Alice em São Paulo: atravessamentos do corpo na metrópole inacabada

Autores

  • João Vitor Resende Leal Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2021.178175

Palavras-chave:

São Paulo, Espaço Urbano, Cinema, Realismo, Alice

Resumo

O artigo busca examinar alguns dos princípios que regem a representação da metrópole contemporânea na produção audiovisual brasileira. Para além do progresso e do dinamismo típicos da cidade moderna, o discurso contemporâneo aborda a metrópole como espaço de desorientação, que catalisa e amplifica experiências sensoriais. Investigaremos em particular a representação de São Paulo na série televisiva Alice (2008), na qual a protagonista tem a vida afetiva atravessada por suas descobertas da cidade, numa “estratégia feminina de leitura do espaço” (Bruno, 2007). Destacando outras produções paulistanas da primeira década dos anos 2000, refletiremos ainda sobre as estratégias de abordagem do espaço urbano no cinema contemporâneo, questionando a tendência de “retorno ao real” através da sensorialidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Vitor Resende Leal, Universidade Estadual de Campinas

Pós-doutorando com bolsa Fapesp do Programa de Pós-Graduação em Multimeios do Instituto de Artes da Universidade Estadual de Campinas (PPGMM-IA-Unicamp).

Referências

Augé, M. (2010). Por uma antropologia da mobilidade. Edufal; Unesp.

Bauman, Z. (1996). From pilgrim to tourist – Or a short history of identity. In S. Hall, & P. Du Gay (Orgs.), Questions of cultural identity (pp. 18-36). Sage.

Bauman, Z. (2001). Modernidade líquida. Jorge Zahar.

Bazin, A. (1991). O cinema: Ensaios. Brasiliense.

Benjamin, W. (1991). Paris, capital do século XIX. In F. Kothe (Org.), Walter Benjamin (pp. 30-43). Ática.

Bruno, G. (2007). Atlas of emotion: Journeys in art, architecture and film. Verso.

Calvino, I. (1990). As cidades invisíveis. Companhia das Letras.

Carroll, L. (2010). Aventuras de Alice no país das maravilhas e Através do espelho e o que Alice encontrou por lá. Jorge Zahar.

Feldman, I. (2008). Do trânsito ao transe-to: Descontrole e desorientação em Não por Acaso, A Via Láctea e A Casa de Alice. Revista Cinética. http://www.revistacinetica.com.br/transitoilana.htm.

Feldman, I., & Eduardo, C. (2007). A política do corpo e o corpo político: O cinema de Karim Aïnouz. Revista Cinética. http://www.revistacinetica.com.br/cep/karim_ainouz.pdf

Folha de S.Paulo. (2015, 1 de julho). Criadora do ‘piso paulista’ diz que nunca recebeu 1 centavo pelo desenho. Folha de S.Paulo. https://www.youtube.com/watch?v=BLGKXZUrfnQ

Leonarde, A. (2014). A identidade histórico-cultural de São Paulo por meio de sua narrativa identitária: A cidade do trabalho e do entretenimento. Licere, 17(4), 198-235. https://doi.org/10.35699/1981-3171.2014.1053

Luca, T. (2011). Realism of the senses: A tendency in contemporary world cinema. In R. Dudrah, L. Nagib, & C. Perriam (Orgs.), Theorizing world cinema (pp. 183-205). Tauris.

Machado Jr., R. (1989). São Paulo em movimento: A representação cinematográfica da metrópole nos anos 20 (Dissertação de mestrado). Universidade de São Paulo.

Machado Jr., R. (2007). Imagens brasileiras da metrópole: A presença da cidade de São Paulo na história do cinema (Memorial de livre docência). Universidade de São Paulo.

Machado Jr., R. (2008). Plano em grande angular de uma São Paulo fugidia. Comunicação e Informação, 11(2), 192-196. https://doi.org/10.5216/c&i.v11i2.7486

Mascarenhas, A. (2014). A televisão transmídia de Alice: Reconfiguração narrativa na televisão fechada brasileira. In A. Mascarenhas, E. Pinheiro, & O. Tavares (Orgs.), Culturas midiáticas e audiovisuais: Estudos (pp. 9-37). Ideia.

Massey, D. (2008). Pelo espaço. Bertrand Brasil.

Mello, M. C. (2007, 22 de agosto). O tesão alimenta a alma, diz Karim Aïnouz, diretor da série “Alice”, da HBO. UOL Entretenimento. http://televisao.uol.com.br/ultimas-noticias/2007/08/22/ult4244u299.jhtm

Mello, C. (2013). Um conto de duas cidades. In A. Brandão, A. Corseuil, & R. Lira (Orgs.), Cinema, globalização e transculturalidade (pp. 119-136). Nova Letra.

Mello, C., & Nagib, L. (Orgs.). (2009). Realism and the audiovisual media. Palgrave Macmillan.

Merleau-Ponty, M. (2003). O visível e o invisível. Perspectiva.

Montero, P. (2008). Passagens na metrópole paulistana do século XXI. Novos estudos Cebrap, (82), pp. 191-199. https://doi.org/10.1590/S0101-33002008000300011

Pucci, R. (2008). Cinema brasileiro pós-moderno: o neon-realismo. Sulina.

Sobchack, V. (2004). Breadcrumbs in the forest: Three meditations on being lost in space. In V. Sobchack, Carnal thoughts: Embodiment and moving image culture (pp. 13-35). University of California Press.

Valente, E. (Ed.). (2008). Linha de passe, de Daniela Thomas e Walter Salles (Brasil, 2008). Revista Cinética. http://www.revistacinetica.com.br/linhadebate.htm.

Xavier, I. (2005). O discurso cinematográfico: A opacidade e a transparência. Paz e Terra.

Xavier, I. (2006). São Paulo no cinema: Da coesão da cidade-máquina à corrosão da cidade arquipélago. Sinopse, 8(11), 18-25.

Downloads

Publicado

2021-07-30

Como Citar

Leal, J. V. R. . (2021). Alice em São Paulo: atravessamentos do corpo na metrópole inacabada. Novos Olhares, 10(1), 102-113. https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2021.178175

Edição

Seção

ARTIGOS