Corpo-drone: governamentalidade algorítmica e a modulação espaço-imagética

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v15i1p147-168

Palavras-chave:

Corpo, Drone, Algoritmos, Imagem, Espaço

Resumo

Este texto trata da modulação espaço-imagética por meio dos algoritmos. Seguimos em quatro movimentos. O primeiro apresenta as lentes de realidade aumentada como dispositivos capazes de reconectar duas linhagens tecnológicas: a imagética e a locomotiva. O segundo discute transversais entre a cibernética e a inteligência artificial, a abrangência ilimitada da ação algorítmica e a renovação dos anseios por uma ultrapassagem do homem. O terceiro aborda os algoritmos como armadilhas cognitivas. Por último, são buscadas pistas em sistemas de biometria facial e carro autônomo para discutir a incorporação dos sistemas visuais de digitalização do espaço. Da somatória desses tópicos é proposta a noção de corpo-drone.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leandro José Carmelini, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Escola de Comunicação

Graduação em Biologia pela Universidade Católica de Vitória; Mestrado pela Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (ECO/UFRJ). Temas de pesquisa: cidade, transportes, algoritmos, cibernética, cognição e subjetividade. Atividade atual de pesquisa: doutorando pela ECO/UFRJ.

Danichi Hausen Mizoguchi, Universidade Federal Fluminense. Departamento de Psicologia

Graduação em Psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul; Doutorado em Psicologia pela Universidade Federal Fluminense. Professor adjunto do Departamento e do Programa de Pós-graduação em Psicologia da UFF. Temas de pesquisa: subjetividade e experiência urbana, subjetividade e microfascismos, transversais entre arte, clínica e política. Atividades de pesquisa: aulas e artigos cujo interesse são as modulações contemporâneas do poder. 

 

Pedro Felipe Moura de Araújo, Universidade Estadual da Paraíba. Departamento de Letras

Graduação em Psicologia pela Universidade Federal da Paraíba; Doutorado em Psicologia pela Universidade Federal Fluminense. Professor substituto no Departamento de Letras da Universidade Estadual da Paraíba (Campus VI). Temas de pesquisa: cinema, experiência e subjetividade; crítica e imagem nas humanidades; políticas do olhar no contemporâneo. Atividade atual de pesquisa: aulas e produções cujo interesse perpassa a prática e a crítica da imagem no contemporâneo.

 

Referências

All Things Tech. (2020, April 22). New 2020 Apple iPad Pro LiDAR Scanner in action [Video]. YouTube. https://bit.ly/3c6awCa

Andrejevic, M. (2015). Tornando-se Drones: Vigilância móvel e sensoriamento remoto. Parágrafo, 3(1), 45-54. https://bit.ly/3c4z0vF

Bentes, A. (2019). A gestãoalgorítmica da atenção: Enganchar, conhecer e persuadir. In F. B. P. Polido, L. C. dos Anjos, & L. C. C. Brandão (Orgs.), Políticas, internet e sociedade (pp. 222-234). Iris.

Bilton, N. (2015, February 4). Why Google Glass broke. The New York Times. http://nyti.ms/30XSqMe

Bruno, F. (2013). Máquinas de ver, modos de ser: Vigilância, tecnologia e subjetividade. Sulinas.

Bruno, F., Bentes, A., & Faltay, P. (2019). Economia psíquica dos algoritmos e laboratório de plataforma: Mercado, ciência e modulação do comportamento. Revista Famecos, 26(3), e33095. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2019.3.33095

Canevacci, M. (2008). Fetichismos visuais: Corpos erópitcos e metropole comunicacional. Ateliê.

Cardon, D. (2016). Deconstructing the algorithm: Four types of digital information calculations. In R. Seyfert& J. Roberge (Orgs.), Algorithmic cultures: Essays on meaning, performance and new technologies (pp. 95-110). Routledge. https://doi.org/10.4324/9781315658698

Cardon, D., Cointet, J.-P., & Mazières, A. (2018). La revanche des neurones: L’invention des machines inductives et la controverse de l’intelligence artificielle. Réseaux, 5(211), 173-220. https://doi.org/10.3917/res.211.0173

Chamayou, G. (2015). Teoria do drone. CosacNaify.

Chun, W. H. K., Kurgan, L., Brawley, D., House, B., & Zhang, J. (2019, October 4). Homophily: The urban history of an algorithm. e-flux architecture. https://bit.ly/313c0H8

CNET News. (2017, September 12). Apple explains Face ID on iPhone X. [Video]. YouTube. https://bit.ly/3vIKmgD

Crampton, J. W. (2019). PlataformBiometrics. Surveillance& Society, 17(1/2), 54-62. https://doi.org/10.24908/ss.v17i1/2.13111

Crary, J. (2011). Técnicas do observador. Contraponto.

Crary, J. (2013). Suspensões da percepção. Cosac Naify.

Crary, J. (2014). 24/7: Capitalismo tardio e os fins do sono. CosacNaify.

Daston, L., &Galison, P. (2007). Objectivity. Zone Books.

Debord, G. (1997). A sociedade do espetáculo (E. S. Abreu, trad.). Contraponto.

Deleuze, G. (2010). Conversações. 34.

Deleuze, G. (2014). El poder: Curso sobre Foucault (Tomo 2). Cactus.

Deleuze, G., & Guattari, F. (2010). Anti-Édipo. Editora 34.

Facebook AI. (2020, January 16). Reserarch in brief: Yann LeCun on the future of deep learning hardware [Video]. YouTube. https://bit.ly/3vKnrl3

Fogg, B. J. (2003). Persuasive technology:Using computers to change what we think and do. Morgan Kaufmann.

