A externalidade como estética em O mez da grippe e Anjo Negro: sob uma perspectiva foucaultiana

  • Juliana Carvalho de Araujo de Barros Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Valêncio Xavier, Nelson Rodrigues, panoptismo, gênero híbrido

Resumo

O presente artigo pretende fazer leitura e estudo comparado dos elementos constitutivos de O mez da grippe, do escritor e cineasta Valêncio Xavier, e Anjo Negro, do jornalista e dramaturgo Nelson Rodrigues, a fim de pensar questões prezadas pela modernidade estética e presentes em ambas as obras, com ênfase nos aspectos formais e destacando elementos que emanam da afirmação da externalidade, tais como o panoptismo, a sociedade disciplinar e o estranho/fantasma que ameaça a ordem, a superficialidade dos personagens, assim como o clichê e a ironia, o gênero textual híbrido. Para tanto, utilizaremos como principal base teórica o pensamento do filósofo Michel Foucault, em especial seus livros Vigiar e punir e História da sexualidade 1: a vontade de saber.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Carvalho de Araujo de Barros, Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Doutoranda em Literatura Comparada (Universidade do Estado do Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil).
Publicado
2016-08-15
Como Citar
Barros, J. (2016). A externalidade como estética em O mez da grippe e Anjo Negro: sob uma perspectiva foucaultiana. Opiniães, 5(8), 80-93. https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2016.118953