Crise institucional brasileira e a imagem dos partidos nas Propagandas Partidárias Gratuitas

Autores

  • Thamiris Franco Martins Universidade Paulista
  • Luiz Ademir de Oliveira Universidade Federal de São João del-Rei e Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Vinícius Borges Gomes Universidade Federal de Juiz de Fora

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2017.131482

Palavras-chave:

Comunicação política, Campanha permanente, Propaganda Partidária Gratuita (PPG).

Resumo

A eleição presidencial de 2014, apesar de ter sido a sexta polarizada entre PT e PSDB, foi uma das mais acirradas nas últimas décadas, com a vitória apertada de Dilma Rousseff (PT). A presidente reeleita passou a enfrentar resistências, principalmente da base aliada, que, no primeiro ano do seu segundo mandato, ficou reduzida a poucos partidos e congressistas. O PMDB, maior partido do Congresso e da coalizão, uniu-se à oposição para articular o processo de impeachment da presidente. O artigo estuda as ênfases e narrativas construídas pelos três maiores partidos do Brasil (PT, PMDB e PSDB) em suas Propagandas Partidárias Gratuitas (PPG) durante o contexto da crise política. O trabalho toma como base as discussões sobre interface mídia e política, campanha permanente e especificidades da propaganda política.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thamiris Franco Martins, Universidade Paulista

Doutoranda em Comunicação Social pela Universidade Paulista (Unip), mestre em Comunicação Social pela Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ) e graduada em Jornalismo pela UFSJ.

Luiz Ademir de Oliveira, Universidade Federal de São João del-Rei e Universidade Federal de Juiz de Fora

Mestre em Comunicação Social pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), mestre e doutor em Ciência Política pelo Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (Iuperj), é docente e pesquisador do Curso de Comunicação Social: Jornalismo da Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ) e professor colaborador do Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social (PPGCOM) da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF).

Vinícius Borges Gomes, Universidade Federal de Juiz de Fora

Mestrando em Comunicação Social pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social (PPGCOM) da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) e graduado em jornalismo pela UFSJ.

Referências

ALBUQUERQUE, A. Aqui você vê a verdade na tevê: a propaganda política na TV. 1999. 204 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação, Imagem e Informação) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 1999.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Tradução Luís Antero Reta e Augusto Pinheiro. Lisboa: Edições 70, 1977.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Tradução Fernando Tomaz. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998.

BRASIL. Lei nº 9.096, de 19 de setembro de 1995. Dispõe sobre partidos políticos, regulamenta os arts. 17 e 14, § 3º, inciso V, da Constituição Federal. Diário Oficial da União, Poder Legislativo, Brasília, DF, 20 set. 1995. Seção 1, p. 14545.

DEBORD, G. A sociedade do espetáculo. Tradução Estela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

GOMES, W. As transformações da política na era da comunicação de massa. São Paulo: Paulus, 2004.

HABERMAS, J. Mudança estrutural da esfera pública: investigações quanto a uma categoria da sociedade burguesa. Tradução Flávio Rene Kothe. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1984.

HECLO, H. Campaigning and governing: a conspectus. In: ORNSTEIN. N. J.; MANN, T. E. (Ed.). The permanent campaign and its future. Washington, DC: American Enterprise Institute; The Brookings Institution, 2000. p. 1-37.

LEAL, P. R. F. A nova ambiência eleitoral e seus impactos na comunicação política. Lumina, Juiz de Fora, v. 5, n. 4, p. 66-77, 2002.

LIMA, V. A. Mídia: teoria e política. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2001.

______. Mídia: crise política e poder no Brasil. São Paulo: Perseu Abramo, 2006.

MANIN, B. As metamorfoses do governo representativo. Revista Brasileira de Ciências Sociais (RBCS), São Paulo, v. 10, n. 29, p. 5-34, 1995.

MARTINS, T. F. A construção da imagem de Dilma Rousseff (PT) na esfera midiática: dissonâncias e convergências narrativas entre a presidente e a candidata à reeleição. 2016. 243 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2016.

MIGUEL, L. F.; BIROLI, F. (Org.). Mídia, representação e democracia. São Paulo: Hucitec, 2010.

NOGUERA, F. La campaña permanente. In: IZURIETA, R.; PERINA, R. M.; ARTERTON, C. (Ed.). Estrategias de comunicación para gobiernos. Buenos Aires: La Crujía; Washington, DC: The George Washington University, 2001. p. 83-108.

PARTIDOS políticos registrados no TSE. Tribunal Superior Eleitoral, Brasília, DF, [2015]. Disponível em: <http://bit.ly/1TKb90M>. Acesso em: 13 out. 2017.

RUBIM, A. A. C. Espetáculo, política e mídia. In: ENCONTRO NACIONAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL, 11., 2002, Rio de Janeiro. Anais… Rio de Janeiro: Compós, 2002. p. 1-37.

TENÓRIO, G. G. Propaganda Partidária Gratuita: dilemas e implicações sobre os partidos políticos e a comunicação política brasileira. In: Compolítica, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, p. 85-108, 2011.

THOMPSON, J. B. A mídia e a modernidade: uma teoria social da mídia. Petrópolis: Vozes, 1998.

Downloads

Publicado

2017-12-22

Como Citar

Martins, T. F., Oliveira, L. A. de, & Gomes, V. B. (2017). Crise institucional brasileira e a imagem dos partidos nas Propagandas Partidárias Gratuitas. Novos Olhares, 6(2), 64-77. https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2017.131482

Edição

Seção

ARTIGOS