A INTERTEXTUALIDADE EM “ERNESTO DE TAL”: A PRESENÇA DE LE BARBIER DE SÉVILLE COMO MEMÓRIA DA LITERATURA

Autores

  • Dayane Mussulini UNESP

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-3976.v3i6p63-83

Palavras-chave:

Intertextualidade, Machado de Assis, presença francesa, “Ernesto de tal”, Le barbier de Séville.

Resumo

É de comum conhecimento que a produção de Machado de Assis possa ser caracterizada também a partir de sua marca intertextual, na medida em que dialoga com outras obras, seja no âmbito da literatura brasileira ou na estrangeira, revelando ser um artifício imprescindível na criação de seus textos, bem como na compreensão deles. Nesse sentido, o presente artigo pretende contribuir com a discussão acerca do elemento francês existente na ficção machadiana por meio da análise de “Ernesto de tal” em comparação com Le barbier de Séville (1775), de Beaumarchais. A intertextualidade, neste caso, precisa ser entendida assim como a define Tiphaine Samoyault (2008), como memória da literatura, isto é, o texto traz consigo a biblioteca do escritor, que deve ser compreendida pelo leitor e compartilhada com ele. Ademais, é possível pensar nesse procedimento intertextual da narrativa machadiana como maneira de colaborar para o seu projeto literário, ilustrado em Histórias da meia-noite (1873). A comédia clássica do Setecentos francês, assim sendo, permite iluminar alguns dos hábitos burgueses do século XIX brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dayane Mussulini, UNESP

Aluna de Mestrado do programa de Pós-Graduação em Letras "Literatura e Vida Social", da Faculdade de Ciências e Letras de Assis (UNESP). Financiada pela FAPESP e orientada pela Profª Drª Daniela Mantarro Callipo. Atualmente, estuda a presença francesa nas narrativas que se inserem em Histórias da meia-noite, de Machado de Assis.

Referências

ASSIS, Machado de. Histórias da meia-noite. 2ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1977.

BEAUMARCHAIS. Le barbier de Séville. Paris: Didier, 1960.

CALDWELL, Helen. O Otelo brasileiro de Machado de Assis: um estudo de Dom Casmurro. Tradução de Fabio Fonseca de Melo. Cotia: Ateliê, 2008.

CALLIPO, Daniela M. Rimas de ouro e sândalo: a presença de Victor Hugo nas crônicas de Machado de Assis. São Paulo: UNESP, 2010.

DAUVIN, Jacques; DAUVIN, Sylvie. Le Barbier de Séville, Beaumarchais: résumé, personnages, thèmes. Série Profil d’une oeuvre. Collection Profil littérature. Paris: Hatier, 1981.

GOMES, Eugênio. Espelho contra espelho. São Paulo: IPE, 1949.

GUICHEMERRE, Roger. La comédie classique en France: de Jodelle à Beaumarchais. Vendôme: PUF, 1978.

MASSA, Jean Michel. Machado de Assis tradutor. Trad. Guilherme Gontijo Flores. Belo Horizonte: Crisálida, 2008.

O Novo Mundo. Disponível em: << http://hemerotecadigital.bn.br/o-novo-mundo-periodico-illustrado-do-progresso-da-edade/122815>>.

PASSOS, Gilberto Pinheiro. Cintilações francesas: Revista da Sociedade Filomática, Machado de Assis e José de Alencar. São Paulo: Nankin, 2006.

SAMOYAULT, Tiphaine. A intertextualidade. Trad. Sandra Nitrini. São Paulo: Hucitec, 2008.

SCHERER, Jacques. La dramaturgie de Beaumarchais. 4. éd. Paris: Nizet, 1994.

VOLTZ, Pierre. La Comédie, Paris, Armand Colin, 1964.

Downloads

Publicado

2015-09-23

Como Citar

Mussulini, D. (2015). A INTERTEXTUALIDADE EM “ERNESTO DE TAL”: A PRESENÇA DE LE BARBIER DE SÉVILLE COMO MEMÓRIA DA LITERATURA. Non Plus, 3(6), 63-83. https://doi.org/10.11606/issn.2316-3976.v3i6p63-83

Edição

Seção

ESTUDOS LITERÁRIOS