Tarja branca: memória e narrativas sensíveis em práticas de cinema no hospital

Autores

  • Cintia Sanmartin Fernandes Universidade Estadual do Rio de Janeiro
  • Tatiane Mendes Universidade Estadual do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2017.131888

Palavras-chave:

Cinema no Hospital, Tarja branca, Memória, Narrativas.

Resumo

Quais são os possíveis cruzamentos na ação da memória como um espaço entre o eu e o outro? Este trabalho investiga o poder de compartilhamento de memória na construção de narrativas sensíveis, baseadas em atividades de cinema em enfermarias do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, no Rio de Janeiro. As práticas são resultantes da apresentação do documentário Tarja branca, dirigido por Cacau Rhoden, durante o ano de 2016. Como metodologia de pesquisa, optou-se pela cartografia segundo os pressupostos de Virgínia Kastrup.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cintia Sanmartin Fernandes, Universidade Estadual do Rio de Janeiro

Socióloga. Concluiu pós-doutorado pela Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e pelo Programa de Comunicação e Semiótica na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Doutora e mestre em Sociologia Política pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Realizou estágio no Centre D’Étude sur L’Actuel et Le Quotidien (CEAQ) da Université René Descartes – Paris V (Sorbonne). É professora adjunta da Faculdade de Comunicação Social (FCS-Uerj) e do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (PPGCOM-Uerj). É coordenadora do PPGCOM-Uerj, vice-coordenadora do grupo de pesquisa Comunicação, Arte e Cidade (CAC) e pesquisadora associada do Núcleo de Estudos e Projetos em Comunicação (NEPCOM-UFRJ), onde desenvolve o projeto “Culturas Urbanas e Comunicação no Rio de Janeiro”.

Tatiane Mendes, Universidade Estadual do Rio de Janeiro

Doutoranda em Comunicação Social pelo PPGCOM-Uerj. Mestre em Mídia e Cotidiano pela Universidade Federal Fluminense, onde desenvolveu pesquisa sobre Cinema e Educação. Professora de comunicação social, coordenadora do Cineclube do Programa de Pós-Graduação em Mídia e Cotidiano da Universidade Federal Fluminense (PPGMC/UFF) e pesquisadora do Laboratório de Comunicação, Arte e Cidade (CAC-Uerj) e do Laboratório de Investigação de Comunicação Comunitária e Publicidade Social (LACCOPS-UFF).

Referências

ARGAN, G. C. Arte moderna. Tradução Denise Bottmann e Federico Carotti. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

ARFUCH, L. O espaço biográfico: dilemas da subjetividade contemporânea. Tradução Paloma Vidal. Rio de Janeiro: UERJ, 2010.

BARTHES, R. A câmara clara: nota sobre a fotografia. Tradução Júlio Castañon Guimarães. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Tradução Hemerson Alves Baptista e José Carlos Martins Barbosa. 8. ed. São Paulo: Brasiliense, 2012.

BERGSON, H. Matéria e memória. Tradução Paulo Neves. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

DELEUZE, G. Bergsonismo. Tradução Luiz Orlandi. São Paulo: Editora 34, 1999.

DIDI-HUBERMAN, G. A imagem sobrevivente: história da arte e tempo dos fantasmas segundo Aby Warburg. Tradução Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Contraponto, 2013.

MACIEL, K. (Org.). Transcinemas. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2009.

MAFFESOLI, M. Elogio da razão sensível. Tradução Albert Christophe Migueis Stuckenbruck. Rio de Janeiro: Vozes, 1998.

MARTINS, A. F. Cinema de terras e fronteiras. In: MASCARELLO, F. (Org.). História do cinema mundial. Campinas: Papirus, 2006. p. 395-412.

PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. (Orgs.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009.

RANCIÈRE, J. A noite dos proletários: arquivos do sonho operário. Tradução Marilda Pedreira. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

______. O espectador emancipado. Tradução Ivone Castilho Benedetti. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2012.

______. Em que tempo vivemos? Revista Serrote, Rio de Janeiro, n. 16, p. 203-222, abr. 2014.

REZENDE, R.; MACIEL, K. Poesia e videoarte. Rio de Janeiro: Circuito; Funarte, 2013.

TARJA branca AKA Drops of Joy 2014 Filme Nacional Completo. 89’06”. Filmes Alternativos. YouTube. 2017. Disponível em: <https://goo.gl/bQzxCA>. Acesso em: 27 out. 2017.

XAVIER, I. (Org.). A experiência do cinema. 2. ed. rev. e aum. Rio de Janeiro: Graal: Embrafilme, 1991.

YOUNGBLOOD, G. Expanded cinema. New York: P. Dutton, 1970.

Downloads

Publicado

2017-12-22

Como Citar

Fernandes, C. S., & Mendes, T. (2017). Tarja branca: memória e narrativas sensíveis em práticas de cinema no hospital. Novos Olhares, 6(2), 52-63. https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2017.131888

Edição

Seção

ARTIGOS