De perseguidas a fatais: personagens femininas, sexo e horror na literatura do medo brasileira

Autores

  • Júlio França Universidade Estadual do Rio de Janeiro
  • Daniel Augusto P. Silva Universidade Estadual do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2015.115072

Palavras-chave:

Literatura gótica, literatura do medo, sadismo, perversões sexuais, Sexualidade,

Resumo

As temáticas sexuais e a figura feminina são sistematicamente exploradas pelas narrativas de horror. Desde a literatura gótica no século XVIII, a mulher é retratada em situações associadas à morte e ao medo. Nessas histórias, é recorrente o tópos da damsel in distress, isto é, a presença de uma personagem feminina que é vítima dos mais diversos tipos de violência, física e/ou psicológica. Já no século XIX, as representações da mulher na literatura se tornam mais diversificadas. No Romantismo, ganha força a femme fatale e o sexo é encarado como conflito entre alma e corpo. Se durante a literatura romântica tal mulher é idealizada e constitui uma ameaça emocional, no fin-de-siècle ela representa um perigo eminentemente físico. No final do XIX, ela encarna a busca por independência e a contestação do domínio masculino. Este trabalho pretende apresentar um panorama dessa transformação na literatura do medo brasileira, tomando como demonstração as seguintes obras: Noite na taverna (1855), de Álvares de Azevedo; A ilha maldita (1879), de Bernardo Guimarães; “Palestra a horas mortas” (1898), de Medeiros e Albuquerque; “O bebê de tarlatana rosa” (1910), de João do Rio; e “Noites brancas” (1920), de Gastão Cruls.

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Júlio França, Universidade Estadual do Rio de Janeiro

Júlio França é doutor em Literatura Comparada pela UFF e Professor de Teoria da Literatura do Instituto de Letras e do Programa de Pós-graduação em Letras da UERJ. É líder do Grupo de Pesquisa Estudos do Gótico (CNPq). Os trabalhos de sua atual pesquisa sobre o medo como prazer estético podem ser encontrados no site http:// sobreomedo.wordpress.com.

Daniel Augusto P. Silva, Universidade Estadual do Rio de Janeiro

Daniel Augusto P. Silva é graduando em Letras (Português/Francês) na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), bolsista de Iniciação Científica (FAPERJ) sob orientação do Prof. Dr. Júlio França e membro do Grupo de Pesquisa Estudos do Gótico (CNPq).

Downloads

Publicado

2016-05-03

Como Citar

França, J., & Silva, D. A. P. (2016). De perseguidas a fatais: personagens femininas, sexo e horror na literatura do medo brasileira. Opiniães, 4(6-7), 51-66. https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2015.115072