Percepções de crianças do Rio de Janeiro sobre as representações raciais: notas de campo

Autores

  • Thaís de Carvalho Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2016.120320

Palavras-chave:

Crianças, Escola, Representação, Recepção, Racismo

Resumo

Este artigo visa a principiar uma análise da reação das crianças ao predomínio de representações positivas brancas na mídia. Através do conceito de discriminação racial como trauma cultural e do trabalho de diversos autores sobre o colorismo no Brasil, é feita uma contextualização dos comentários simbolicamente violentos dos pequenos nas escolas. O artigo também aponta algumas estratégias de construção do discurso e políticas públicas que começam a aparecer na tentativa de resolver esse problema. O trabalho é parte de minha pesquisa de mestrado sobre a violência nas interações cotidianas das crianças, para a qual realizei trabalho de campo em duas escolas de contexto socioeconômico diferente na cidade do Rio de Janeiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thaís de Carvalho, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio).

Referências

Referências

APPIAH, K. A. The ethics of identity. New Jersey: Princeton University Press, 2005.

ARAÚJO, J. Z. A negação do Brasil: o negro na telenovela brasileira. São Paulo: Senac, 2004.

BOURDIEU, P.; PASSERON, J. C. Reproduction in education, society and culture. London: Sage, 1990.

BUCKINGHAM, D. Children’s media rights. In: ______. After the death of childhood: growing up in the age of electronic media. Cambridge: Polity, 2010.

CARTER, R. T. Racism and psychological and emotional injury: recognizing and assessing race-based traumatic stress. The Counseling Psychologist, London, v. 35, n. 1, p. 13-105, jan. 2007.

DENNISON, S. Blonde Bombshell: Xuxa and notions of whiteness in Brazil. Journal of Latin American Cultural Studies, [s.l.], v. 22, n. 3, p. 287-304, 2013.

ERNY, P. L’ethnologie de l’éducation. Paris: PUF, 1981.

EYERMAN, R. Cultural Trauma: slavery and the formation of African American identity. Cambridge: Cambridge University Press, 2003.

GOMES, I. B. A. A ameaça simbólica das cotas raciais na mídia brasileira: o negro nas telenovelas. São Luís: UFMA, 2008.

HURLEY, D. Seeing white: children of color and the Disney Fairy Tale princess. The Journal of Negro Education, New York, v. 74, n. 3, p. 221-232, 2005.

MILNER, D. Children and race. London: Penguin Books, 1975.

NASCIMENTO, E. L. The sorcery of color: identity, race and gender in Brazil. Philadelphia: Temple University Press, 2009.

SCHWARCZ, L. M. Nem preto nem branco, muito pelo contrário: cor e raça na sociabilidade brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

SCHUCMAN, L. V. Entre o “encardido”, o “branco” e o “branquíssimo”: raça, hierarquia e poder na construção da branquitude paulistana. 2012. 122 f. Tese (Doutorado em Psicologia) – Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

SOARES, M. A. S. Look, blackness in Brazil!: disrupting the grotesquerie of racial representation in Brazilian visual culture. Cultural Dynamics, London, v. 24, n. 1, p. 75-101, 2012.

SODRÉ, M. Claros e escuros: identidade, povo e mídia no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2000.

SOVIK, L. Aqui ninguém é branco: hegemonia branca e média no Brasil. In: WARE, V. (Org.). Branquidade: identidade branca e multiculturalismo. Rio de Janeiro: Garamond, 2004. p. 363-386.

VIOLA DAVIS gives powerful speech about diversity and opportunity: Emmys 2015. Reprodução: YouTube − Television Academy. 20 set. 2015. (3 min), son., color. Disponível em: <http://bit.ly/1KFr67O>. Acesso em: 18 jan. 2016.

Downloads

Publicado

2016-12-08

Como Citar

de Carvalho, T. (2016). Percepções de crianças do Rio de Janeiro sobre as representações raciais: notas de campo. Novos Olhares, 5(2), 123-130. https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2016.120320

Edição

Seção

ARTIGOS