Quando o funk ostentação performa (re)existência: reflexões polissêmicas sobre contextos fronteiriços e experiências bastardizadas

Autores

  • Aline da Silva Borges Rezende Escola Superior de Propaganda e Marketing

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2017.131887

Palavras-chave:

Resistência, Consumo, Narrativas Midiáticas, Funk Ostentação, Criança.

Resumo

Este artigo busca problematizar e refletir sobre a noção de resistência na contemporaneidade, tendo em vista os circuitos culturais e contextos específicos de recepção do gênero musical do funk ostentação. Interessa-nos, neste percurso, explorar os agenciamentos e as potenciais formas de resistência articuladas pelos jovens periféricos que protagonizam esse circuito musical, bem como os modos de (re)existência mobilizados a partir do consumo das narrativas midiáticas da ostentação entre um grupo de crianças, moradoras da maior favela sobre palafitas do país. Valendo-se dos aportes teóricos dos estudos culturais, em confluência com as categorias conceituais de culturas bastardas, narrativas midiáticas e performatividade, corroboramos a construção de uma abordagem polissêmica sobre o fator resistência, sobretudo no tocante às manifestações do popular-periférico contemporâneo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline da Silva Borges Rezende, Escola Superior de Propaganda e Marketing

Mestre em Comunicação e Práticas de Consumo pela Escola Superior de Propaganda e Marketing – ESPM/SP. Participa do Grupo de Trabalho Infâncias e Juventudes: cultura, comunicação e política, do Conselho Latino-Americano de Ciências Sociais (Clacso). Integra o Grupo de Pesquisa Juvenália – Culturas juvenis: comunicação, imagem, política e consumo, vinculado ao CNPq no Brasil.

Referências

BACCEGA, M. A. Comunicação e consumo. In: CITELLI, A. et al. (Orgs.). Dicionário de comunicação: escolas, teorias e autores. São Paulo: Contexto, 2014. p. 53-65.

BRUM, E. Os novos “vândalos” do Brasil. El País Brasil, São Paulo, 23 dez. 2013. Disponível em: <https://goo.gl/wYUXbs>. Acesso em: 27 out. 2017.

CARDOSO, S. O olhar do viajante. In: NOVAES, A. O olhar. São Paulo: Companhia das Letras, 1993. p. 347-360.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano. Tradução Ephraim Ferreira Alves. 3. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 1998.

CEVASCO, M. E. Dez lições sobre estudos culturais. São Paulo: Boitempo, 2003.

CUCHE, D. A noção de cultura nas ciências sociais. Tradução Viviane Ribeiro. 2. ed. Bauru: Edusc, 2002.

ESCOSTEGUY, A. C. D. Cartografias dos estudos culturais: uma versão latino-americana. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

FREIRE FILHO, J. Reinvenções de resistência juvenil: os estudos culturais e as micropolíticas do cotidiano. Rio de Janeiro: Mauad X, 2007.

FUNK Ostentação – O Filme (COMPLETO) HD. Documentário. 36’31”. Jonatan Monteiro. YouTube. 2012. Disponível em: <https://goo.gl/JjEGea>. Acesso em: 27 out. 2017.

GERBAUER, G.; WULF, C. Mimese na cultura: agir social, rituais e jogos, produções estéticas. Tradução Eduardo Triandopolis. São Paulo: Annablume, 2004.

MACHADO, L. Com dança de robô, “passinho do Romano” vira febre na periferia de SP. Folha de S. Paulo, São Paulo, 15 jun. 2014. Disponível em: <https://goo.gl/WVtJZj>. Acesso em: 27 out. 2017.

MARTEL, F. Mainstream: a guerra global das mídias e das culturas. Tradução Clóvis Marques. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

MARTÍN-BARBERO, J. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. Tradução Ronald Polito e Sérgio Alcides. 7. ed. Rio de Janeiro: UFRJ, 2013.

