Um passeio flaneurístico nas ruas brasileiras com o chutador de tampinhas de João Antônio

Autores

  • Luciéle Bernardi de Souza Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2016.124626

Palavras-chave:

modernidade, João Antônio, Baudelaire, cidade.

Resumo

O homem moderno é caracterizado de inúmeras maneiras, mas poucas características lhe são tão intrínsecas quanto o flanar. Não há nada mais moderno do que esse singular caminhar entre as ruas das cidades, flanar de diferentes maneiras, conhecida atividade presente em algumas obras de Baudelaire. Poderia o flanar do homem europeu ser adaptado, flertar com o flanar carioca representado na arte de caminhar e chutar tampinhas no asfalto do personagem suburbano de João Antônio? O homem que faz o espaço, pois o significa, dota de sentido, o flâneur que não ouve Wagner, mas Noel Rosa, não leva guarda-chuva, mas chuta tampinhas, e faz desse chute sua arte de olhar o ordinário na cidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2016-12-21

Como Citar

Souza, L. B. de. (2016). Um passeio flaneurístico nas ruas brasileiras com o chutador de tampinhas de João Antônio. Opiniães, 5(9), 136-143. https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2016.124626