Rio de Janeiro, a metrópole onírica de Rubem Fonseca

  • Luís Otávio Hott Universidade Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Rubem Fonseca, Rio de Janeiro, flâneur, transgressão.

Resumo

O conto “A arte de andar nas ruas do Rio de Janeiro”, de Rubem Fonseca, revela uma construção onírica da cidade do Rio de Janeiro que, em certa medida, se assemelha à alegoria baudelairiana construída por Walter Benjamin. Para Benjamin, a Paris de Baudelaire se constituía como uma cidade no apogeu de seu esplendor e ao mesmo tempo em processo de decadência. De forma similar Rubem Fonseca constrói a cidade do Rio de Janeiro, uma metrópole onírica e decadente, onde figuras como a prostituta, o andarilho, e o flâneur ainda podem existir, sendo sua própria permanência um ato de resistência e transgressão.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2016-12-21
Como Citar
Hott, L. (2016). Rio de Janeiro, a metrópole onírica de Rubem Fonseca. Opiniães, 5(9), 56-64. https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2016.124616