RABELAIS ANTROPOFÁGICO: BANQUETEANDO OS NOVOS TEMPOS

Autores

  • Meriele Miranda de Souza "Université Sorbonne - Paris IV"

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-3976.v3i6p84-97

Palavras-chave:

François Rabelais, antropofagia, cultura popular, Idade Média

Resumo

 

RESUMO: Uma das principais características da obra rabelaisiana é o exagero, a hipérbole. Um exemplo claro disso é o corpo exagerado de seus protagonistas que, como se sabe, são gigantes. O exagero manifesta-se, da mesma forma, nas imagens do comer e do beber de seus personagens, configurando o motivo do banquete desmesurado, hiperbólico, de onde advém a famosa expressão do “banquete pantagruélico”. Segundo Bakhtin, o motivo do banquete ou do comer e beber em excesso é geralmente associado a comemorações das vitórias de guerra ou do nascimento, usufruindo, assim, um papel antropofágico. Isto é, os banquetes servidos pelos heróis rabelaisianos simbolizam a deglutição e a vitória do mundo popular sobre o cotidiano oficial medievalesco, assim como o nascimento de novos tempos em detrimento da visão de mundo unilateral e retrógrada ditada pelo cristianismo medieval. Os banquetes rabelaisianos, portanto, são sempre caracterizados pela alegria, pela comicidade e pelo riso, elementos tão rejeitados no dia-a-dia da cultura oficial. Com base no que foi dito, o presente artigo pretende discorrer sobre as funções do banquete e das imagens da antropofagia na obra rabelaisiana, se centrando, para isso, nos estudos de Bakhtin e de Erich Auerbach.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Meriele Miranda de Souza, "Université Sorbonne - Paris IV"

Mestre em "literatura e vida social" pela UNESP/ Assis,  atualmente doutoranda pela Sorbonne - Paris IV em "Littérature française et comparée" sob a orientação do Maitre de conférences Jean-Charles Monferran.

Referências

AUERBACH, Erich. Mimesis: a representação da realidade na literatura ocidental. (Trad. de George B. Sperber). São Paulo: Edusp, Perspectiva, 1981, p.229-248.

BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na idade média e no renascimento: o contexto de François Rabelais. (Trad. de Yara Frateschi Vieira). 3. ed. São Paulo/Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1993

OLIVER, Élide Valarini. “Introdução, Notas e Comentários”. In: RABELAIS, François. O terceiro livro dos fatos e ditos heróicos do bom Pantagruel. (trad. Elide Valarini Oliver). Cotia : Ateliê Editorial ; Campinas : Editora da Unicamp, 2006.

RABELAIS. Gargantua. (Trad. de Aristides Lobo). São Paulo: Editora Hucitec, 1986.

RABELAIS. Terceiro livro. (Trad. de Elide Valarini Oliver). Campinas: Ateliê Editorial, 2006.

RABELAIS. Gargantua. In__________. Gargantua e Pantagruel. (Trad. de David Jardim Júnior). Belo Horizonte: Editora Itatiaia, 2003.

SCREECH, Michael. Rabelais.Paris : Gallimard, 1992.

Downloads

Publicado

2015-09-23

Como Citar

de Souza, M. M. (2015). RABELAIS ANTROPOFÁGICO: BANQUETEANDO OS NOVOS TEMPOS. Non Plus, 3(6), 84-97. https://doi.org/10.11606/issn.2316-3976.v3i6p84-97

Edição

Seção

ESTUDOS LITERÁRIOS