Repulsa visceral ao terror mutilado: Halloween, adequado à classificação indicativa

Autores

  • Ivan Paganotti Observatório de Comunicação, Liberdade de Expressão e Censura da Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2016.121920

Palavras-chave:

Cinema, Horror, Censura, Liberdade de expressão, Classificação indicativa

Resumo

Para adequar-se a uma faixa etária da audiência mais jovem, os distribuidores brasileiros do filme de terror Halloween – O início (2007) excluíram 26 minutos do longa-metragem – quase um quarto de sua extensão original. A partir do inusitado reposicionamento da classificação estatal na crítica aos cortes, este artigo analisa como as cenas cortadas comprometem a obra, considerando que a violência é o cerne de “slasher films” e não pode ser descartada como excesso pela autocensura. Este texto também critica o modelo de cortes promovidos por produtores privados e induzido pela classificação indicativa governamental, sugerindo um novo mecanismo para apresentar maior transparência ao processo que foi considerado como uma prática inconstitucional de censura pelo Supremo Tribunal Federal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ivan Paganotti, Observatório de Comunicação, Liberdade de Expressão e Censura da Universidade de São Paulo

Doutor em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo (USP), realizou doutorado-sanduíche sobre regulação midiática no Centro de Estudos Comunicação e Sociedade da Universidade do Minho (Portugal), com bolsa Capes/PDSE. Professor nos cursos de pós-graduação lato sensu do Digicorp da Escola de Comunicação e Artes (ECA-USP) e da Universidade Anhembi Morumbi, é membro do Observatório de Comunicação, Liberdade de Expressão e Censura (Obcom-USP) e do Grupo de Estudos de Linguagem: Práticas Midiáticas (MidiAto/ECA-USP).

Referências

Referências

BITO, A. Comparamos o “Halloween – O Início” dos cinemas com o de Rob Zombie. Cineclick, [s.l.], 3 ago. 2009. Disponível em: <http://bit.ly/2jnnKNh>. Acesso em: 31 jan. 2016.

BITTAR, C. A. Direito de autor. São Paulo: Forense Universitária, 2004.

BRASIL. Ministério da Justiça. Departamento de Justiça, Classificação, Títulos e Qualificação: Despacho do Diretor em 22 julho de 2009. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 jul. de 2009. Seção 1, p. 58.

______. Ministério da Justiça. Manual da nova classificação indicativa. Brasília, DF: Ministério da Justiça, 2006. Disponível em: <http://bit.ly/19FJrT0>. Acesso em: 31 jan. 2016.

______. Supremo Tribunal Federal. Inconstitucional sanção a emissora por programa fora do horário indicativo, decide STF. Notícias STF, Brasília, DF, 31 out. 2016. Disponível em: <http://bit.ly/2ct3lrt>. Acesso em: 12 out. 2016.

CALDEIRA, A. A censura a que temos direito. Media & Jornalismo, Lisboa, v. 12, p. 9-18, 2008. Disponível em: <http://bit.ly/2iodJ46>. Acesso em: 31 jan. 2016.

CÁNEPA, L. L. Pornochanchada do avesso: o caso das mulheres monstruosas em filmes de horror da Boca do Lixo. E-compós, Brasília, DF, v. 12, n. 1, p. 1-14, jan./abr. 2009. Disponível em: <http://bit.ly/2jI8a2j>. Acesso em: 31 jan. 2016.

______. SHOCK! Slasher movie “made in Brazil”. Contracampo, Niterói, n. 21, p. 131-144, ago. 2010. Disponível em: <http://bit.ly/2ikmQiV>. Acesso em: 31 jan. 2016.

CITELLI, A. Comunicação e educação: convergências educomunicativas. Comunicação, Mídia e Consumo, São Paulo, v. 7, n. 19, p. 67-85, jul. 2010. Disponível em: <http://bit.ly/2jnugUr>. Acesso em: 31 jan. 2016.

FREUD, S. Obras completas vol. 11: Totem e Tabu, Contribuições à história do movimento psicanalítico e outros textos (1912-1914). São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

GOMES, M. R.; PAGANOTTI, I. Censura além da classificação: a recepção brasileira de “A Serbian Film”. Significação: Revista de Cultura Audiovisual, São Paulo, ano 39, n. 38, p. 278-301, 2012. Disponível em: <http://bit.ly/2jbn2W3>. Acesso em: 31 jan. 2016.

HALLOWEEN – O início. Direção e roteiro: Rob Zombie. Produção: Malek Akkad, Andy Gould e Rob Zombie. Intérpretes: Malcolm McDowell, Brad Dourif, Tyler Mane e Daeg Faerch. São Paulo: PlayArte, 2007. (83 min), son., color., 35 mm.

JANSEN, S. C. Ambiguities and imperatives of market censorship: the brief history of a critical concept. Westminster Papers in Communication and Culture, London, v. 7, n. 2, p. 12-30, 2010. Disponível em: <http://bit.ly/2jAjyct>. Acesso em: 31 jan. 2016.

MATTOS, S. Mídia Controlada: a história da censura no Brasil e no mundo. São Paulo: Paulus, 2005.

MENDES, V. Rob Zombie’s HALLOWEEN. Cinema em foco, [s.l.], 26 jul. 2009. Disponível em: <http://bit.ly/2igTerx>. Acesso em: 31 jan. 2016.

MIRANDA, M. Ainda o corte em “Halloween”. Blog do Polvo, [s.l.], 29 jul. 2009. Disponível em: <http://bit.ly/2jrT6Fc>. Acesso em: 16 jan. 2017.

O HALLOWEEN da Playarte versus o de Rob Zombie. Cineclick, [s.l.], 31 jul. 2009.

PAGANOTTI, I. O tabu da censura: análise de uma campanha para que você “Não se engane” sobre a classificação indicativa. Rumores, São Paulo, v. 6, n. 2, p. 124-145, 2012. Disponível em: <http://bit.ly/2jbhQRT>. Acesso em: 31 jan. 2016.

PETLEY, J. Censoring the word. London: Seagull, 2007.

PIEDADE, L. de F. dos R. A cultura do lixo: horror, sexo e exploração no cinema. 2002. 222 f. Dissertação (Mestrado em Multimeios) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2002. Disponível em: <http://bit.ly/2jbfPFc>. Acesso em: 31 jan. 2016.

RANDALL, R. S. Censorship of the movies: the social and political control of a mass medium. Madison: University of Wisconsin Press, 1968.

RELAÇÃO DE CORTES em imagem e som efetuados pelo produtor, no filme ‘Pixote, a Lei do Mais Fraco’ para sua apresentação em TV. Memória da Censura no Cinema Brasileiro 1964-1988, [s.l.], [s.d.]. Disponível em: <http://bit.ly/2iz2oLm>. Acesso em: 16 jan. 2017.

SIMÕES, I. Roteiro da intolerância: a censura cinematográfica no Brasil. São Paulo: Senac, 1999.

WILLIAMS, L. Film bodies: gender, genre, and excess. Film Quarterly, Oakland, v. 44, n. 4, p. 2-13, 1991.

Downloads

Publicado

2016-12-08

Como Citar

Paganotti, I. (2016). Repulsa visceral ao terror mutilado: Halloween, adequado à classificação indicativa. Novos Olhares, 5(2), 74-85. https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2016.121920

Edição

Seção

ARTIGOS