O documentário Megalópolis como veículo de memória

americanização, nacionalismo e consumo na modernização do Brasil no início da década de 1970

Autores

  • Gustavo Souza Universidade Paulista
  • Fábio Dummer Camargo Universidade Paulista

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2020.163996

Palavras-chave:

Documentário, Nacionalismo, Modernização, Memória, Consumo

Resumo

O documentário Megalópolis (Leon Hirszman, 1973) aborda o período em que se iniciou uma acelerada modernização em metrópoles brasileiras, especialmente em São Paulo e no Rio de Janeiro no início dos anos 1970. Com características didáticas e expositivas, o filme revela como deveria se dar o crescimento metropolitano no país atrelado ao modelo estadunidense. Tendo por norte a discussão sobre o documentário como um veículo de memória (Waterson, 2007), buscamos revelar o potencial de Megalópolis como documento e fonte historiográfica por meio de três aspectos que nele se sobressaem: americanização, nacionalismo e consumo. Para tanto, discutimos como a acelerada modernização e a urbanização irracional impostas pelo regime militar são retratadas num documentário dirigido por um cineasta de convicções marxistas, o que revela o potencial de ampliação das discussões em torno deste documentário.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gustavo Souza, Universidade Paulista

Doutor em Ciências da Comunicação pela ECA/USP, mestre em Comunicação e Cultura pela ECO/UFRJ e graduado em Comunicação Social/Jornalismo pela UFPE. Professor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Paulista. Coordenador do GT de Estudos de Cinema, Fotografia e Audiovisual da Compós.

Fábio Dummer Camargo, Universidade Paulista

Mestrando em Comunicação na Universidade Paulista (Unip). Pesquisador-colaborador da Universidade Federal do ABC (UFABC). Graduado em História (Licenciatura) pelo Centro Universitário Anhanguera. Especialista em História e Sociedade pela PUC-SP. Especialista em Mídia e Cultura pela USP.

 

Referências

AUMONT, M.; MARIE, M. A análise do filme. Lisboa: Texto & Grafia, 2010.
CARVALHAL, F. C. A. Luz, Câmara, Educação! O Instituto Nacional de Cinema Educativo e a formação da cultura áudio-imagética escolar. 2008. Dissertação (Mestrado em Educação), Universidade Estácio de Sá, Rio de Janeiro, 2008.
CHARTIER, R. A história cultural: Entre práticas e representações. Lisboa: Difel, 1990.
GARCÍA CANCLINI, N. Consumidores e cidadãos: conflitos multiculturais da globalização. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1995.
MARTINS, W. S.; SANGLARD, G. História Cultural: ensaios sobre linguagens, identidades e práticas de poder. Rio de Janeiro: Apicuri, 2010.
NICHOLS, B. Introdução ao documentário. Campinas: Papirus, 2005.
SÁ, S. P. Cultura Material: Gostos e afetos para além da noção de presença. In: MENDONÇA, C. M. et. al. (org.) Comunicação e sensibilidade: pistas metodológicas. Belo Horizonte: PPGCOM UFMG, 2016.
SALEM, H. Leon Hirszman: o navegador das estrelas. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.
SCHWARCZ, L. M.; STARLING, H. Brasil: uma biografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.
SEVCENKO, N. História da Vida Privada no Brasil. Vol. 3. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.
WAJNMAN, S. e MARINHO, M. G. Cultura visual e consumo na telenovela Dancin’Days (1978): registros locais de uma transição global. Caligrama (São Paulo. Online), vol. 2, n. 2, [S.i.], ago/2006. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.1808-0820.cali.2006.56759
WATERSON, R. Trajectories of memory: documentary film and the transmission of testimony. History and Anthropology (Londres), vol. 18, n. 1, pp. 51-73, 2007. DOI: https://doi.org/10.1080/0275720070121823

Downloads

Publicado

2020-07-14

Como Citar

Souza, G., & Camargo, F. D. (2020). O documentário Megalópolis como veículo de memória: americanização, nacionalismo e consumo na modernização do Brasil no início da década de 1970. Novos Olhares, 9(1), 218-229. https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2020.163996

Edição

Seção

ARTIGOS