Paisagens anestésicas, espaços estésicos, convívios afetivos: Torre das Donzelas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2022.194703

Palavras-chave:

Cinema, Torre das donzelas, Presas políticas, Resistência, Experiência estética e estésica

Resumo

Este estudo lança um olhar analítico ao filme Torre das Donzelas (Susanna Lira; Brasil, 2018), considerando as formas de resistências feministas convertidas em experiências estéticas no lugar do cinema e no ambiente carcerário. A narrativa resgata a memória de mulheres brasileiras, presas políticas que, tentando continuar contra ou a despeito de (avaliando-se aqui o conjunto de conteúdos axiológicos e sensíveis proposto por Jacques Fontanille), buscam superar violências e arbitrariedades a que foram submetidas no presídio Tiradentes, na cidade de São Paulo, durante a ditadura civil-militar no Brasil. Lira, entretecendo poéticas, faz uma obra política por meio das imagens de partilha do sensível. Imagens que exibem formas de vida coletiva e afetiva, resistentes ao espaço e ao tempo. Mulheres que, apesar de…, diluíram as grades impostas pelo sistema opressor instalado em 1964, e hoje, projetadas na tela do cinema, reapresentam-se, transformando paisagens anestésicas em espaços estésicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sandra Fischer, Universidade Tuiuti do Paraná

Doutora em Ciências da Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP). Docente e coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Linguagens da Universidade Tuiuti do Paraná (UTP). Docente colaboradora do Mestrado em Cinema e Artes do Vídeo da Universidade Estadual do Paraná (CineAv/Unespar). Vice-líder do Grupo de Pesquisa Telas: cinema, televisão, streaming, experiência estética (UTP/CNPq).

Aline Vaz, Universidade Tuiuti do Paraná

Doutora pela UTP. Docente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Linguagens  da UTP. Líder do Grupo de Pesquisa Telas: cinema, televisão, streaming, experiência estética (UTP/CNPq).

Referências

Vaz, A. (2021). Nuevo Cine Argentino e políticas neoliberais pós-ditaduras: Paisagens anestésicas e espaços estésicos em Lucrecia Martel e Pablo Trapero [Tese de doutorado, Universidade Tuiuti do Paraná]. Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UTP. https://bit.ly/3xHrHor

Fischer, S. (2006). Clausura e compartilhamento: A representação da família no cinema de Saura e de Almodóvar. São Paulo: Annablume.

Bachelard, G. (1989). A poética do espaço. São Paulo: Martins Fontes.

Bondía, J. L. (2002). Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, (19), 20-28. https://doi.org/10.1590/S1413-24782002000100003

Bursztyn-Miranda, A., Teresa, L., Aires, M., Goffman R., & Lira, S. (2020, 27 de setembro). Torre das Donzelas [Debate]. Facebook. https://bit.ly/3zaJnKi

Freud, S. (1996). O estranho. In J. Strachey (Ed.), Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (pp. 233-276). Imago.

Fontanille, J. (2014). Quando a vida ganha forma. In E. M. F. S. Nascimento & V. L. R. Abriata (Orgs.), Formas de vida: Rotina e acontecimento (pp. 55-85). Coruja.

Foucault, M. (2014). Vigiar e punir: Nascimento da prisão. Vozes.

García, L. I. (2018). La comunidad en montaje: Imaginación política y postdictadura. Prometeo.

Greimas, A. J. (2002). Da imperfeição. São Paulo: Hacker.

Lira, S. (Diretora). (2018). Torre das Donzelas [Documentário]. Modo Operante.

Martins, J. S. (1998). O senso comum e a vida cotidiana. Tempo social, 10(1), 1-8. https://doi.org/10.1590/ts.v10i1.86696

Marx, K. (1961). O 18 Brumário de Luís Bonaparte. In K. Marx & F. Engels. Obras escolhidas (2a ed.). Vitória.

Rancière, J. (2009). A partilha do sensível: Estética e política. Editora 34.

Santos, M. (1988). Metamorfoses do espaço habitado. Hucitec.

Sarlo, B. (2016). Paisagens imaginárias. Edusp.

Downloads

Publicado

2022-06-29

Como Citar

Fischer, S., & Vaz, A. (2022). Paisagens anestésicas, espaços estésicos, convívios afetivos: Torre das Donzelas. Novos Olhares, 11(1), 7-15. https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2022.194703

Edição

Seção

ARTIGOS