A construção social de uma ideia de Índia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2016.122834

Palavras-chave:

Representação, Espiritualidade, Índia, Peregrinação

Resumo

Investigo a noção de Índia espiritualizada baseada na ideia do discurso enquanto construção social.Analiso, por um lado, o discurso de peregrinos à Índia e, por outro, narrativas apresentadas em diversas fontes (páginas da Internet, jornais e revistas de turismo, livros, guias e agências de viagens) que promovem viagens à Índia.Entendo que a noção de uma Índia “espiritualizada” é frequentemente influenciada pelos discursos veiculados na mídia (e pelos próprios viajantes que relatam suas vivências aos familiares e amigos), devido ao fato de o “místico” e/ou “espiritual” ser o elemento que aparece ali e desse tipo de narrativa influenciar outros a estarem mais dispostos a enxergar certas situações como espirituais ou místicas. Verifiquei que esse tipo de narrativa é um indicativo da imagem construída pelos agentes sociais que têm por objetivo “divulgar a cultura indiana”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cecilia Guimarães Bastos, Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Doutora em Ciências Sociais pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ). Atua na graduação do Centro Federal de Educação Tecnológica do Centro de Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro (Cefet/Cederj) e é pesquisadora do Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). 

Referências

Referências

ALVEZ, H. Viagem à Índia: onde turismo e autoconhecimento se encontram. BemZen − Estilo de vida, [s.l.], 2011. Disponível em: <http://bit.ly/2jnMG7q>. Acesso em: 24 maio 2015.

APPIAH, K. Na casa de meu pai: a África na filosofia da cultura. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

BAKER, D. A blue hand: the tragicomic, mind-altering odyssey of Allen Ginsberg, a holy fool, a lost muse, a dharma bum, and his prickly bride in India. New York: Penguin Press, 2009.

BARTABURU, X. Você está preparado para visitar a Índia? Jornal do Brasil, [s.l.], 4 mai. 2009. Caderno de Turismo, p. 12. Disponível em: <http://bit.ly/2ih5AAh>. Acesso em: 22 set. 2015.

BARTH, F. Os grupos étnicos e suas fronteiras. In: LASK, T. (Org). O guru, o iniciador e outras variações antropológicas. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2000. p. 25-67.

BASTOS, C. Em busca de espiritualidade na Índia: os significados de uma moderna peregrinação. Curitiba: Prismas, 2016.

______. Turismo e relações interculturais: uma viagem reflexiva com e sobre turistas independentes. 2006. 126 f. Dissertação (Mestrado em Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social) − Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2006.

BEATLES Anthology, The. Direção: Geoff Wonfor; Bob Smeaton. Produção: Neil Aspinall; Chips Chipperfield. EMI & Apple Corps, 1995. 11h 23 min. Episode 7 (Jun 1967 – Jul 1968). Color.

BRUNER, E. The role of narrative in tourism. In: BERKELEY CONFERENCE, 2005, Urbana, IL. On voyage: new directions in tourism theory. Disponível em: <http://bit.ly/2ihcllm>. Acesso em: 12 jan. 2017. p. 1-22.

CASTRO, C. Narrativas e imagens do turismo no Rio de Janeiro. In: VELHO, G. (Org.). Antropologia urbana: cultura e sociedade no Brasil e em Portugal. Rio de Janeiro: Zahar, 1999. p. 80-87.

CHILDRESS, D. H. Cidades perdidas da China, Índia e Ásia Central. São Paulo: Siciliano, 1988.

CHOPRA, S. The French Vyasa. Life Positive, [s.l.], 2001. Disponível em: <http://bit.ly/2jbAPM7>. Acesso em: 10 abr. 2015.

DOUGLAS, M. Pureza e perigo. São Paulo: Perspectiva, 1976.FERREIRA, J. Memória-viagem: da Índia à infância e ao sertão. Cadernos do CEDES, Campinas, v. 26, n. 68, p. 9-20, 2006.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

GIDDENS, A. As conseqüências da modernidade. São Paulo: Unesp, 1991.

ÍNDIA: cultura e religião. Clínica de Ayurveda: Medicina Oriental, Rio de Janeiro, 9 out. 2014. Disponível em: <https://ayurveda.com.br/india-cultura-e-religiao/>. Acesso em: 17 jan. 2017.

MYSTIC India: an incredible journey of inspiration. About the film. [s.d].

NOY, C. This trip really changed me: backpackers’ narratives of self-change. Annals of Tourism Research, v. 31, n. 1, p. 78-102, 2004. Disponível em: <http://bit.ly/2ioIJkB>. Acesso em: 3 fev. 2016.

SAID, E. Orientalismo: o Oriente como invenção do Ocidente. São Paulo: Companhia de Bolso, 1990.

SPIRITUAL India: river of compassion. 2015. Disponível em: <http://bit.ly/2ioRpar>. Acesso em: 6 nov. 2013.

URRY, J. O olhar do turista: lazer e viagens nas sociedades contemporâneas. 2. ed. São Paulo: Studio Nobel/Sesc, 1999.

VELHO, G. Nobres e anjos: um estudo de tóxico e hierarquia. Rio de Janeiro: FGV, 1998.

YOKOTA, P. Turismo na Índia em foco. Ásia comentada, [s.l.], 26 jan. 2012. Disponível em: <http://bit.ly/2jthk2o>. Acesso em: 17 jan. 2017.

Downloads

Publicado

2016-12-08

Como Citar

Bastos, C. G. (2016). A construção social de uma ideia de Índia. Novos Olhares, 5(2), 98-111. https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2016.122834

Edição

Seção

ARTIGOS