A dimensão política do desenho animado: o entretenimento e o comum em Steven Universe

Autores

  • Cláudio Coração Universidade Federal de Ouro Preto
  • Pedro Lavigne Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2021.182930

Palavras-chave:

Política, Entretenimento, Comum, Midiatização

Resumo

Neste trabalho, buscamos identificar os modos de existência do desenho animado enquanto objeto midiático com potencial de atuação política no cotidiano, a partir de breves análises do desenho Steven Universe, do Cartoon Network. Como parte de um estudo mais amplo, este recorte volta-se especificamente aos modos com os quais o desenho animado se insere nos campos de disputa pelo sentido e pela reivindicação de uma ideia de comum – processos que insistimos em chamar de dimensão política do desenho animado. Por fim, discutimos acerca da natureza própria ao comunicacional em um mundo intensa e constantemente penetrado pelo tecido midiático, no qual o entretenimento parece inseparável da própria noção de subjetivação política, seja enquanto objeto de partilha, seja enquanto sintoma.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cláudio Coração, Universidade Federal de Ouro Preto

Professor do Programa de Pós- Graduação em Comunicação e do curso de Jornalismo da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP). Doutor em Comunicação: meios e processos audiovisuais pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP). Coordenador do Grupo de Pesquisa Quintais: cultura da mídia, arte e política (CNPq-UFOPRede Metarítica).

Pedro Lavigne, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutorando em Comunicação e Sociabilidade Contemporânea pelo Programa de Pós-graduação em Comunicação Social da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Mestre em Comunicação pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP). Membro do Grupo de Pesquisa Quintais: cultura da mídia, arte e política (CNPq-UFOP-Rede Metacrítica).

Referências

Adorno, T., & Horkheimer, M. (1985). Dialética do Esclarecimento: Fragmentos filosóficos (G. A. Almeida, Trad.). Jorge Zahar.

Bauman, Z. (2001). Tempo/Espaço. In Z. Bauman, Modernidade líquida (P. Dentzien, Trad.). Jorge Zahar, 2001.

Dunker, C. I. L. (2017). Subjetividade em tempos de pós-verdade. In M. C. Pinto, & M. Leão (Org.), Ética e Pós-Verdade (pp. 9-42). Dublinenses, 2017.

Iser, W. (1979). O jogo do texto. In L. C. Lima (Trad. & Org.), A literatura e o leitor: Textos de estética da recepção. Paz e Terra, 1979.

Jauss, H. R. (1979). O prazer estético e as experiências fundamentais da poiesis, aisthesis e katharsis. In L. C. Lima (Org.), A literatura e o leitor: Textos de estética da recepção (pp. 85-103). Paz e Terra.

Levinas, E. (1988). Totalidade e infinito. Edições 70.

Martino, L. M. S. (2007). A produção da consciência significativa. In L. M. S. Martino, Estética da Comunicação: Da consciência comunicativa ao “eu” digital (pp. 25-54). Vozes.

Pasolini, P. P. (2020). Escritos corsários (M. B. Amoroso, Trad.). Editora 34.

Rancière, J. (2009). A partilha do sensível: Estética e política (M. C. Netto, Trad.). Editora 34.

Rancière, J. (2012). O espectador emancipado. WMF Martins Fontes.

Safatle, V. P. (2008). Cinismo e falência da crítica. Boitempo.

Serelle, M. V. (2016). A ética da mediação: Aspectos da crítica da mídia em Roger Silverstone. Matrizes, 10(2), 75-90. https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v10i2p75-90

Silverstone, R. (2002). Complicity and collusion in the mediation of everyday life. New Literary History, 33(4), 761-780.

Silverstone, R. (2005). Por que estudar a mídia. Loyola.

Soares, R. L. (2009). Margens da comunicação: Discurso e mídias. Fapesp.

Soares, R. L. (2020). Sutileza e grosseria da exclusão nas mídias. Alameda.

Sodré, M. (2014). A ciência do comum: Notas para o método comunicacional. Vozes.

Valverde, M. (2010). Comunicação e experiência estética. In B. S. Leal, C. C. Mendonça, & C. Guimarães (Org.), Entre o sensível e o comunicacional (Vol. 1, pp. 57-71). Autêntica.

Yamamoto, E. Y. (2017). Comunidade e Comunicação: A crise do comum (Vol. 1). Appris.

Žižek, S. (2006). The parallax view. The Mit Press.

Žižek, S. (2016). O sujeito incômodo: O centro ausente da ontologia política. Boitempo.

Referências audiovisuais

Sugar, R., Lelash, C, Pelphrey, J., Miller, B. R., & Sorcher, R. (Produtores Executivos). (2013-hoje). Steven Universe [Série de TV]. Cartoon Network Studios.

Downloads

Publicado

2021-07-30

Como Citar

Coração, C. R., & Lavigne, P. (2021). A dimensão política do desenho animado: o entretenimento e o comum em Steven Universe. Novos Olhares, 10(1), 52-63. https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2021.182930

Edição

Seção

ARTIGOS