Os excessos de Elena: o ensaio e o devir mulher na obra de Petra Costa

Autores

  • Juliana Gusman Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2021.180894

Palavras-chave:

Elena, Documentário de mulheres, Ensaio audiovisual, Autobiografia, Feminismo

Resumo

Este artigo pretende problematizar como o devir feminino é trabalhado no documentário Elena (2012), de Petra Costa. O filme, de corte ensaístico e (auto)biográfico, almeja reflexionar sobre as agruras do processo de “vir a ser mulher”, lançando mão de diferentes matérias de expressão articuladas criticamente para tensionar padrões culturais de gênero violentos. Isso posto, objetiva-se analisar não apenas a obra em si, mas também discursos que a tangenciam. Investigarei como outras narrativas audiovisuais – especificamente um conjunto de treze vídeos divulgados nas redes oficiais do filme – extrapolam e excedem os conteúdos do documentário, exercendo uma função paratextual. Supõe-se que Elena, além de propor questões centrais à emancipação feminina, consegue potencializar, por meio dos seus “excessos”, sua própria circulação e mediação social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Gusman, Universidade de São Paulo

Doutoranda em Meios e Processos Audiovisuais pela Universidade de São Paulo. Mestre em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Bacharel em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo, pela mesma instituição. É membro do grupo de pesquisa Mídia e Narrativa e da Rede Metacrítica.

Referências

Adorno, T. (2003). O ensaio como forma. In T. Adorno, Notas de Literatura (pp. 15-45). Duas cidades/34.

Beauvoir, S. (2016). O segundo sexo: Fatos e mitos. Nova Fronteira.

Bense, M. (2018). O ensaio e a sua prosa. In P. R. Pires (Org.), Doze ensaios sobre o ensaio (pp. 100-124). IMS, 2018.

Brum, E. (2014). Em busca do próprio corpo. In Elena: O livro do filme de Petra Costa (pp. 16-21). Arquipélago, 2014.

Corrigan, T. (2015). Sobre a história do filme ensaio: De Vertov a Varda. In T. Corrigan, O filme ensaio: Desde Montaigne e depois de Marker (pp. 53-78). Papirus, 2015.

Costa, P. (Diretora). (2012). Elena [Filme]. Busca Vida Filmes. http://www.elenafilme.com/.

De Lauretis, T. (2019). A tecnologia de gênero. In H. B. Hollanda (Org.), Pensamento feminista: Conceitos fundamentais (pp. 121-155). Bazar do Tempo, 2019.

Genette, G. (2018). Paratextos editoriais. Ateliê.

Gervaiseau, H. A. (2015). Escrituras e figurações do ensaio. In F. E. Teixeira (Org.), O ensaio no cinema (pp. 92-119). Hucitec, 2015.

Holanda, K. (2015). Documentaristas brasileiras e as vozes feminina e masculina. Significação, 42(44), 339-358. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2015.103434

Holanda, K. (2017a). Da história das mulheres ao cinema brasileiro de autoria feminina. Famecos, 24(1). https://doi.org/10.15448/1980-3729.2017.1.24361

Holanda, K. (2017b). Helena Solberg: Entre o pessoal e o político. Devires, 14(2), 184-203.

Kehl, M. R. (2016). Deslocamentos do feminino. Boitempo.

Labbé, P. (2017). Documental y experiencia introspectiva: Relaciones, correspondencias y tensiones para explorar el espacio de las prácticas cinematográficas autorrepresentacionales. Devires, 14(2), 226-251.

Lejeune, P. (2014). O pacto autobiográfico: De Rousseau à Internet. Editora UFMG.

Llano, S. M. (2014, 4 de fevereiro). “Si la escritura no es un arma, estamos perdidos”. El Espectador. https://www.elespectador.com/noticias/cultura/si-la-escritura-no-es-un-arma-estamos-perdidos

Lugones, M. (2011). Hacia un feminismo descolonial. La manzana de la discordia, 6(2), 105-119. https://doi.org/10.25100/lamanzanadeladiscordia.v6i2.1504

Mattos, C. A. (2016). O cinema de fato: Anotações sobre o documentário. Jaguatirica.

Mattos, C A. (2018). Documentário contemporâneo (2000-2016). In F. P. Ramos, & S. Schvarzman (Orgs.), Nova História do Cinema Brasileiro (vol. 2, pp. 474-512). Sesc.

Tavares, D. (2017). Documentário biográfico e protagonismo feminino. In K. Holanda, & M. Tedesco. Feminino e plural: Mulheres no cinema brasileiro (pp. 199-212) Papirus, 2017.

Tiburi, M. (2010). Ofélia morta – Do discurso à imagem. Estudos feministas, 18(2), 303-318, https://doi.org/10.1590/S0104-026X2010000200002

Downloads

Publicado

2021-07-30

Como Citar

Gusman, J. (2021). Os excessos de Elena: o ensaio e o devir mulher na obra de Petra Costa. Novos Olhares, 10(1), 78-87. https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2021.180894

Edição

Seção

ARTIGOS