A “múmia” e o “coronel”: recepção nas redes sociais de Marina Silva e Ciro Gomes

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2021.181210

Palavras-chave:

Gênero, Recepção, Marina Silva, Ciro Gomes

Resumo

O objetivo deste artigo é compreender como Marina Silva é percebida por sua audiência nas redes sociais, enquanto figura pública e mulher negra de origem pobre, no cenário político brasileiro, dominado por homens brancos. Para isso, por meio de um estudo de recepção, levantaram-se os comentários de uma postagem sua no Twitter, no dia 22 de maio de 2020, a fim de os comparar a comentários de um post realizado no mesmo dia e na mesma rede social por Ciro Gomes. Analisá-la comparativamente a Ciro Gomes, um político de características semelhantes às dela (extensa vida pública, viés ideológico parecido, participação em eleições presidenciais), é uma forma de compreender como o gênero pode impactar ou não os discursos dos sujeitos que interagem com produções midiáticas de políticos brasileiros. Como resultados, percebe-se que Marina foi mais atacada do que Ciro, com destaque à sua aparência física.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Glauce Cunha, Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Comunicadora e produtora de TV. Mestranda no Programa de Pós- Graduação em Linguagens, Mídia e Arte da PUC-Campinas.

Juliana Doretto, Universidade Nova de Lisboa

Jornalista. Doutora em Ciências da Comunicação pela Universidade Nova de Lisboa. Professora e pesquisadora no Programa de Pós-Graduação em Linguagens, Mídia e Arte (Limiar) da PUC-Campinas. Cofundadora da Recria (Rede de Pesquisa em Comunicação, Infâncias e Adolescências).

Referências

Bardin, L. (2002). Análise de conteúdo. Edições 70.

Canclini, N. G. (2004). Diferentes, desiguales y desconectados: mapas de interculturalidade. Gedisa.

Castells, M. (1999). A sociedade em rede. Paz e Terra.

Cogo, D., & Brignol, L. D. (2011). Redes sociais e os estudos de recepção na internet. MATRIZes, 4 (2), 75-92, http://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v4i2p75-92.

Escosteguy, A. C. D. (2002). Os estudos de recepção e as relações de gênero: algumas anotações provisórias. Ciber legenda, 1 (7), https://periodicos.uff.br/ciberlegenda/article/view/36797.

Finamore, C. M., & Carvalho, J. E. C. (2006). Mulheres candidatas: relações entre gênero, mídia e discurso. Estudos Feministas, 14 (2), 347-362, https://doi.org/10.1590/S0104-026X2006000200002.

Furtado, T., & Doretto, J. (2019). The “young black man” in the photo: the production of meaning in reader comments from the El País Newspaper. Brazilian Journalism Research, 15 (1), 148-175, https://doi.org/10.25200/BJR.v15n1.2019.1149.

Hall, S. (2003). Da diáspora: identidades de mediações culturais. Editora UFMG.

Han, B.-C. (2017). Sociedade do cansaço. Vozes.

Hooks, B. (2019). E eu não sou uma mulher? Rosa dos Tempos.

Morin. E. (2007). Cultura de massas no século XX. Volume 1: Neurose. Forense Universitária.

Pains, C. (2018, 7 de março). Brasil tem menos parlamentares mulheres do que 151 países. O Globo On-line. https://oglobo.globo.com/sociedade/brasil-tem-menos-parlamentares-mulheres-do-que-151-paises-22462336.

Schumaher, S, & Ceva, A. (2015). Mulheres no poder: trajetórias na política a partir da luta das sufragistas do Brasil. Edições de Janeiro.

Sousa, M. W. (1994). Recepção e comunicação: a busca do sujeito. In M. W. Sousa (Org.), Sujeito, o lado oculto do receptor (pp. 13-38), Brasiliense.

Downloads

Publicado

2021-07-30

Como Citar

Cunha, G., & Doretto, J. (2021). A “múmia” e o “coronel”: recepção nas redes sociais de Marina Silva e Ciro Gomes. Novos Olhares, 10(1), 64-77. https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2021.181210

Edição

Seção

ARTIGOS