MORDUCHOWICZ, R. El capital cultural de los jóvenes. Buenos Aires: FCE, 2004.

MORIN, E. Cultura de massas no século XX: neurose. Tradução Maura Ribeiro Sardinha. 9. ed. São Paulo: Forense Universitária, 2002. (Coleção O espírito do tempo, v. 1).

OLIVEIRA, R. C. O trabalho do antropólogo. 2. ed. São Paulo: Unesp, 2006.

PEREIRA, A. B. Funk ostentação em São Paulo: imaginação, consumo e novas tecnologias da informação e da comunicação. Revista de Estudos Culturais, São Paulo, n. 1., 2015. Não paginado. Disponível em: <https://goo.gl/nBgZLy>. Acesso em: 27 out. 2017.

PEREIRA, S. L.; PONTES, E. V. Culturas juvenis, identidades e estilo de vida: o que é ser “alternativo” no Baixo Augusta/São Paulo? In: CONGRESSO INTERNACIONAL COMUNICAÇÃO E CONSUMO, 6., 2016, São Paulo. Anais… São Paulo: ESPM, 2016. p. 1-15. Disponível em: <https://goo.gl/sN2BAs>. Acesso em: 27 out. 2017.

POCHMANN, M. Políticas sociais e padrão de mudanças no Brasil durante o governo Lula. SER Social, Brasília, DF, v. 13, n. 28, p. 12-40, jan./jun. 2011. Disponível em: <https://goo.gl/JHgm1Q>. Acesso em: 27 out. 2017.

RINCÓN, O. Narrativas mediáticas: o cómo se cuenta la sociedad del entretenimiento. Barcelona: Gedisa, 2006.

______. Lo popular en la comunicación: culturas bastardas + ciudadanías celebrities. In: AMADO, A.; RINCÓN, O. (Eds.). La comunicación en mutación: remix de discursos. Bogotá: Fundación Friedrich Ebert, 2015a. p. 23-42.

______. Lo pop-pular está de moda: sobre culturas bastardas y quilombos pop-líticos. In: SAINTOUT, F.; VARELA, A.; BRUZZONE, D. (Orgs.). Voces abiertas de América Latina: comunicación, política y ciudadanía. Buenos Aires: Clacso, 2015b. p. 179-213.

ROCHA, R. M.; SILVA, J. C.; PEREIRA, S. L. Imaginários de uma outra diáspora: consumo, urbanidade e acontecimentos pós-periféricos. Revista Galáxia, São Paulo, n. 30, p. 99-111, dez. 2015. Disponível em: <https://goo.gl/YMg6ee>. Acesso em: 27 out. 2017.

TORRES, A. Funk ostentação é a isca para menores ingressarem no tráfico de drogas em Florianópolis. Notícias do Dia, Florianópolis, 29 out. 2013. Disponível em: <https://goo.gl/nTDwft>. Acesso em: 27 out. 2017.

TROTTA, F. C. A música que incomoda: o funk e o rolezinho. In: ENCONTRO ANUAL DA COMPÓS, 23., 2014, Belém. Anais… Belo Horizonte: Compós, 2014. p. 1-17. Disponível em: <https://goo.gl/pGHjDk>. Acesso em: 27 out. 2017.

WULF, C. Linguagem, imaginação e performatividade: novas perspectivas para a antropologia histórica. In: BAITELLO JÚNIOR, N. et al. (Orgs.). Os símbolos vivem mais que os homens: ensaios de comunicação, cultura e mídia. São Paulo: Annablume, 2006. p. 37-54.

Downloads

Publicado

2017-12-22

Como Citar

Rezende, A. da S. B. (2017). Quando o funk ostentação performa (re)existência: reflexões polissêmicas sobre contextos fronteiriços e experiências bastardizadas. Novos Olhares, 6(2), 135-147. https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2017.131887

Edição

Seção

ARTIGOS