 77-93). University Press of Mississippi.

Damásio, A. (2012). O erro de Descartes: Emoção, razão e o cérebro humano. Companhia das Letras. https://amzn.to/3qDGgUV

Dunleavy, T. (2018). Complex serial drama and multiplataform television. Routledge. https://doi.org/10.4324/9781315682310

Durand, G. (2002). As estruturas antropológicas do imaginário. Martins Fontes.

Durand, G. (2013). De la mitoctítica al mitoanálisis: Fíguras míticas y aspectos de la obra. Anthropos.

Ekman, P. (2011). A linguagem das emoções. Lua de Papel.

Ford, J. (Diretor). (1939). No tempo das diligências [Stagecoach] [Filme]. Walter Wanger Productions, Inc.

Ford, J. (Diretor). (1956). Rastros de ódio [The searchers] [Filme]. C. V. Whitney Pictures.

Freire, A. (1979). Hermenêutica tradicional da catarse aristotélica. Revista Portuguesa de Filosofia, 35(3), 1-30.

Jauss, H. R. (1974). Levels of identification of hero and audience. New Literary History, 5(2), 283-317. https://doi.org/10.2307/468397

Jung, C. G. (2014). Os arquétipos e o inconsciente coletivo. Vozes. (Trabalho original publicado em 1976)

Mauss, M., & Hubert, H. (2005). Sobre o sacrifício. Cosac Naify.

McKee, R. (2010). Story: Substance, structure, style, and the principles of screenwriting. Harper Collins. https://amzn.to/2UNp8Qz

Mittel, J. (2012). Complexidade narrativa na televisão norte-americana contemporânea. MATRIZes, 5(2), 29-52. https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v5i2p29-52

Moore. A., & Gibbons, D. (1988-1989). Watchmen (Vol. 1-12). Abril.

Neumann, E. (1999). A grande mãe: Um estudo fenomenológico da constituição feminina do inconsciente. Cultrix.

Paskow, A. (1983). What is aesthetic catharsis? The Journal of Aesthetics and Art Criticism, 42(1), 59-68. https://doi.org/10.2307/429947

Santoro, F. (2007). Sobre a estética de Aristóteles. Viso Cadernos de Estética Aplicada, 1(2), 1-13. http://doi.org/10.22409/1981-4062/v2i/36

Schaper, E. (1968). Aristotle’s catharsis and aesthetic pleasure. The Philosophical Quarterly, 18(7), 131-143. https://doi.org/10.2307/2217511

Vogler, C. (2015). A jornada do escritor: Estrutura mítica para escritores. Aleph.

Publicado

2021-08-31

Como Citar

Anaz, S. A. L. (2021). Arquétipo e catarse nas narrativas audiovisuais. MATRIZes, 15(2), 73-93. https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v15i2p73-93

Edição

Seção

Dossiê