Arena conta Tiradentes: dilemas estéticos e ideológicos do Teatro de Arena pós golpe de 1964

  • Mariana Figueiró Klafke Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Teatro de Arena, Teatro e Política, Ditadura.

Resumo

Arena conta Tiradentes, de Augusto Boal e Gianfrancesco Guarnieri, utiliza um levante político do período colonial para falar do momento de 1967, refletindo sobre o malogro das expectativas democráticas de inclusão popular que se viviam no Brasil dos anos 1950 e 1960, interrompidas pelo golpe de 1964 e pela ditadura que se instalaria a partir de então. Para o Teatro de Arena, grupo muito ligado à questão nacional-popular e que teve centralidade na produção cultural dos anos anteriores, lidando justamente com uma temática relativa à inclusão do povo no debate sobre os rumos do país, o golpe significou uma ruptura fundamental e exigiu uma revisão significativa dos horizontes ideológicos e estéticos. A partir de 1965, o Arena produziu uma série de musicais utilizando uma nova técnica, o Sistema Coringa, que procurou sintetizar sua trajetória estética e propor rumos para a nova situação política do país. Dentre esses musicais encontra-se Arena conta Tiradentes, objeto deste estudo. Por meio de uma leitura própria e da retomada dos principais estudos sobre a peça, procuramos refletir sobre os dilemas estéticos e ideológicos do grupo
no conturbado pós-64.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Figueiró Klafke, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Mestranda em Literatura Brasileira da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
Publicado
2016-08-15
Como Citar
Klafke, M. (2016). Arena conta Tiradentes: dilemas estéticos e ideológicos do Teatro de Arena pós golpe de 1964. Opiniães, 5(8), 19-35. https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2016.118934