Foucault, M. (1999.) As palavras e as coisas. Martins Fontes.

Foucault, M. (2004). Vigiar e punir. Vozes.

Foucault, M. (2008). Segurança, território, população. Martins Fontes.

Hawkins, A. J. (2020, May 6). Volvo bucks the industry, will sell LIDAR-equipped self-driving cars to customers by 2022. The Verge. http://bit.ly/3cQioqx

Ingold, T. (2004). Culture on the ground: The world perceived through the feet. Journal of Material Culture, 9(3), 314-340. https://doi.org/10.1177/1359183504046896

Introna, L. D. (2016). The algorithmic choreography of the impressionable subject. In R. Seyfert& J. Roberge (Orgs.), Algorithmic cultures: Essays on meaning, performance and new technologies. Routledge. https://doi.org/10.4324/9781315658698

Jiménez, A. C., & Nahum-Claudel, C. (2019). The anthropology of traps: Concrete technologies and theoretical interfaces. Journal of Material Culture, 24(4), 383-400. https://doi.org/10.1177/1359183518820368

Kunzru, H. (2009). Genealogia do ciborgue. In D. Haraway, H. Kunzru, & T. Tadeu (Orgs.), Antropologia do ciborgue:as vertigens do pós-humano (pp. 119-126). Autêntica.

Lanier, J. (2017). Down of the new everything: Encounters with reality and virtual reality. Henry Hold and Co.

Latour, B. (1989). Visualisation and cognition: drawing things together. In H. Kuklick (Ed.), Knowledge and Society: Studies in the sociology of culture past and present (Vol. 6, pp. 1-40). Jai Press. https://bit.ly/3f0Quuv

Lawson, S. (2012, April 6). Ten ways your smartphone knows where you are. PCWorld. http://bit.ly/3927EUV

Lazzarato, M. (2006). As revoluções do capitalismo. Civilização Brasileira.

LeCun, Y. (2019). Quand la machine apprend: La révolution des neurones artificiels at de l’apprentissage profond. Odille Jacob.

LeCun, Y; Bengio, J., & Hinton, G. (2015). Deep learning. Nature, 521, 436-444. https://doi.org/10.1038/nature14539

Leon, L. F. A. (2019). Eyes on the road: Surveillance logics in the autonomous vehicle economy. Surveillance & Society, 17(1/2), 198-204. https://doi.org/10.24908/ss.v17i1/2.12932

Osterloh, R. (2020, June 30). Our focus on helpful devices: Google acquires North. Company Announcements. http://bit.ly/390qjAF

Pasquinelli, M. (2015, January 29). Anomaly detection: The mathematization of the abnormal in the metadata society. Matteo Pasquinelli. http://bit.ly/3vV1H6a

Passos, E. (1992). O sujeito cognoscente entre o tempo e o espaço [Doctoral dissertation, Universidade Federal do Rio de Janeiro]. Repositório institucional da UFRJ. https://bit.ly/2OLaeb8

Poupyrev, I., Tan, D., Billinghurst, M., Kato, H., Regenbrecht, H., &Tetsutani, N. (2001). Tiles: A mixed reality authoring interface. In Hirose, M. (Ed.), Human-Computer Interaction: Interact ’01 (pp. 334-341). IOS Press.

Poupyrev, I., Tan, D. S., Billinghurst, M., Kato, H., Regenbrecht H., Tetsutani, N. (2002). Developing a generic augmented-reality interface. Computer IEEE Xplorer,35(3), 44-50. https://doi.org/10.1109/2.989929

Rauer, V. (2016). Drones: The mobilization of algorithms. In R. Seyfert & J. Roberge (Orgs.), Algorithmic cultures: Essays on meaning, performance and new technologies. Routledge. https://doi.org/10.4324/9781315658698

Rouvroy, A., & Berns, T. (2018). Governamentalidade algorítmica e perspectivas de emancipação: O díspar como condição de individuação pela relação? In F. Bruno, B. Cardoso, M. Kanashiro, L. Guilhon, & L. Melgaço (Orgs.), Tecnopolíticas da vigilância: Perspectivas da margem (pp. 107-140). Boitempo.

Rumechard, D., & McClelland, J. (1986). Parallel distributed processing: Explorations in the microstructure of cognition (Vol. 1). MIT Press.

Rumechard, D., & McClelland, J. (1999). Parallel distributed processing: Explorations in the microstructure of cognition (Vol. 2). MIT Press.

Seaver, N. (2018). Captivating algorithms: Recommender systems as traps. Journal of Material Culture, 24(4), 421-436. https://doi.org/10.1177/1359183518820366

Simon, H. A. (1981). As ciências do artificial. Sucessor.

Srnicek, N. (2017). Platform capitalism. Polity Press.

Turing, A. (1950). Computing machinery and inteligence. Mind, 59(236), 433-460. https://bit.ly/3s7VFwu

Virilio, P. (1994). A máquina de visão. José Olympio.

Virilio, P. (2011). A imagem virtual mental e instrumental. In A. Parente (Org.), Imagem-máquina: A era das tecnologias do virtual (pp. 127-132). Editora 34.

Wiener, N. (2017). Cibernética: Ou controle e comunicação no animal e na máquina. Perspectiva.

Publicado

2021-06-08

Como Citar

Carmelini, L., Mizoguchi, D. H. ., & Araújo, P. F. M. de. (2021). Corpo-drone: governamentalidade algorítmica e a modulação espaço-imagética. MATRIZes, 15(1), 147-168. https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v15i1p147-168

Edição

Seção

Em Pauta/Agenda