Visibilidade mediática, melancolia do único e violência invisível na cibercultura

Autores

  • Eugênio Rondini Trivinho PEPGCOS/PUC-SP

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v4i2p111-125

Palavras-chave:

Civilização mediática avançada, cibercultura, condição glocal, visibilidade mediática, desejo do único, melancolia do único.

Resumo

O texto está dedicado à compreensão da significação social-histórica do desejo de visibilidade mediática na cibercultura. Na primeira parte, a argumentação caracteriza o princípio axiomático vigente da presença mediática compulsória como capital social; apreende o seu núcleo fundamental e obliterado, o desejo do único, e vislumbra, nesse desejo, uma complexa camada histórica e imaginária regressiva, a melancolia cultural do único, substrato de toda sociabilidade em tempo real articulada pelo imperativo da participação comunicativa e do pertencimento, bem como da busca por reconhecimento, reputação, prestígio ou fama. Na segunda parte, a reflexão extrai as principais consequências teóricas do desejo de visibilidade mediática e dessa melancolia regressiva: a violência invisível (sem dolo e sem culpa) em relação à alteridade. Na parte final, a argumentação demonstra porque a cibercultura contribuiu para espalhar e aprofundar a lógica da violência invisível mencionada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eugênio Rondini Trivinho, PEPGCOS/PUC-SP

Professor do Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica da PUC-SP (Departamento de Artes da Faculdade de Filosofia, Comunicação, Letras e Artes - FAFICLA)

Publicado

2011-12-15

Como Citar

Trivinho, E. R. (2011). Visibilidade mediática, melancolia do único e violência invisível na cibercultura. MATRIZes, 4(2), 111-125. https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v4i2p111-125

Edição

Seção

Dossiê