Em Busca do Tempo Perdido. O Sequestro da História na Cibercultura e os Desafios da Teoria da Mídia

Autores

  • Erick Felinto Universidade do Estado do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v4i2p43-55

Palavras-chave:

História da Mídia, Cibercultura, Teorias Alemãs

Resumo

As narrativas tecnológicas contemporâneas fundam-se numa retórica da ruptura radical com o passado e da novidade absoluta. Na cibercultura, o culto ao novo equivale a uma espécie de “seqüestro” da história, que impede uma percepção adequada das contradições e dos fluxos heterogêneos que atravessam a dinâmica tecnológica. Em face de tal situação, o objetivo deste trabalho é discutir a importância da recuperação da história nas teorias da mídia recentes, especialmente em suas manifestações no contexto alemão. Mais especificamente, propõe-se a discutir com alguma extensão as ideias de Siegfried Zielinski e Friedrich Kittler – dois dos mais importantes (e polêmicos) pensadores alemães da teoria da mídia –, em busca de elementos capazes de restaurar o histórico como dimensão fundamental da reflexão sobre os meios.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Erick Felinto, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Pesquisador do CNPq, autor de "A Religião das Máquinas: Ensaios sobre o Imaginário da Cibercultura" (Sulina, 2005) e professor adjunto na Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Publicado

2011-12-15

Como Citar

Felinto, E. (2011). Em Busca do Tempo Perdido. O Sequestro da História na Cibercultura e os Desafios da Teoria da Mídia. MATRIZes, 4(2), 43-55. https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v4i2p43-55

Edição

Seção

Dossiê