Uma análise de reportagem fora da “agenda do dia”: Gibby Zobel é o repórter

Autores

  • Nivaldo Ferraz Universidade Anhembi Morumbi

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2016.122590

Palavras-chave:

Rádio, Reportagem, Estrutura de sentimento, Som, Silêncio

Resumo

Após uma definição de reportagem e de reportagem no rádio, uma análise de reportagem do jornalista britânico radicado no Brasil Gibby Zobel demonstra uma amplitude radiofônica, social e política da expressividade desse gênero, a expandir o conceito de reportagem exposto em manuais de radiojornalismo. Novos elementos estéticos e de conteúdo justificam essa expressividade, entre eles uma narração impressionista do repórter, mesclada com sons ambientes, música e silêncio; além do conceito de estrutura de sentimento de Raymond Williams, que leva a encontrarmos espaços sociais ainda não ocupados no “agora”, para além do histórico e do social que já se reconheçam.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nivaldo Ferraz, Universidade Anhembi Morumbi

Coordenador e professor do curso de Jornalismo da Universidade Anhembi Morumbi (SP). Doutor formado pelo Programa Meios e Processos Audiovisuais da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP).

Referências

Referências

ALLISON, J. Public Radio: community storytelling. In: KRAMER, M.; CALL, W. (Ed.). Telling true stories: a nonfiction writer’s guide from the Nieman Foundation at Harvard University. New Baskerville: Penguim, 2007.

ARNHEIM, R. O diferencial da cegueira. In: MEDITSCH, E. Teorias do rádio: textos e contextos. Florianópolis: Insular, 2005. 1 v.

BALSEBRE, A. El lenguage radiofónico. 5. ed. Madrid: Cátedra, 2007.

BELTRÃO, L. Jornalismo interpretativo. Porto Alegre: Sulina, 1980.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Atlas Digital Nacional 2016. Rio de Janeiro, 2016. Disponível em: <http://bit.ly/2j2cOHh>. Acesso em: 13 jul. 2016.

CHOMSKY, N. Mídia: propaganda política e manipulação. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

GOMES, I. M. Gêneros televisivos e modos de endereçamento no telejornalismo. Salvador: UFBA, 2011. Disponível em: <http://bit.ly/2j2n826>. Acesso em: 13 jul. 2016.

GOMIS, Lorenzo. Teoria del periodismo: cómo se forma el presente. Barcelona, Paidós. 1991.

GUREVITCH, Michael & BLUMLER, Jay G. (1982). The construction of Election News: An Observation Study at the BBC. ut. trad portuguesa: A construção do noticário eleitoral: um estudo de observação da BBC in TRAQUINA (1993) p. 191-213.

HERRERA DAMAS, S. Cómo elaborar reportajes en radio. Buenos Aires: La Crujía, 2008.

KAPLÚN, M. Producción de programas de radio: el guión – la realización. Quito: Ciespal, 1978.

LAGE, N. A reportagem: teoria e técnica de entrevista e pesquisa jornalística. 2. ed. Rio de Janeiro: Record, 2002.

LEANDRO, P. R.; MEDINA, C. Interpretar os fatos é reconstituir o real. Cadernos de Jornalismo e Comunicação, n. 44, p. 39-45, 1968.

LIMA, E. P. Páginas ampliadas. São Paulo: Manole, 2004.

LÓPEZ VIGIL, J. I. Manual urgente para radialistas apaixonados. São Paulo: Paulinas, 2003.

MARQUES DE MELO, J. A opinião no jornalismo brasileiro. Petrópolis: Vozes, 1994.

MEDITSCH, E. O rádio na era da informação: teoria e técnica do novo radiojornalismo. Florianópolis: Insular, 2001.

PRADO, E. Estrutura da informação radiofônica. São Paulo: Summus, 1989.

SCHAFER, M. O ouvido pensante. 2. ed. São Paulo: Unesp, 2011.

SODRÉ, M.; FERRARI, M. H. Técnicas de reportagem: notas sobre a narrativa jornalística. São Paulo: Summus, 1986.

TRAQUINA, Nelson. Jornalismo: questões, teorias, “estórias”. Lisboa, Vegas, 1993.

VILLAFAÑÉ, J., BUSTAMANTE, E. & PRADO, E. Fabricar notícias: las rutinas productivas em radio y televisión. Barcelona, Mitre, 1987.

WILLIAMS, R. Marxismo y literatura. Barcelona: Ediciones 62, 1980.

WISNIK, J. M. O som e o sentido: uma outra história das músicas. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

ZOBEL, G. Entrevista concedida em português a Nivaldo Ferraz. 15 out. 2014. Disponível em <http://bit.ly/2kd3zCx>. Acesso em: 31 jan. 2017.

Downloads

Publicado

2016-12-08

Como Citar

Ferraz, N. (2016). Uma análise de reportagem fora da “agenda do dia”: Gibby Zobel é o repórter. Novos Olhares, 5(2), 40-51. https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2016.122590

Edição

Seção

ARTIGOS